Postagem em destaque

Vitória da infância contra o McDonald's

Feijão Transgênico


Mesmo depois de aprovada a liberação do feijão transgênico, seus proponentes seguem inflando seus supostos benefícios. A mistificação criada em torno do tema parece ter ganhado asas.
A nova semente vai “democratizar o consumo do alimento em todas as classes da população”, diz o autor do projeto. Considerando o atual padrão alimentar do brasileiro, será que basta alterar um gene da planta e pronto?
A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, do IBGE, indicou queda no consumo de arroz e feijão entre os brasileiros no período de 2002/2003 a 2008/2009. A coleta de dados ocorreu nas áreas urbana e rural em todo o território nacional. No período considerado, o consumo per capita anual da leguminosa caiu de 12,4 para 9,1 kg. Já o consumo de refrigerantes de cola aumentou 39,3%. Os alimentos essencialmente calóricos (óleos e gorduras vegetais, gordura animal, açúcar de mesa e refrigerantes e bebidas alcoólicas) perfazem 28% do consumo no domicílio. O aumento da renda da população em parte explica o menor consumo de bens inferiores como o feijão. Assim, o que se entende por democratizar o acesso ao feijão?
Ainda de acordo com o IBGE, em outra pesquisa, metade da população adulta e um quinto dos adolescentes brasileiros estão acima do peso. É uma epidemia de obesidade. Hoje cada vez mais come-se fora de casa e comida industrializada. A questão é complexa. Para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, algumas indústrias agroalimentícias colocam a saúde pública em situação de risco para proteger seus interesses. Existe “uma história vergonhosa e bem documentada de certos atores na indústria que ignoram a ciência e, inclusive, sua própria pesquisa”, disse (Portal Terra, 19/09/2011).
Voltando ao feijão, os dados da Conab/Ministério da Agricultura, para o mesmo período 2002-2009, apontam que a área cultivada com feijão passou de 4,38 para 4,17 milhões de hectares. No mesmo período a produtividade média nacional cresceu de 732 para 842 kg/ha e a produção foi de 3,2 para 3,49 milhões de toneladas (previsão de 3,78 para 2011). O consumo do grão está caindo não por falta de produção.
E como disseram em artigo cinco ex-integrantes da CTNBio “A Embrapa, através de parte de seus pesquisadores, ao impedir o acesso da comunidade científica ou da população às informações moleculares está contribuindo para o obscurantismo da ciência, ao não querer mostrar o que de fato está ocorrendo no feijão transgênico. Esconder da sociedade o que estará dentro de um prato de comida não foi uma prerrogativa dada pela sociedade a uma empresa mantida com recursos oriundos desta própria sociedade.” A se tirar pelo discurso midiático dos defensores do novo feijão, parece que se desconhece ou se esconde não só o que está dentro, mas também o que por trás de um prato de comida.

Feira de produtos orgânicos S.José dos Pinhais -SP - sábados


Suco de uva é mais nutritivo e benéfico do que o vinho

Saiba mais sobre as características da fruta
Atualizada em 22/09/2011 às 11h37
Apex Brasil, Divulgação
Foto: Apex Brasil, Divulgação
Uva preta contém as maiores quantidades de compostos que fazem bem à saúde
Na manhã desta sexta, dia 6, o Bom Dia Campo aborda os benerfícios da uva. Confira!
Melhor e mais nutritivo do que o vinho, estudos têm revelado que o suco de uva preta ou rosada pode trazer os mesmos benefícios à saúde por conter os poderosos antioxidantes, chamados flavonóides, aos quais se atribuem os bons efeitos do vinho sobre o coração. Os flavonóides no suco de uva, como os do vinho, se mostraram capazes de evitar a oxidação do chamado mau colesterol, LDL ou lipoproteínas de baixa densidade, que levam à formação de placas nas paredes das artérias.
Comer uvas brancas ou verdes, ou beber seu suco, também não tem o mesmo efeito, porque não contêm os flavonóides que as uvas pretas e rosadas têm.
A tradição atribuiu ao suco de uva as mais elogiosas expressões, como sangue vegetal, leite vegetal e seiva viva. O suco de uva contém mais calorias que o leite, uma certa analogia que pode ser levada mais longe; a composição do suco de uva mostra surpreendentes semelhanças com a do leite materno. É, pois, um alimento privilegiado para os períodos de "reconstrução" da fadiga, da anemia e da convalescença.
O açúcar do suco de uva é composto por glicose e frutose, é diretamente assimilável, não exige nenhum esforço aos órgãos digestivos, é por tal razão aconselhável para a alimentação dos doentes atacados por febre.
Do ponto de vista terapêutico trata-se de um dos mais preciosos sucos. O suco de uva é estimulante das funções hepáticas, constituindo a base de remédios farmacêuticos para o fígado (esta função é desempenhada não apenas pelo suco, como também pela uva e folhas de parreira).
Por ser alcalinizante (combate a acidez sanguínea), é indicado a pessoas intoxicadas pelo excesso do consumo de carne. O suco de uva é um valioso estimulante digestivo pois acelera o metabolismo, eliminando de seu organismo o ácido úrico, causador da fadiga. Além disso, ele ajuda a restabelecer o equilíbrio ácido-alcalino do organismo, necessário para um fornecimento constante e prolongado de energia.
Sucos naturais são formas saborosas de superenergizar seu corpo com energia rápida. Os sucos naturais contêm nutrientes específicos não encontrados em alimentos cozidos e ajudam a proporcionar uma energia fantástica.
Em casos de câncer, obesidade e/ou desintoxicação recomenda-se a dieta de uvas ou sob a forma de suco de uva durante três dias: no primeiro dia consome-se 1 kg de uvas ou suco de uva. As frutas devem estar bem maduras e isentas de produtos tóxicos. Pode-se aumentar a quantidade até 3 kg por dia, distribuída em 6 a 8 refeições ao dia. Esta dieta só poderá ser feita sob supervisão médica.
O segredo das uvas e do suco de uva no combate ao envelhecimento é simples e poderoso: as uvas contém 20 antioxidantes conhecidos, que funcionam em conjunto para combater os radicais livres que promovem as doenças e envelhecimento, de acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Davis. Os antioxidantes encontram-se nas cascas e sementes, e quanto mais vibrante for a casca, maior o seu poder antioxidante. Isso significa que as uvas vermelhas e roxas e o suco de uva roxo são os mais poderosos. A uva vermelha possui alto teor de antioxidante quercetina. A casca da uva contém resveratrol, que comprovadamente inibe o agrupamento de plaquetas e aumenta o colesterol LDL e dilata os vasos sanguíneos.
Sob o aspecto nutricional, os principais constituintes do suco de uva são: água, açúcares, ácidos orgânicos, sais minerais, vitaminas, substâncias nitrogenadas, compostos fenólicos e pectina.
Valor Nutricional em 100 ml de Suco de Uva

Caloria 61 kcal
Carboidratos 14.96 g
Proteínas 0.56 g
Lipídeos 0.08 g
Vitamina A 8.00 UI
Tiamina 0.03 mg
Riboflavina 0.04 mg
Niacina 0.26 mg
Ácido Pantotênico 0.04 mg
Vitamina B6 0.07 mg
Ácido Fólico 2.60 mcg
Vitamina C 0.10 mg
Arginina 47.00 mg
Alanina 86.00 mg
Ácido glutâmico 110.00 mg
Fósforo 14.60 mg
Potássio 170.00mg
Cálcio 7.30 mg
Magnésio 7.10 mg
Cobre 0.053 mg
Zinco 0.14 mg
Ferro 1.30 mg
Manganês 0.33 mg
Sódio 0.53 mg
Enxofre 3.50 mg
Boro 1.40 mg
Cromo 0.013 mcg
FONTES
Faurgs (Faculdade de Agronomia da Universidade do Rio Grande do Sul) Econatura Produtos Ecológicos e Naturais Ltda.
Andréa Abdala Frank - Nutricionista, Prof. do Instituto de Nutrição UFRJ

Agricultura Orgânica é tema de seminário na Expoverde


Diário da Franca 

Mais um tema agrícola relevante será discutido durante todo o dia 30 de setembro na 3ª Expoverde - Feira de Máquinas e Implementos Agrícolas, Insumos, Flores, Frutas, Hortaliças, Plantas Nativas, Ornamentais e Medicinais; e Agricultura Orgânica de Franca e Região: a Agricultura Orgânica.   
    
O assunto é de interesse para muitos agricultores da região, que vêm sendo capacitados através de oficinas do Escritório Regional do Sebrae e pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento.

Há cinco anos foi fundada a apofran (Associação dos Produtores Orgânicos de Franca e Região) e atualmente 10 propriedades rurais de agricultores da Associação receberam certificação do IBD (Instituto Biodinâmico), selo este que garante a origem orgânica dos produtos. Outras 6 propriedades estão na fase de conversão e em breve receberão o selo.
Quem quiser conhecer o trabalho da Associação dos Produtores Orgânicos de Franca e Região - apofran - bem como saber a respeito de suas feiras, pode visitar o stand desta organização na EXPOVERDE. Lá os produtores divulgarão os benefícios e os princípios da agricultura orgânica. O visitantes receberão informativos e concorrerão a vários kits, que serão sorteados durante a feira.

Com o apoio da Brasilbio - Associação Brasileira de Orgânicos, do SEBRAE e do Banco do Brasil, a Comissão Organizadora da 3ª Expoverde realizará no dia 30 de setembro o 5º Seminário de Agricultura Orgânica da Região de Franca.

"Este ano selecionamos cada um dos palestrantes para que estes contribuam diretamente para o fortalecimento do grupo de produtores orgânicos. Abordaremos técnicas de horticultura e fruticultura orgânica, controle biológico de pragas e doenças, residuais de pesticidas e fertilizantes, bem como os desafios da agricultura orgânica em grandes culturas", afirma Alexandre Ferreira, secretário Municipal de Desenvolvimento.

O 5º Seminário de Agricultura Orgânica abrigará quatro palestras. No período da manhã, Silvio Roberto Penteado, da Via Orgânica, vai falar sobre os temas: técnicas de produção de hortaliças e frutas orgânicas; enxertia de frutíferas; hortaliças de plantio direto; e bandejas de produção de mudas de transplantio.     
      
Logo a seguir, o pesquisador Ricardo Camargo, da Embrapa Meio Ambiente, de Jaguariúna, orientará sobre a "Importância Econômica da Produção de Mel de Abelhas Sem-Ferrão".
No período da tarde, Carlos Armênio Kathounian, professor da ESALQ/USP discorrerá palestra abordando o tema "Características e Utilização de Fontes de Biomassa como Fertilizante".

Finalizando, o seminário contará com a participação do pesquisador chileno, Carlos Mezza, do Mundo Orgânico. Mezza discorrerá sobre a biotecnologia aplicada à agricultura no manejo fitossanitário; no controle biológico de pragas e doenças; residuais de pesticidas e fertilizantes; os desafios da exportação e de trabalhos em grandes culturas; bem como o panorama atual da agricultura convencional e orgânica.

Para participar os interessados podem efetivar as inscrições através do site do evento (franca.sp.gov.br/expoverde) ou diretamente no local, no credenciamento. As vagas são limitadas.   

A terceira edição da feira é uma realização da Associação dos Produtores Rurais do Bom Jardim e acontecerá entre os dias 29 e 30 de setembro e 1º e 2 de outubro, no recinto do Parque de Exposições "Fernando Costa" das 9 às 19 horas.    

A entrada é gratuita e contará com o apoio técnico da Prefeitura de Franca, através das secretarias de Desenvolvimento e de Serviços e Meio Ambiente. 


Estarão em exposição empresas dos setores de insumos, máquinas e implementos agrícolas; de flores, frutas e hortaliças; de plantas ornamentais, medicinais e nativas; bem como da agricultura orgânica. O público alvo são produtores rurais e a população em geral.

Agrotóxicos no Brasil - Um guia para ação em defesa da vida


Alimentação na 3ª idade – Dicas para promover a qualidade de vida de nossos queridos velhinhos


Coletivo Verde - 19 de setembro de 2011 | Nas Categorias: Alimentação Saudável | Por: Nadia Cozzi
Já falamos sobre a alimentação dos bebês, crianças e adolescentes e não poderíamos esquecer os vovôs e vovós que também necessitam de atenção e cuidados.
Envelhecer numa Sociedade como a nossa, em que a beleza estética e o vigor físico são super valorizados, é um processo sofrido. Convencionou-se que a 3ª idade começa aos 65 anos, mas existem fatores que podem influenciar no processo de envelhecimento, entre eles a alimentação.
Portanto a alimentação consciente é importante em qualquer idade, mas no caso do idoso é fundamental tomar medidas quanto ao tipo de alimento a ser oferecido e também desenvolver ações que garantam seu bem estar. Uma relação baseada em carinho reflete numa boa qualidade de Vida, perceber suas carências, seus medos, suas necessidades.
Ter companhia na hora das refeições contribui para que haja mais cuidado com o tipo de alimento consumido e que o idoso se alimente de maneira adequada tanto em qualidade, quanto em quantidade. Sentar-se à mesa confortavelmente, em companhia de outras pessoas, sejam elas da família, amigos ou cuidador, proporciona prazer, abre o apetite, massageia a auto-estima. Claro que com essa vida agitada que levamos nem sempre conseguimos manter esse vínculo em todas as refeições do dia. Mas podemos reservar alguns horários onde todos, ou a maioria da família esteja reunida, incluindo nosso idoso no convívio familiar. Ele se sentirá prestigiado, querido e útil.

Alimentação Saudável para pessoas idosas

Esse cardápio além de saudável deve ser atrativo. Precisa despertar a vontade de comer. Conseguimos isso variando a maneira de servir os alimentos, brincando com texturas, cores, sabores, evitando a monotonia alimentar.
A mesa deve estar posta de maneira bonita, mas simplificada, criando contrastes entre talheres, prato e toalha, facilitando a identificação dos utensílios. Dar autonomia ao idoso é importante, principalmente se houver limitação de visão ou na coordenação motora.

O sal geralmente passa a ter seu uso reduzido. Para não deixar a comida insípida, sem gosto, podemos abusar de outros temperos mais saudáveis como o cheiro verde, a cebola, o alho e as ervas aromáticas, criando novos sabores, despertando sensações.
São necessárias 5 refeições ao dia:café da manhã, almoço, jantar mais 2 lanches. Escolha alimentos saudáveis, dê preferência aos Orgânicos e não industrializados. Os alimentos devem ser cortados em pedaços menores e se houver dificuldade de mastigação, picar, ralar, amassar, desfiar ou bater no liquidificador. Para cozinhar, azeite extra virgem, no caso do óleo, prefira o de girassol, não sujeito às sementes transgênicas.
Frutas, legumes e verduras são ricos em vitaminas, minerais e fibras, portanto devem ser a base de todas as refeições e lanches, evitando com isso, entre outras coisas a prisão de ventre. Valorize o sabor natural dos alimentos e das bebidas evitando ou reduzindo o açúcar.
Prefira bolos, pães e biscoitos preparados em casa, que são ótimas opções para lanches. Caso não seja possível leia sempre os rótulos: escolha os tipos e as marcas com menores quantidades de aditivos químicos, gordura total, gordura saturada, gordura trans e sódio. Atenção: biscoitos de água ou cream crackers parecem inofensivos, mas são ricos em sódio e gordura vegetal.
O idoso precisa ser avisado sobre a necessidade de se hidratar. Tomar líquidos devagar, gole por gole, seja água, sucos ou vitaminas. Devemos lembrá-los que isso faz bem ao organismo facilitando o funcionamento dos intestinos e a hidratação do corpo como um todo. Facilitar o acesso ao filtro é um fator importante. No caso de sucos prefira os feitos na hora ou orgânicos.
Torne sua vida mais saudável, caminhar, dançar, brincar com as crianças, fazer alguns exercícios leves, tomar sol pela manhã, e muita, muita conversa. Peça que ele conte coisas, comente sobre o que acontece no Mundo, relembre, dê atividade ao seu cérebro. Tudo isso é Vida.
Um mingau é uma boa alternativa para o café da manhã ou lanche da tarde, pois alimenta e têm nutrientes. Mas nada sem graça, incremente com frutas secas como ameixas, passas, damascos, mel, geléia e não esqueça uma canelinha para aquecer o coração.

Mingau de Aveia:

Ingredientes:
  • 1 copo de leite fresco
  • 3 colheres de sopa de aveia
  • 1 colher de sopa de açúcar orgânico ou rapadura ralada
Modo de Preparar:
Leve ao fogo alto, mexa por cerca de cinco minutinhos ou até o mingau engrossar. Retire do fogo e sirva quente
A aveia é um bom complemento para as refeições. Banana amassada com aveia é bem gostoso. Bata aveia no liquidificador com sucos, vitaminas de frutas e sopas.
No feijão cozinhe junto beterraba, cenoura e chuchu. Os nutrientes ficam no caldo que, além disso, ganha uma linda cor. Na hora de servir retire os legumes e faça uma sopa com eles. Falando em legumes aproveite a água usada para cozinhá-los para fazer sopas ou cozinhar o arroz, nela ficam retidos muitos nutrientes como vitaminas e minerais.

Mingau de Milho

Ingredientes
  • 2 espigas de milho orgânicas e maduras
  • 2 colheres (sopa) de açúcar orgânico ou rapadura raladinha
  • 1 pitada de sal marinho
  • Cravo e canela a gosto
  • Leite fresco a gosto
Modo de Preparar:
Descasque os milhos, retire os grãos e bata no liquidificador com água. Passe na peneira. Coloque cravo, canela, açúcar e uma pitada de sal. Leve ao fogo. Quando engrossar, ponha leite até chegar à consistência preferida.

Arroz divertido

Faça o arroz normalmente. Pegue 1 cenoura, algumas vagens e ½ pimentão e corte tudo em pedacinhos bem pequenos. Refogue no azeite e misture ao arroz. Se preferir faça com arroz integral orgânico. Fica bonito, saudável e gostoso. Se quiser salpique queijo ralado na hora por cima. Falando em arroz, arroz doce também é bem legal de servir como lanche ou sobremesa.

Gelatina de Frutas

Ingredientes:
  • 1 e ½ envelope de gelatina em pó incolor e sem sabor
  • 1 litro do suco orgânico de sua preferência
  • Suco de ½ limão
  • 2 colheres (sopa) de uva passa preta
Modo de preparar:
Dissolva a gelatina conforme mandam as instruções da embalagem. Misture o suco de fruta, o suco de limão e a gelatina dissolvida. Acrescente as passas coloque em forminhas individuais. Leve à geladeira até se firmar.
Aproveitando o tema assistam ao filme ELSA E FRED – Um amor de paixão. Onde 2 personagens idosos constroem uma relação de causar inveja a qualquer paixão de adolescente.

Para Pensar:

A idade não nos protege contra o amor. Mas o amor, até certo ponto, protege-nos contra a idade.” Jeanne Moreau.
Fotos: Eldercare2008 / fdtb541

Orgânicos são ricos em nutrientes e amigos do planeta



› Saúde em pratos limpos
São José do Rio Preto, 15 de Setembro, 2011 - 3:14 Gisele Borotleto - Editoria de Arte

As novas gerações talvez desconheçam, mas durante muitos séculos as famílias produziram seu próprio alimento. No quintal das casas, havia horta, pomar, galinheiro, vaca leiteira e chiqueiro para garantir que o alimento não faltasse, e todo mundo sabia de que forma eles eram produzidos.

Mas o mundo evoluiu. A população do planeta aumentou e passou a viver principalmente em centros urbanos, a industrialização chegou e os alimentos que antes saiam do quintal para a mesa passaram a ser adquiridos nos supermercados, na maioria das vezes embalados e pronto para consumo. A origem e o sistema de produção são totalmente ignorados pela maioria das pessoas.

Só que nem todo mundo aceita isso. Felizmente, o número de pessoas que têm se rebelado contra essa nova ordem alimentar tem crescido nos últimos anos. Antes de levar algum alimento ao prato, eles só compram os orgânicos.

Sylvia Waschner, coordenadora do Projeto Organicsnet, da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), garante que o grande interesse da população nos produtos orgânicos ocorre porque, além da saúde, eles não afetam o meio ambiente.

FONTE:
Francisco Vilela Resende, engenheiro agrônomo, (61) 3385-9027
Silvia Waschner, coordenadora do Projeto Organicsnet, da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), (21) 3231-6350
Alexandre Harkaly, diretor executivo do Instituto Biodinâmico (IBD), (11) 3811-9800
Rogério Dias, coordenador de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, (61) 3218-2413
Pão de Açúcar, www.paodeacucar.com.br




Mel contaminado por pólen transgênico não poderá ser livremente comercializado na Europa


O Tribunal de Justiça Europeu (ECJ, na sigla em inglês) determinou esta semana que mel contendo traços de produtos geneticamente modificados deve ser considerado “alimento produzido a partir de transgênicos”, mesmo que a contaminação tenha sido acidental. A decisão abre caminho para que apicultores cujos produtos tenham sido contaminados possam pedir indenização pelos danos sofridos.

Este caso teve início quando um apicultor amador da Baviera, na Alemanha, descobriu que suas colmeias, mel e derivados haviam sido contaminados pelo pólen de lavouras experimentais de milho transgênico conduzidas pelo governo do estado na região. O caso foi levado para o tribunal estadual. Este não conseguiu chegar a um veredicto e encaminhou o processo ao Tribunal de Justiça Europeu.

De acordo com a decisão do mais alto tribunal da União Europeia, tanto o mel como alimentos que contenham mel que apresente traços de contaminação por pólen de milho transgênico não poderiam ser vendidos no bloco de 27 países sem autorização prévia.

Frédéric Vincent, porta-voz da União Europeia para defesa do consumidor, declarou que a decisão afetará as importações de mel de países como a Argentina, onde as lavouras transgênicas são amplamente disseminadas. “A Comissão evidentemente acatará a decisão do ECJ, mas teremos que analisar as 50 páginas do veredicto para assegurar seu cumprimento”, acrescentou.

José Bové, do Partido Verde e membro do Parlamento Europeu, comentou a decisão: “Este caso prova que a coexistência é uma falácia e que os cultivos transgênicos não permitem a escolha por produtos livres de transgênicos. Permitir o cultivo de lavouras geneticamente modificadas claramente leva à contaminação das lavouras não transgênicas e de outros produtos alimentares como o mel. Os apicultores não são capazes de se prevenir contra a contaminação do mel por pólen transgênico, assim como agricultores não podem se prevenir contra a contaminação de suas lavouras, e portanto são impotentes para evitar da integridade dos alimentos que produzem. A única maneira segura de prevenir isto é impedir o cultivo de transgênicos”.

Bart Staes, outro parlamentar verde da UE, declarou: “O lobby da biotecnologia sempre fala de liberdade de escolha; a questão é: liberdade para quem? (...) A Comissão Europeia deveria revisar sua legislação sobre transgênicos para levar em conta os interesses dos consumidores e produtores de alimentos, e não a indústria da biotecnologia”.

Para Mute Schimpf, da ONG Friens of the Earth Europa, a nova decisão “reescreve o livro de regras e fornece subsídios legais para a criação de medidas mais rigorosas para prevenir a contaminação” por lavouras transgênicas.

De fato, este é mais um exemplo, que vem somar-se a tantos outros, comprovando que a coexistência entre cultivos transgênicos, convencionais e orgânicos é impossível na prática. Os primeiros só podem existir em detrimento dos outros. E prevalecendo os transgênicos, perdem os agricultores, que ficam reféns da tecnologia das multinacionais, e os consumidores, que perdem o acesso a alimentos livres de contaminação.

Com informações de:

- EurActiv - Bélgica: Court ruling challenges EU laws on GMO co-existence, 07/09/2011.
- New Scientist - Reino Unido: Honey verdict gums up GM rules, 07/09/2011.
- The Greens | European Free Alliance, Bélgica: Court ruling on GM contamination blows hole in the myth of coexistence, 06/09/2011.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas