domingo, 22 de abril de 2012

Que limão é esse? Um vídeo sobre o limão


Do Blog Come-se

No Brasil todo, de norte a sul, este limão avermelhado e às vezes enferrujado pode ser encontrado ancorado às cercas, solitário no meio dos pastos, nas franjas das matas ralas ou desprezado nas calçadas e terrenos baldios de cidades pequenas. Ou grandes – tenho um limoeiro deste aqui bem pertinho, numa praça.

Nas minhas férias no sítio dos meus avós, no Paraná, a bebida preferida das crianças era a limonada feita com ele. Para ficar bem gelada, a garrafa de água a ser usada era deixada imersa na corredeira do “corguinho” que passava por lá e às vezes uma casca em caracol do limão decorava o refresco. Não havia coisa melhor. Lembro ainda da garrafinha da lancheira de plástico impregnada com o cheiro desta limonada que eu mesma preparava e não conseguia esperar a hora do recreio para dar umas bebericadas. E o cheiro daquela lasquinha de limão-rosa que minha mãe botava no arroz-doce? Bastavam dois ou três pedacinhos para deixar o arroz todo perfumado. E no final eu gostava de comê-las mesmo sendo meio amarguinhas.

Ele (Citrus limonia Osbeck) não é exatamente um limão como o siciliano, mas sim uma lima ácida como o galego e o taiti. Originário da Índia, provavelmente é um híbrido de limão verdadeiro com tangerina, mas, botanicamente, está agrupado entre as limas ácidas e seu interesse maior é como porta-enxerto para outros cítricos, já que é resistente a uma série de doenças comuns no gênero. Por isto também, limão-cavalo. Sendo que para nós, que queremos usá-lo na cozinha, pouco importa saber se é um limão doce, uma lima ou uma tangerina ácida.

O que importa é saber que pode ser usado como limão em todos os preparos clássicos como caipirinhas, limonadas, sorvetes, musses, cremes, recheios, vinagretes e tantos outros. Com a vantagem de ser mais rico em betacarotenos (um precursor da vitamina A), mais adocicado quando maduro, suculento mesmo quando verde e menos perecível que os outros limões – os limões da foto estavam guardados na geladeira, dentro de sacos plásticos, havia 60 dias!
Mercado: uma pena que não seja vendido facilmente nas cidades grandes. Está certo que nas pequenas cidades rurais o tal limão não tenha valor no mercado pois qualquer pessoa pode consegui-lo facilmente nos quintais ou nas redondezas, de graça. Mas toda esta produção que se perde por aí ou é abocanhada pelo gado poderia ser aproveitada nas cidades grandes ou pela indústria para a produção de sucos, junto com tangerina, por exemplo; para a limonada da merenda escolar em vez de sucos artificiais; ou para a fabricação de bebidas alcóolicas, como este ginContinue lendo



Troque a faca pelo garfo

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Programa De Frente Com Gabi - OS PESTICIDAS COMO FATOR DE RISCO PARA A CARCINOGÊNESE.

Do Mural Virtual
Programa De Frente Com Gabi de 28 de setembro de 2011, Marília Gabrielarecebeu a Dra. Silvia Brandalise, médica oncologista que preside o CentroBoldrini, um hospital filantrópico e de ensino fundado por ela em Campinas.

Dra. Silvia se dedica a cuidar de crianças e jovens com câncer - câncer infantil,tarefa que realiza brilhantemente há mais de 40 anos.

Ela vem ao programa para falar sobre sua história, sobre as dificuldades de sua profissão e também sobre os avanços da medicina oncológica.

Dra. Silvia coloca que os grandes fatores de riscos que esta sendo levantada são os poluentes ambientais – entre eles os pesticidas.

Os pesticidas são um dos grandes vilões porque eles quebram a cromátide dos genes e é o primeiro passo para a carcinogênese.

O desrespeito ao meio ambiente e a qualidade dos alimentos, os aditivos como as anilinas que dão cor e a ingestão de maior de hormônios tanto na alimentação como, por exemplo, a carne de frango (granja) e o uso de anabolizante para o cultivo do corpo são apontados pela Dra. Silvia como fatores de riscos para leucemia, câncer de testículos etc.

Confira a entrevista.






segunda-feira, 16 de abril de 2012

As crianças e a origem dos alimentos







Autor: Sergio Lerrer em seu Blog do portal da Gastronomia Sustentável.








O mundo anda de tal jeito e em tal velocidade que as crianças nascidas e criadas nas grandes metrópoles do mundo passam anos e anos bebendo e comendo sem saber exatamente o que consomem e de onde vêm.

Antigamente uma criança nascida em uma casa em pequenas cidades convivia com algum tipo de plantio no quintal e algum tipo de animal, além dos domésticos como cães e gatos, ao menos uma galinha, quem sabe um coelho.... E quanto maior o quintal ou mais perto do meio rural, talvez mais criação de porcos, patos, cultivo de frutíferas, hortaliças e verduras.

Hoje isso é uma coisa muito distante das crianças de cidade. Para conhecer uma simples galinha elas precisam fazer “estudo do meio”, ou seja, entrar em um ônibus com a escola e ir até uma fazenda. É ali que podem ver de perto um ovo recém posto, uma minhoca, um porquinho recém nascido, uma vaca sendo ordenhada.. Coisas banais, mas que fazem parte do repertório de memória e imagens desta criançada.

Antigamente atravessavam os continentes nas navegações para conseguir especiarias com ervas, pimentas, condimentos.. Hoje é possível encontrar nas grandes cidades mercados que vendem isso provenientes de diversos lugares do mundo, a qualquer momento e qualquer instante. As pessoas deixam de saber o que é de fato de sua região e seu país, e o que é de fato proveniente do resto do mundo.

É o que chamo de caos cultural que, no campo dos alimentos, foi apropriado pela gastronomia que os potencializa em um prato que muitas vezes é um verdadeiro caleidoscópio étnico, viável nos dias de hoje, mas impossível anos atrás. E usufruímos isso como se fosse algo natural e corriqueiro, mas é resultado de um esforço logístico e de ciência proporcionado pela sociedade moderna.

E se a nós tudo está banalizado, imagine para as crianças. Será que elas têm interesse de saber de onde vem o leite? Talvez você fale que venha da vaca e elas não acreditem, imaginem que venha de uma fábrica de refrigerante qualquer...



quarta-feira, 11 de abril de 2012

Quem são os donos do cardápio infantil?


Do Blog Aleitamento.Com
Por: Dra. Noemia Perli Goldraich - Carta Maior

Atraídas por propagandas fascinantes que prometem um mundo de sonhos em um pacote de salgadinhos ou um pirulito, por brindes-brinquedos e pelas intermináveis coleções, as crianças se tornaram as principais vítimas desses alimentos e passaram a influenciar nas compras de toda a família. Quais as conseqüências de seguirmos ao sabor do vento das grandes corporações fabricantes de alimentos? E de não termos controle sobre a publicidade dirigida ao público infantil?
O artigo é de Noemia Perli Goldraich (*).

Há 40 anos trabalho como Nefrologista Pediátrica. Não recordo de ter identificado, antes dos anos 90, um único caso de pressão alta em criança que não estivesse relacionada a algum problema grave como doença nos rins, nas artérias renais, na aorta ou a tumores raros. Pressão alta era uma doença de adultos. Era!

Infelizmente, na última década, mais crianças passaram a sofrer de hipertensão arterial, uma doença crônica, isto é, que se arrasta por toda a vida e que necessita de medicação continuada. E qual a causa dessa repentina mudança? Múltiplos fatores podem causar a pressão alta mais comum - também chamada de hipertensão arterial essencial - mas os principais são a combinação de obesidade e ingestão de quantidades excessivas de sal na alimentação.

Antes de seguir em frente, é preciso que se diga que a pressão alta não é um probleminha qualquer. É fator de risco importante para infarto do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais (os derrames cerebrais), entre tantas outras consequências. E o resultado da obesidade iniciada na infância é o aparecimento de hipertensão arterial em crianças e adolescentes, de diabetes melito, doenças vasculares como infarto do miocárdio, tromboses, derrames cerebrais e todas as suas complicações.

Bem, mas não é de hoje que o sal está presente na alimentação humana. Então, por que agora estaria prejudicando também as crianças? O problema não é exatamente o sal, mas sim o sódio presente nele e é esse último que causa o aumento da pressão. É aí que entram os alimentos industrializados ou altamente processados. Há muita diferença na quantidade de sal (cloreto de sódio) colocado numa refeição cotidiana preparada em casa e os tais produtos industrializados. Nestes, o sódio está presente, além do sal, na estrutura dos conservantes e aromatizantes, usados para aumentar o período de validade ou para realçar o sabor, resultando em quantidades exageradamente grandes de sódio.

Nesse contexto, é preciso considerar que os hábitos alimentares dos brasileiros mudaram significativamente nos últimos anos. Saímos do feijão, arroz e bife para as comidas congeladas, as pré-prontas, os salgadinhos, os biscoitos e refrigerantes. Atraídas por propagandas fascinantes que prometem um mundo de sonhos em um pacote de salgadinhos ou um pirulito, por brindes-brinquedos e pelas intermináveis coleções, as crianças se tornaram as principais vítimas desses alimentos e passaram a influenciar nas compras de toda a família. Sem entender o que leem ou sem ler o que informam os rótulos, os pais também se seduzem pelos coloridos sinais de adição a anunciar + ferro, + cálcio, + vitaminas. Na verdade, estão comprando gordura, sal e açúcar, crentes de que seus filhos estão sendo bem alimentados. É isso mesmo. Em geral, as fantásticas embalagens coloridas contêm muita caloria e baixíssimo valor nutricional.

Estudos que vem sendo amplamente divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que o brasileiro está ingerindo mais que o dobro de sal da quantidade diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 5 gramas, o que equivale a uma colher de chá. O brasileiro, em média, está consumindo 12 gramas ao dia, o equivalente a uma colher de sopa. Muitos produtos que hoje fazem parte da dieta usual de crianças contêm quantidades exageradas de sal, sem que os pais percebam o perigo. Você sabe que um pacote de massa instantânea pré-cozida tipo miojo contém 5g de sal, que é a quantidade máxima diária recomendada para um adulto? Haja rins para dar conta!

Pesquisa publicada neste janeiro por um grupo da Filadélfia, no American Journal of Clinical Nutrition, uma importante revista da área, mostrou a relação entre o desenvolvimento da aceitação do gosto salgado e uma alimentação complementar, administrada a bebês, contendo amido (batatas, arroz, trigo, pão, bolachas). Foram comparados dois grupos de lactentes: um recebeu alimentação complementar com amido e o outro só comeu frutas em complemento ao leite. A aceitação para o gosto salgado já estava presente aos seis meses nos lactentes alimentados com amido e ausente nos que receberam só frutas. Os lactentes do primeiro grupo apresentaram maior probabilidade de lamber o sal da superfície dos alimentos na pré-escola, bem como de comer sal puro. Assim, segundo a pesquisa, experiências alimentares bem precoces (primeiros meses de vida) exercem um papel muito importante em moldar a resposta ao gosto salgado de lactentes e pré-escolares.

Sabemos que a formação do hábito alimentar se dá desde a gestação até cerca de dois anos de idade. E uma vez consolidado o padrão de gosto, fica difícil mudar. A isso, é preciso associar o padrão de uma infância sedentária em frente à televisão, computador e vídeo games. O resultado tem sido a obesidade. Dados do IBGE mostram que o excesso de peso e a obesidade são encontrados com grande frequência, aos cinco anos de idade, em todos os grupos de renda e em todas as regiões brasileiras.

Houve um salto no número de crianças de 5 a 9 anos com excesso de peso ao longo de 34 anos: em 2008-2009, 34,8% dos meninos estavam com o peso acima da faixa considerada saudável pela OMS. Em 1989, este índice era de 15%, contra 10,9% em 1974-75. Observou-se padrão semelhante nas meninas que, de 8,6% na década de 70, foram para 11,9% no final dos anos 80, e chegaram aos 32% em 2008-09.

O tempo de exposição à mídia também vem aumentando. Em média, as crianças ficam mais de 5 horas diárias em frente à TV, tempo superior ao permanecido na escola, que é de 4h30min. Além disso, o padrão das crianças de hoje é acessar varias mídias ao mesmo tempo e em quase todas há inserção de propaganda, ou seja, as crianças ficam expostas a um bombardeio mercadológico. Estudo feito pela Universidade de São Paulo, em 2007, mostrou que 82% dos comerciais televisivos sugeriam o consumo imediato de alimentos ultraprocessados, 78% mostravam personagens ingerindo-os no ato e 24% dos alunos expostos a tais mensagens apresentaram sobrepeso ou obesidade. Já um levantamento realizado pelo Ministério da Saúde em 2009 identificou que apenas 25% das crianças entre 2 e 5 anos e 38% das crianças entre 5 e 10 anos consomem frutas, legumes e verduras. Guloseimas como balas, biscoitos recheados, refrigerantes e salgadinhos ocuparam o espaço de refeições principais.

E a água? De repente esse bem essencial ao bom funcionamento do corpo humano foi sendo esquecido. Em creches, escolas e hospitais é comum não encontrarmos bebedouros. A água não está franqueada justamente a quem deveria receber estímulo constante para ingeri-la. O estímulo está focado nos sucos industrializados e nos refrigerantes.

E agora, já podemos responder quem são os donos do cardápio das nossas crianças? E quais as conseqüências de seguirmos ao sabor do vento das grandes corporações fabricantes de alimentos? E de não termos controle sobre a publicidade dirigida ao público infantil?

Se o que queremos para nossas crianças não é um futuro de obesos desnutridos, precisamos tomar as rédeas da situação e já. A informação continua sendo a chave-mestra e, pais, educadores e profissionais da saúde precisam saber identificar o que está escrito nos rótulos.

Se tomamos tantas medidas para a identificação de pessoas que entram nas nossas casas e nas escolas, porque não adotamos estes mesmos cuidados antes de permitir a entrada de substâncias no nosso organismo e das nossas crianças? Nunca é demais lembrar que bons hábitos alimentares começam a ser transmitidos na vida intra-uterina, que criança até dois anos não deve ser exposta ao sal e que não se deve colocar açúcar em chás e mamadeiras de bebês. Muito menos achocolatados, que contém açúcar e gordura em excesso.

Seguindo orientações da OMS, estão surgindo políticas públicas para redução do sal nos alimentos industrializados, assim como campanhas de esclarecimento ao público. Foram identificadas ações em 38 países, sendo a maioria na Europa. Já o Brasil recém está iniciando algumas medidas nessa área. Em janeiro deste ano, a Anvisa fez recomendações não obrigatórias para a redução, até 2014, em 10% no conteúdo de sal do pão francês.

Também em países europeus, há regras rígidas em relação à propaganda dirigida a crianças. Em terras nativas, dispensam-se comentários. Felizmente a sociedade começa a dar sinais de reação.

Acreditando que um outro mundo é possível, que tal a gente sonhar com uma sociedade em que a saúde das nossas crianças esteja acima dos interesses das megacorporações?

(*) Noemia Perli Goldraich é doutora em Nefrologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), pós-doutora em Nefrologia Pediátrica pela Universidade de Londres, professora-associada do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFRGS, nefrologista pediátrica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Doenças Crônicas na Infância da Pró-Reitoria de Extensão da UFRGS.


Publicado em: 10/4/2012


Quem MANDA no CARDÁPIO das CRIANÇAS?

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Meditando na Cozinha: Todo ano, verão. Toda pessoa, coração.

Há coisas banais que parecem inteiramente impossíveis para algumas pessoas, e cozinhar é uma delas.
 Não porque seja incomum, afinal em toda casa se cozinha, nem porque seja complexo, afinal qualquer um cozinha; a dificuldade é não sentir a mínima disponibilidade para entrar ali, pegar os ingredientes, lavar, descascar, limpar, temperar, acender o fogo botar nas panelas e cuidar até aquilo virar uma refeição completa.

Meditando na cozinha Meditando na cozinha traz dicas que vão desde como preparar um jantar saudável a dois até como usar nabo ralado para tirar manchas. E a meditação, como é que entra nessa alquimia?

"Comer é a alegria do zen", diz o sutra, e todos comem contentes, desfrutando o prazer na boca.
Tudo o que vem antes pode ser meditação. Escolher formas, cores e sabores. Lavar, cortar, levar à panela e observar a vida em sua permanente transformação. Oferecer essa comida feita com atenção plena, em contato com a natureza íntima de cada alimento, através de cheiro, sabor, cor, textura. Conhecer o efeito dos alimentos. Conhecer o frescor dos alimentos.

Lidar com água, fogo, metal, terra, ar. A precisão dos cortes. A inspiração dos temperos. A regência dos tempos.

Cozinhar é uma viagem que já acontece; o passageiro só precisa tomar consciência e escolher o destino.



COMER É BOM E EU GOSTO


capona Boca feliz Inhame Inhame 
Por Sônia Hirsch

Ninguém precisa ser naturalista para melhorar a
alimentação. Mas, afinal, o que é um naturalista?
Antigamente chamavam assim as pessoas que iam
viver nas ilhas: todo mundo morando no mato pelado,
comendo fruta, observando passarinho e convivendo com
as cobras numa boa. Mas essa moda não pegou,
e naturalista passou a ser quem come comida natural.
E o que é comida natural? Existe alguma comida que
não seja natural?
De uma forma ou de outra, tudo é tirado da natureza.
Até o plástico, que vem do petróleo, que por sua vez
vem do centro da terra, pode ser considerado natural.
Mas o plástico não se desmancha de novo. Não é como
a madeira, a casca de banana ou o corpo de pessoas
e animais, que vieram do pó e ao pó voltarão. Podem
se passar 100 anos e o plástico ainda estará do mesmo
jeito. Algumas comidas são como o plástico — não se
desmancham dentro do corpo, não se misturam com a
nossa natureza de uma forma normal nem nutrem a vida.
Aqui e ali começam a aparecer os montinhos de lixo que a
gente comeu, no sangue, nas juntas, nas células. Em volta
deles vão se instalando bactérias, vermes, fungos, e dali
a pouco tudo já virou bagunça, isto é: doença. Ou seja:
certas comidas agridem a nossa natureza, enquanto outras
se integram ao nosso corpo de uma forma completamente
natural. Por isso é que se diz comida natural.
Por exemplo, a dona Maria, lá daquele lugarejo do sul
de Minas, come comida natural. O feijão vem da roça
do Bento, o arroz quem traz é dona Fujiko, o milho e o
aipim e as verduras são ali do quintal mesmo e as frutas
aparecem conforme Deus vai dando: banana, laranja,
tangerina, jaca, mamão, jabuticaba, abacate, cada qual
na sua estação. Os ovos também são do quintal, postos
todo dia pelas galinhas que têm até nome. E se acontece
de comer um frango, um leitão, um cabrito ou uma
carne de vaca, todo mundo sabe que o animal era sadio
e bem tratado.
Dona Maria tem uma saúde de ferro.
Muito longe de Minas, lá nas bandas do Maranhão,
seu Ribamar também come comida natural: é um peixe,
uma caça, um milho, uma farinha de mandioca, um
óleo de coco babaçu, umas folhas de vinagreira cozidas
só no bafo da panela, castanha-do-brasil, banana, coco
e todas as frutas que Deus também dá por lá.
Seu Ribamar é outro que tem saúde de ferro.
Agora: o filho da dona Maria e a filha do seu Ribamar,
que foram atrás de outra vida na cidade grande e
casaram, não comem comida natural. Porque na
cidade quase nada é colhido ou criado, tudo pode ser
comprado no supermercado, enlatado, empacotado,
congelado, superconservado, já vem preparado, já vem
temperado, já vem salgado e adoçado que é pro freguês
ficar bem acostumado... Então eles comem é muito pão,
salsicha, salgadinho, macarrão, fritura, doce, biscoito
recheado, bolo, refrigerante. Sabem que não é uma
comida decente, mas vão comendo assim mesmo.
A saúde deles é fraca. Sentem dor de cabeça, acordam
cansados, se irritam com facilidade, volta e meia estão
com gripe. A filha do seu Ribamar tem prisão de ventre
e está engordando muito, o filho da dona Maria sente
uma queimação no estômago que parece úlcera.
E Júnior, o filhinho, que só tem três anos, vive dando
entrada no hospital por causa de asma.
Nós somos o que comemos. Assim como uma árvore
precisa de terra boa para crescer e dar frutos, gente
precisa de alimentos bons para ser feliz.
O filho da dona Maria e a filha do seu Ribamar não
veem que a comida fraca está sabotando sua felicidade.
E você, como é? Já parou pra pensar se a sua comida
está ajudando ou atrapalhando a sua vida?

Ela é assim gostosa de ler e de entender.

Europa: produção e consumo de vinho orgânico registram expansão

Terra - Economia - 05/04/2012
Os alimentos produzidos sem pesticidas e fertilizantes são um segmento de mercado de forte crescimento na Alemanha e na Europa. Isso se evidencia também no setor de vinhos. Nos últimos quatro anos, a área cultivada da viticultura orgânica quase dobrou na Alemanha, chegando a cerca de 5 mil hectares de vinhedos. "Isso representa em torno de 5% da área total de vinhedos", disse Ernst Büscher, do Instituto Alemão do Vinho (DWI, na sigla em alemão), com sede em Mainz.

"A marca ''orgânico'' é hoje um valor agregado que os consumidores levam para casa. Eles estão aliados a um conceito de alta qualidade, além de contribuir para uma produção ecológica de alimentos", diz Büscher.

A crescente demanda fortalece viticultores orgânicos e associações. Isso ficou claramente visível na última Prowein, importante feira internacional de vinhos em Düsseldorf. A presença dos fornecedores de vinhos orgânicos nunca foi tão grande, e pela primeira vez eles foram reunidos num pavilhão próprio.Leia mais ...


terça-feira, 3 de abril de 2012

Uva orgânica ganha destaque na Festa Nacional de Caxias do Sul


Gastronomia Sustentável

 A busca cada vez mais intensa por alimentos sustentáveis determinou que, na edição da Festa Nacional da Uva de Caxias do Sul neste 2012, a uva orgânica tenha recebido um destaque especial. A filosofia defendida pelos agricultores da serra gaúcha que apostam nesse tipo de cultivo das videiras tem sido recompensada e feito aumentar o universo de consumidores conscientes e preocupados com a sustentabilidade.
Até prêmio a uva orgânica ganhou nesta que é a maior festa do País e que se repete a cada dois anos desde 1931. No último sábado a Comissão Julgadora designada pelos organizadores do evento – que começou no dia 16 de fevereiro e encerra em 4 de março – elegeu dentre os 320 produtores inscritos, 27 campeões. Três deles, do 1º Distrito de Caxias, foram distinguidos pelo conjunto de variedades de uva orgânica - ou em transição para orgânica.
Esses expositores ganharam uma viagem para as regiões vitivinícolas da Argentina e do Chile, junto com aqueles outros premiados que foram destaque no cultivo das variedades isoladas. São essas variedades: Bordô, Isabel, Niágara branca, Niágara rosada, Lorena, Moscato Embrapa, Moscato branco, Cabernet Sauvignon, Merlot, Itália e Rubi.
Os jurados observaram, para chegar a uma decisão sobre os melhores – seguindo orientações pré-estabelecidas pelos organizadores – , aspectos como o padrão varietal e comercial, sanidade, uniformidade de maturação e tamanho das bagas. No caso dos conjuntos orgânicos, atenção ainda mais detalhada para a obrigatória ausência de resíduos e impurezas, além de critérios como o efeito visual e a distribuição espacial dos cachos no painel onde foram expostos.

Aliada a essa idéia defendida pelos agricultores de que é preciso apostar no cultivo orgânico está o sonho de recuperar o antigo método de manejo das videiras, resgatando a cultura trazida para a serra gaúcha pelas primeiras famílias de imigrantes italianos, que lá chegaram em 1875. Já no ano passado, em palestra na qual defendeu esse projeto, o coordenador técnico da Cooperativa Nova Aliança, Rodrigo Formollo, destacou que além da procura cada vez maior pela uva orgânica, outro motivo que está levando os produtores a apostarem no sustentável é a rentabilidade.
Disse Formollo: "O valor pago pela produção orgânica pode ser até 65% superior à fruta convencional. Além disso, produzindo os próprios insumos, o agricultor reduz os custos de produção. Exemplos disso são os biofertilizantes
caseiros preparados a partir de insumos minerais e até de cinza de fogão".
Superfesta valoriza ainda mais a uva orgânica

A Festa Nacional da Uva é o maior evento especializado no produto do Brasil. A edição deste ano, a 29ª, ganhou aspecto ainda mais grandioso pelo número de produtores envolvidos, atrações gastronômicas, número de funcionários, olimpíadas temáticas, além dos inúmeros shows atendendo as mais diversas preferências dos milhares e milhares de visitantes.

O Parque de Eventos da Festa da Uva possui hoje 370mil m2, espaço inimaginável naquele 1931, quando alguns poucos produtores se reuniram para expor seus produtos no Círculo Operário da cidade. Trabalhando para o sucesso do evento neste 2012 estão cerca de 5 mil pessoas. "Essa festa é o canal por onde se expressa a personalidade de Caxias do Sul", afirmou neste último final de semana a historiadora Tânia Toneto.

Ela tem se dedicado a resgatar e manter filmes antigos, fotos, objetos, que até domingo, dia de encerramento, estarão expostos no gigantesco espaço da Festa. "Mas ainda tempos muito a resgatar", lembrou Tânia.

O evento deste ano ganhou, como tema, evento deste ano ganhou, como tema, "Uva, Cor, Ação! – A Safra da Vida na Magia das Cores". Uma alusão à primeira transmissão de tv à cores ocorrida no Brasil, em 1972, justamente durante a Festa Nacional da Uva. A história registra que, naquele ano, havia uma dúvida se as primeiras imagens coloridas seriam as do evento em Caxias do Sul ou do carnaval carioca.

"Como o ministro das comunicações da época era caxiense, ele puxou a brasa para o nosso assado", contou, em entrevista à RBS TV, a caxiense Luiza Iotti, que participou daquele desfile, então com 14 anos de idade. Como ninguém
tinha dinheiro para comprar uma TV colorida naquele tempo, já que era uma grande e cara novidade, "todo mundo colocava papel celofane na frente da tela, para ver se conseguia dar cores às imagens", acrescentou, rindo.
Ela calcula que, aos valores atuais, uma TV à cores custaria o equivalente, agora, a R$ 5 mil. Na época a transmissão pioneira foi feita pela Tv Difusora, emissora independente local.

Aceitação da uva leva ao vinho orgânico

O caminho parece traçado. Com o destaque alcançado pela uva orgânica, vem aí o vinho consequentemente dela. Com menos química nos parreirais, livre de pesticidas, embora todos os entusiastas da proposta saibam que será um processo lento e gradual.

A ausência dos pesticidas, herbicidas e fungicidas torna o vinho orgânico mais encorpado. Sua aceitação, entretanto, não ocorrerá tão facilmente. O conceito pró-ambiente, a certeza de que se trata de uma alternativa mais saudável e ecologicamente correta, não é suficiente para mudar enraizados hábitos dos apreciadores da bebida.
Mas nos últimos tempos se reforça a defesa dos produtos naturais, como já disse o professor Juliano Caravaglia, do campus Bento Gonçalves do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.
Segundo ele "Há uma tendência internacional irrevogável. Em termos de saúde preventiva, a alimentação orgânica deveria ser compulsória".

Para o especialista, é fundamental que se invista mais em pesquisas, pois o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) não tem sequer estatísticas sobre o cultivo de uvas orgânicas no Brasil, muito menos números precisos sobre quantas garrafas de vinho orgânico brasileiro são colocadas no mercado a cada ano.
Artigo escrito por Nico Noronha, jornalista, com passagem pelo jornal Zero Hora de Porto Alegre e portal UOL.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas