quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Ninho Soleil – um sol muito complexo


Muito boa a colocação do Blog Alimentação e Saúde publicada em 06/10/2010 por Paulo Guimarães. Para que tantos ingredientes, que tal um iogurte caseiro com cereais ou frutas? Não é mais coerente?

São trinta ingredientes para fazer esta bebida. Muitos são ingredientes em pó, reconstituídos. É de se perguntar se realmente é necessário tanta mistura. Com qual objetivo?

O sabor adocicado certamente vai enganar suas papilas gustativas, mas será que o seu organismo vai saber o que fazer com tantos ingredientes? Para que serve “soro de leite em pó”? Siga lendo, você não vai saber para que serve, mas vai saber porque ele está ali.

Antecipando nosso veredito: isso não é comida, é um produto alimentício. Fuja dele, de seus açúcares e dezenas de ingredientes.

Ficha do Produto e Ingredientes

Nome Comercial: Ninho Soleil (bebida láctea fermentada).


Fabricante: Dairy Partners Américas Brasil Ltda.
Aquisição: Aracaju – fevereiro de 2010.
Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 2.170 km (fabricado em Araras / SP).

O Ninho Soleil contém 16 componentes no total
(30 se contados também os 14 ingredientes do Mucilon Arroz)
12 ingredientes: leite reconstituído parcialmente desnatado, iogurte parcialmente desnatado (leite reconstituído parcialmente desnatado, xarope de açúcar, fermento lácteo e soro de leite em pó), preparado de frutas e cereal (água, polpa de banana, cereal infantil – Mucilon Arroz, suco de maçã, vitaminas (B1, B2, B6 e D), mineral (zinco), soro de leite em pó, xarope de açúcar, fermento lácteo e soro de leite em pó. (Os ingredientes que aparecem mais de uma vez na lista, e o soro de leite em pó aparece três vezes, foram contados apenas uma vez.)

4 aditivos:
Aromatizantes – não diz quantos nem quais.
1 acidulante – ácido cítrico
1 conservante – sorbato de potássio
1 edulcorante artificial – sucralose
Contém glúten? SIM.

Comentários adicionais:
Logo após a lista de ingredientes vem um aviso: BEBIDA LÁCTEA NÃO É IOGURTE. Esta frase é, possivelmente, colocada por força de norma da ANVISA, mas não conseguimos obter esta informação no site do órgão nem em outras fontes na internet. Porém o IDEC – (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), que se posicionou contra a regulamentação de bebidas lácteas quando o governo as instituiu em 2002, é muito claro ao afirmar que o único objetivo da indústria ao criar bebidas lácteas é dar um destino mais rentável ao soro de leite que sobra do processo de produção de queijos.

Fora da lista de ingredientes, na frente da embalagem, aparece um texto falando que o produto contém aromatizante (no singular) sintético, idêntico ao natural. Ao natural de que? De qual dos ingredientes deste complexo produto?

Nesta mesma parte da embalagem, há a afirmação de que o produto contém 43% de redução de açúcares. Este texto está marcado com asteriscos. Em outro ponto da embalagem, junto às informações nutricionais, em letras bem pequenas, os asteriscos explicam: “Este produto contém 43% de redução em açúcares quando comparado a Bebida Láctea Fermentada com Iogurte e Polpa de Fruta – Morango Bliss (outro produto da Nestlé). Este não é um alimento com valor energético reduzido”.

Vamos repetir para ficar mais claro: em letras grandes aparece o 43% menos de açúcares e em letras pequenas que este não é um alimento de valor energético reduzido. E será que para fazer esta propaganda enganosa, a Nestlé somou o açúcar que tem no Mucilon (que é ingrediente do Ninho Soleil)? E será que fica claro ao consumidor que o açúcar eventualmente retirado foi compensado com adoçante artificial (sucralose)?

Pesquisando os ingredientes do Ninho Soleil no site da Nestlé, encontramos algumas diferenças: o edulcorante sucralose desaparece da lista e aparece ferro como mineral adicionado.

“Leite reconstituído semidesnatado, preparado de frutas e cereal (água, xarope de açúcar, polpa de banana, cereal infantil – Mucilon arroz, suco de maçã, soro de leite em pó, vitaminas (B1, B2, B6 e D) e minerais (ferro e zinco), acidulante ácido cítrico, aromatizantes e conservador sorbato de potássio, xarope de açúcar e fermentos lácteos. Contém Glúten.”

Resumo: é gostosinho, é docinho, é muito prático e lhe faz mal. Esqueça.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A incrível ciência do vício em junk food

Temos que compartilhar textos assim, precisamos acordar definitivamente para a importância do alimento na nossa saúde. Nutrir é muito diferente de matar a fome.
Nadia Cozzi



Fonte: Infância livre de Consumismo
Texto de Renata Kotscho Velloso*

Meu sogro trabalhou na década de 70 com o então governador de São Paulo. Ele gosta de contar uma anedota dessa época. Diz que o governador estava em campanha em uma cidade do interior e foi convidado para comer um creme de abacate numa casa simples local. Ele experimentou o creme e foi colocando mais e mais açúcar. E por fim declarou: “Muito obrigado, esse creme de abacate estava uma delícia.” Eis que o agricultor respondeu: “Também, dotô, com esse tanto de açúcar que o sinhô botô, até merda é bom.”

Desculpe pelo linguajar, mas a verdade é que o artigo New York Times publicado semana passada, escrito pelo vencedor do prêmio Pulitzer Michael Moss, chega à mesma conclusão que o agricultor acima chegou sobre a nossa alimentação.

O jornalista inicia o artigo contando sobre uma reunião de 1999, quando se começava a discutir a influência da indústria alimentícia sobre os índices crescentes de obesidade e consequentemente de doenças a ela relacionadas nos EUA. Para espanto e revolta dos presentes (todos presidentes de grandes empresas do setor), um dos palestrantes chegou a comparar a indústria de alimentos com a indústria do tabaco, a grande vilã da época. O presidente da General Mills na época resumiu o sentimento dos presentes: “O que vende é o que tem sabor bom, e não vamos mudar as nossas receitas porque meia dúzia de pessoas de avental branco estão preocupadas com a obesidade.” Segundo ele, a indústria oferece o que o consumidor quer, se as pessoas não têm força de vontade isso não é problema dos fabricantes de alimentos.

Michael Moss entrevistou mais de 300 ex-funcionários das principais empresas alimentícias e concluiu que não é bem assim: a indústria de alimentos é, sim, a principal responsável pelo fato de a obesidade hoje nos EUA atingir um terço dos adultos e uma em cada 5 crianças nos país. Segundo ele, milhões de dólares são gastos anualmente em pesquisas e marketing para fazer com que os consumidores sejam viciados em alimentos baratos e convenientes.

1. “Nesse campo eu sou o jogador que faz a diferença”


A primeira história que Michael Moss usa para fundamentar o seu argumento é o da fabricante do Dr. Pepper, um dos refrigerantes mais populares nos EUA. Percebendo que estava perdendo mercado com lançamentos dos concorrentes, a empresa lançou uma nova bebida chamada RedFusion, que foi um grande fracasso. Para reverter o problema, foi então chamado Howard Moskwitz, PhD em psicologia experimental. Moskwitz era conhecido no mercado por “otimizar” alimentos.

Como assim, otimizar? O que ele fazia era testar com muitos consumidores todas as combinações possíveis nos produtos, incluindo sabor, textura, cor, embalagens etc. até atingir a combinação ideal que mais agradasse aos potenciais consumidores. A conclusão a que ele mais chegava era a seguinte: “Quer fazer os consumidores felizes? Adicione açúcar e sal”. E assim foi criada, com a certeza do grande sucesso, a Cherry VanillaDrPepper.

Em entrevista a Michael Moss, Moskwitz, que também “otimizou” o molho de tomate, colocando na receita duas colheres de açúcar e um terço da quantidade diária recomendada de sódio em meia xícara do molho, revela: “Eu fiz o melhor que a ciência me permitia fazer. Estava lutando para sobreviver e não podia me dar o luxo de ser uma criatura moral. Eu era um pesquisador à frente do meu tempo.” Poderia ser o discurso de um traficante de drogas, só que não era.

2. “A hora do almoço é toda sua”



A segunda história utilizada por Moss foi da empresa Oscar Mayer, uma grande produtora de embutidos de carne vermelha. A empresa estava assustada com a crescente pressão que os seus produtos estavam sofrendo pela fama que tinham de aumentar o colesterol e causar doenças cardíacas. 

Assim a empresa decidiu focar nas mães, querendo entender o que elas desejavam em termos de produtos alimentícios para o almoço dos seus filhos. A principal reclamação das mães detectada na pesquisa foi a falta de tempo para preparar o almoço dos seus filhos. A maioria das crianças nos EUA fica na escola entre 9 da manhã e 3 tarde, ou seja, almoçam na escola. Nem todas as escolas oferecem serviço de cantina, então a maioria das mães tem que se preocupar com o almoço. Como grande parte dos americanos não cozinha e o jantar ou é comido fora de casa (30% dentro do carro, após passar em drive-thrus de redes de fast food) ou em bandejas prontas de congelados, acaba não havendo a opção de levar no almoço uma “quentinha” do jantar.

O que a Oscar Mayer fez com essa informação? Lançou o produto Lunchables. O produto original é uma combinação de carne embutida, um imitação de queijo, uns biscoitos água e sal e um doce tipo bombom. A combinação contém 9 gramas de gordura saturada (aproximadamente o máximo que uma criança poderia comer no dia todo), dois terços do total de sódio recomendado e inacreditáveis 13 colheres de chá de açúcar! O própria criador do Lunchables revela a Moss que seus críticos costumam alegar que “se você analisar o Lunchables poderá verificar que o guardanapo é o ítem mais saudável do pacote”.

Não satisfeitos em oferecer às mães o que elas teoricamente desejavam, o Lunchables faz um marketing pesado em cima das crianças com o singelo slogan “o dia todo você tem que fazer o que os adultos mandam, mas a hora do almoço é toda sua”.

A filha do dono da Oscar Meyer, ela própria mãe de 3 crianças, entrevistada por Moss revela: “Eu acho que as minhas filhas nunca comeram um Lunchablea. Elas sabem que existe e que o avô que criou o produto, mas aqui em casa nós comemos de forma saudável.” E o vovô completa: “Eu desejaria que o perfil nutricional do negócio fosse melhor, mas vejo o projeto como um todo como uma contribuição positiva para a vida das pessoas.” Então tá.

3. “É o que chamamos de desaparecimento da densidade calórica”


O último caso utilizado por Moss no seu artigo é o da empresa Frito-Lay, divisão da Pepsi que fabrica os famosos “porcaritos”. 

O mal que o sal faz para a saúde já foi bastante documentado pela ciência. Na Finlândia a redução a um terço do consumo de sal fez despencar a incidência de derrames e doenças cardíacas no país. Nos EUA, porém, o consumo de sal vem crescendo cerca de 150 gramas por ano. Boa parte dele vem do fato de que o americano consome em média 6 kilos de salgadinho por ano.

Como é possível alguém comer tanto salgadinho? Steven Withery, pesquisador da Frito-Lay, explica: “Isso é possível devido ao que chamamos de desaparecimento da densidade calórica. Se alguma coisa derrete rápido na boca, o seu cérebro entende que não tem calorias ali… e assim você consegue comer aquilo pra sempre”. Lembram do slogan “é impossível comer um só?”. Então a Frito-Lay investe cerca de 30 milhões de dólares por ano em pesquisa, incluindo até uma máquina que simula a boca humana para chegar a esse ponto exato de crocância e derretimento do salgadinho. E aí você é culpado porque não tem força de vontade o suficiente.

Um grande e famoso estudo publicado no New York Journal of Medicine, que acompanha a alimentação, fumo e atividade física demais de 120 mil pessoas desde 1986, chegou às seguintes conclusões. A quatro anos, quando os dados são analisados, percebe-se uma queda na atividade física, um aumento na quantidade de tempo gasto na frente da TV e um aumento médio de dois quilos na amostra estudada.

Os principais alimentos quem contribuem para o ganho de peso, segundo o estudo, são a carne vermelha, principalmente a superprocessada, as bebidas açucaradas e a batata (tanta na forma de batata frita, quanto purê, mas principalmente em forma de salgadinho). A forma como salgadinho de batata é metabolizado no corpo explica parte do problema: ao ser ingerido ele é transformado em glicose mais rápido do que o próprio açúcar, fazendo com que você continue querendo mais e mais.

Percebendo a crescente preocupação com uma dieta saudável, principalmente nas camadas mais ricas e educadas da população, a Coca-Cola lançou uma estratégia dupla: aumentou o marketing dos produtos diet e da sua água engarrafada nas áreas mais ricas e investiu pesado em marketing da Coca-Cola tradicional nos locais mais pobres dos EUA e do mundo.

Moss cita no seu artigo a iniciativa da coca cola nas favelas brasileiras. Com o objetivo de conquistar esses consumidores, a Coca lançou uma versão menor e mais barata do refrigerante, eliminando a barreira inicial do preço que impedia que as pessoas experimentassem o produto. A Nestlé tem uma estratégia semelhante no Brasil: leva seus produtos de barco a locais mais pobres e remotos do Brasil, onde a resistência a produtos com algo teor de açúcar e gorduras hidrogenadas é menor. Um ex-funcionário, que se tornou persona non grata na Coca Cola, afirma a Moss: “Essa estratégia me dá vontade de vomitar. Se tem uma coisa que essas pessoas que precisam de tanto realmente não precisam é de Coca-Cola.” É isso aí.

*Renata é mãe de 3 meninas: Luiza, Julia e Clara. Médica formada pela Unicamp, em Campinas, mora há um ano com sua família na Califórnia. Sua filha Julia é autora do blog Chef Juju, com muitas receitas gostosas.

Um agricultor alerta sobre os riscos dos transgênicos


Transgênicos e o uso de agrotóxicos

Por: Joop Stoltenborg, agricultor e responsável pelo Sitio A Boa Terra



“O uso de herbicidas não diminui com transgênicos”, que comenta um relatório do Departamento de Agricultura dos EUA.


Como consumidores, é importante saber como os produtos que consumimos são produzidos. Ainda mais quando se trata de alimentos. Pois, além dos impactos na natureza, estes trazem impacto na nossa saúde. Para um consumidor orgânico é bom ter acesso a informações que mostram que vale a pena pagar mais pelos orgânicos. Por isso resumi um artigo que tem o título “O uso de herbicidas não diminui com transgênicos”, que comenta um relatório do Departamento de Agricultura dos EUA.

O relatório, simplesmente mostrando dados, desmascara a propaganda enganosa dos fabricantes dos transgênicos. Estes sempre disseram que o aumento das lavouras transgênicas tolerantes ao herbicida glifosato diminuiria o uso do mesmo. Na verdade, o relatório dos EUA diz que o uso do herbicida glifosato, associado às lavouras transgênicas, aumentou dramaticamente ao longo dos últimos anos, enquanto o uso de outros herbicidas mais tóxicos como atrazina não diminuiu. O relatório mostra, nos estados avaliados, o seguinte crescimento: de 2 milhões de kg no ano 2000 para 25.8 milhões de kg no ano de 2010. Então 13 vezes mais. Estes dados se referem apenas a lavouras de milho. No mesmo período, o uso da Atrazina ficou praticamente estável, ou seja, por volta de 25 milhões de kg por ano.
A atrazina está ligada a sérios efeitos sobre a saúde humana, incluindo malformações em bebês e problemas nos sistemas endócrino e reprodutor.

É também uma grande ameaça aos ecossistemas por provocar problemas imunológicos hormonais e reprodutivos em espécies aquáticas. O próprio glifosato também está associado a uma série de problemas ambientais e de saúde. O aumento no uso de herbicidas nas lavouras de transgênicos tolerantes ao glifosato se deve, em grande parte, ao desenvolvimento de resistência nas espécies de mato que o herbicida pretende controlar. Com a perda de eficácia do veneno, os agricultores tendem não só a utilizar maiores quantidades de glifosato, como recorrer, de forma complementar, a outros herbicidas ainda mais tóxicos. Isso está levando também as empresas de biotecnologia a investir no desenvolvimento de plantas transgênicas tolerantes a múltiplos herbicidas como glifosato e 2,4-D (componente do famoso Agente Laranja) ou glifosato e aceto cloro, ou seja, soluções que também levarão ao aumento de venenos e, pior, cada vez mais tóxicos.

Pessoalmente vejo que é realmente urgente ampliar a consciência dos produtores e consumidores de que o caminho dos transgênicos é um caminho de death sciences (ciências da morte) embora seus fabricantes usem o slogan de life sciences (ciências da vida). Julguem vocês.

Artigo publicado em 23/07/2011 - Sítio a Boa Terra


Conheça a história do Sítio, uma lição de coragem e muito amor (Nadia Cozzi)

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Sustagen Kids, saudável e nutritivo?



Texto de Paloma Varón* em Infância livre de Consumismo

No fim de 2012, recebi um release, uma “sugestão de pauta” para o meu blog pessoal – que não é nem nunca foi comercial –, que, dentre tantos outros que recebo quase que diariamente, me chamou a atenção. Era da empresa fabricante do Sustagen Kids no Brasil, que enviava para mim sugestões de lanches saudáveis (sim, saudáveis, era este o apelo) usando o produto deles para eu publicar no meu blog de graça. Que lindo, quanto desprendimento, quanta generosidade…

Já estou acostumada com este tipo de abordagem e nem respondo a estes e-mails. Tá, como jornalista que também já atuou como assessora de imprensa, eu poderia dar um toque e dizer: “Você está fazendo isso errado, amiga”, mas preferi escrever isso aqui, assim o toque fica mais amplo, não só para a equipe de assessoria de imprensa, mas para as outras blogueiras, que como eu, recebem rotineiramente releases semelhantes, e para quem mais se interessar sobre o assunto.


Para começar, a primeira receita é de bicho-de-pé, aquele docinho que parece brigadeiro, mas que é cor-de-rosa. Olha, você pode achar bicho-de-pé bonito, gostoso, a sensação da festa infantil, mas… saudável? Sinto lhe informar, ele não é não. Com ou sem Sustagen Kids na receita, continua sendo um doce com uma quantidade absurda de açúcar. Aliás, fica a dica: um brigadeiro feito com um achocolatado sem açúcar ou mesmo cacau puro é muito menos doce, portanto, menos prejudicial à saúde. Nem vou entrar na discussão dos corantes e de todos os produtos químicos que existem naquela lata. Também não vou discutir o fato de que a receita proposta leva margarina em vez de manteiga.

O ponto mais importante aqui é que Sustagen Kids não é um produto legal – na medida em que é industrializado e não é indicado para qualquer criança “que não come frutas e verduras”, como a propaganda faz parecer – e não vai ser adicionando-o a receitas também pouco saudáveis que vamos, por um passe de mágica. “saudabilizá-las” (neologismo que acabei de criar, deu para entender, né?).

O problema é que o suplemento acima referido, assim como outros do gênero, por meio de anúncios em que a criança não almoça e recebe um copo de Sustagen Kids em troca, caíram nas graças de muitos pais e mães, que acham que eles são a salvação da lavoura, afinal, a maioria dos pais acha que seu filho come menos do que realmente come.

“Se por um lado temos nossa responsabilidade de pais com o que nossos filhos comem, a publicidade também não pode se eximir da responsabilidade dela em anunciar seus produtos de forma a ‘munir’ as crianças com argumentos de convencimento para as compras. A indústria de alimentos também tem uma boa parcela de culpa por produzir alimentos com qualidade nutricional ruim. E o governo, que conta com pouquíssimas iniciativas em favor do consumidor, também precisa tomar a rédea da regulamentação da publicidade de alimentos”, é a opinião da nutricionista Claudia Olsieski da Cruz.

Claudia é mestre em nutrição pela UERJ e doutoranda em Alimentação, Nutrição e Saúde pela mesma universidade. Professora da área de Nutrição Social da Universidade Estácio de Sá, casada e mãe de um menino de 8 anos. Estuda a relação da publicidade de alimentos com o consumo alimentar, bem como a regulamentação do setor. Para saber mais, leia a entrevista que publicaremos na quinta-feira, dia 21 de fevereiro.

*Paloma Varón é mãe de duas, jornalista, blogueira, defensora dos direitos da infância e da mulher, entre outras tantas coisas que a definem. Baiana, idealista, curiosa, agitada, expatriada na Eslovênia.

----------------------

Só para dar meu pitaco que tal sabermos os ingredientes presentes no Sustagen Kids?

Baunilha: Ingredientes: Sacarose, leite desnatado em pó, fosfato de magnésio, sólidos de xarope de milho, ascorbato de sódio, sulfato ferroso, sulfato de zinco, niacinamida, inositol, iodeto de potássio, acetato de DL-alfa trocoferila, sulfato de manganês monoidratado, sulfato cúprico, acetato de retinila, fitomenadiona, pantotenato de cálcio, cloridato de piridoxina, colecalciferol, cloridrato de tiamina, cianocobalamina, riboflavina, ácido fólico e biotina. Contém aroma natural e artificial de baunilha. Aromatizado artificialmente.NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Chocolate: Ingredientes: Sacarose, leite desnatado em pó, cacau em pó, sólidos de xarope de milho, fosfato de magnésio, ascorbato de sódio, sulfato ferroso, sulfato de zinco, niacinamida, inositol, iodeto de potássio, acetato de DL-alfa tocoferila, sulfato de manganês monoidratado, sulfato cúprico, acetato de retinila, fitomenadiona, pantotenato de cálcio, cloridrato de piridoxina, cloridato de tiamina, cianocobalamina, riboflavina, ácido fólico e biotina. Contém aroma artificial de baunilha e estabilizante carragena. Aromatizado artificialmente. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Morango: Ingredientes: Sacarose, leite desnatado em pó, fosfato de magnésio, sólidos de xarope de milho, ascorbato de sódio, sulfato ferroso, sulfato de zinco, niacinamida, inositol, iodeto de potássio, acetato de DL-alfa tocoferila, sulfato de manganês monoidrato, sulfato cúprico, aceto de retinila, fitomenadiona, pantotenato de cálcio, cloridrato de piridoxina, colecalciferol, cloridrato de tiamina, cianocobalamina, riboflavina, ácido fólico e biotina. Contém aroma artificial de morango e corantes artificiais carmim, eritrosina e azul brilhante. Aromatizado artificialmente. NÃO CONTÉM GLÚTEN.Contém lactose.

Impressionante não é a quantidade de aditivos químicos presentes nesse """ alimento"""
Nadia Cozzi

Rótulos à prova de culpa!!!! Até quando seremos enganados?

Um daqueles textos que eu gostaria de ter escrito vem do Blog "Minha mãe que disse", muito bom!




Por Roberta

Na nossa última viagem ao Brasil, marido e eu comentávamos sobre a tremenda cara de pau da indústria alimentícia brasileira.

E quem lê rótulo de alimento vai concordar comigo: o que mais se vê é um bocado de porcaria açucarada e aditivada, dentro de um inocente pacotinho, onde se lê "fonte de vitamina C e cálcio!"

Não que a gente não comesse porcaria na nossa infância, muito pelo contrário. Mas a porcaria, naqueles tempos, era uma porcaria sincera. Suco cheio de açúcar, corante e aditivos químicos era somente um suco cheio de açúcar, corante e aditivos químicos. Ele não tentava ser o que não era. Q-Suco era Q-suco, Tang era Tang, Cheetos era Cheetos e chocolate podia ter formato de cigarro, para que as crianças se iniciassem no mundo das baforadas de uma maneira doce e eterna.

Eram porcarias sinceras, com exceção talvez de um certo queijinho, que atribuía a si o valor nutricional de um bife. Passada a ingenuidade dos anos 80, descobriu-se que o valor nutricional do tal queijinho era mais parecida com a de um docinho ou um chocolatinho e a propaganda "vale por um bifinho" foi finalmente proibidinha.

Mas daí chegou a era da informação, inclusive nutricional. E a indústria alimentícia teve que se adequar a esse novo público, que já começa a ver o açúcar, o sódio em excesso, a gordura trans e os aditivos alimentares com outros olhos. Posso até imaginar o bate papo entre executivos da indústria alimentícia.

- Vejam bem, o pessoal A e B não vai engolir esse suco aí, não. Eles vão ler o rótulo e vão perceber que isso nada mais é do que açúcar refinado, corante e um pouquinho de fruta, só pra constar.

- Hum, é verdade. Então manda pro pessoal C, que é mais "por fora".
- OK.
- Pro pessoal mais instruído a gente aplica a estratégia do vitaminado. Fontes de vitamina C, D e Calcio. Dá pra escrever Cálcio em vermelho, dá? E coloca a foto de uma criança sorridente. Pede pra agência selecionar uma criança magra e de dentes brancos. Olho azul, tá?

Sim, a indústria alimentícia brasileira aprendeu a lidar com o bicho-mãe-moderno-classe-média-crescida-nos-anos-80. Uma mãe que se recusa a dar Tang pra cria. Ela prefere dar o tal suco de soja, que a indústria faz parecer um inocente mix de soja com fruta. Mas que, ali no rótulo, é muito mais do que isso.

E assim a indústria vai subestimando nossa inteligência e trabalhando, com maestria, a questão da culpa materna. Culpa esta que faz com que ela pague 10 reais por uma caixa de suco pseudo natural que se diz "puro" e "multi-vitaminado". Para se ter idéia da palhaçada, aqui eu compro, a menos de 2 reais, um suco sem aditivos, sem açúcar, sem nada que não seja a própria fruta. E detalhe: Cingapura não tem recursos naturais, o suco que eu tomo vem da Austrália e deveria, portanto, me custar mais caro do que um suco que é produzido e vendido no Brasil - país que, diga-se de passagem, se gaba de suas infinitas fontes e recursos naturais.

Me chateia muito menos comprar uma porcaria sabendo que é uma porcaria, oras. "Vou dar uma porcaria pro meu filho comer" - vou lá, compro a porcaria e dou. Assim, sincero. O que não dá pra engolir são os falsos naturais, o cereal em barra que tem mais açúcar que fibras, mas se denomina "o fim dos seus problemas de prisão de ventre". Ah, tem dó.

Isso me torna uma radical anti-porcariadas em geral? Não, em absoluto, eu acho que tem hora pra tudo, inclusive pra porcaria - mas porcaria honesta, old school. Nada de me vender gato por lebre, me prometer mundos e fundos, não deixar claro se a bebida pode ser consumida por crianças menores de X anos.

Rótulos dissimulados, campanhas publicitárias confusas e maliciosas - isso é um problema de todos nós.

Mas é aquela coisa: quem é que vai comprar um produto em cujo rótulo se lê:

"Oi, eu sou o iogurte rosinha/suquinho de soja/suquinho de caixinha. Faz favor de me comer com moderação, pois eu sou cheio de açúcar refinado e também levo corantes e conservantes. Cáries, diabetes e obesidade infantil são somente alguns dos palavrões associados ao meu consumo desenfreado. Outra coisa: eu não fui feito pra ser consumido por seu bebê de 4 meses, de jeito nenhum!! Se o seu pediatra disser que eu fui, ele está mentindo. Viu, mãezinha? "

Roberta é uma das autoras do Minha Mãe que Disse e também escreve aqui. Mãe de Noah e Luna.

ABRANGE - Associação Brasileira dos Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados





Criada em 2008 com o objetivo principal de demonstrar ao mercado consumidor a consolidação do setor de grãos e derivados não geneticamente modificados e a existência da oferta consistente de produtos.

Metas da entidade:

Fomentar o plantio, o desenvolvimento e o aprimoramento da produção e processamento de grãos não geneticamente modificados no Brasil;

Promover, permanentemente, iniciativas visando o aumento do consumo e o melhoramento da qualidade dos produtos;

Servir de centro de consulta de referência para novas demandas de clientes nacionais e internacionais;

Apresentar produtos não geneticamente modificados que também apresentem sustentabilidade produtiva, ambiental e social;

Promover, realizar e divulgar pesquisas e estudos, organizar documentação e desenvolver projetos aplicados à cadeia produtiva de grãos não geneticamente modificados;

Situar e quantificar os mais importantes mercados de consumidores de produtos Não livres de transgênicos, para ajudar na elaboração de estratégias do setor produtivo;

Trabalhar em prol da certificação dos diversos elos da cadeia produtiva;

Há uma demanda crescente por esses produtos, e até agora as ações para o atendimento dessas necessidades eram feitas individualmente pelas empresas de modo não coordenado. O mercado europeu, maior consumidor de produtos não geneticamente modificados, chegou a questionar a existência de uma oferta sistemática e segura de grãos e derivados de soja e milho não transgênicos. A ABRANGE tem como missão principal a unificação desses esforços, tornando-se a entidade representativa desse setor, congregando desde produtores de sementes até as indústrias de processamento numa tarefa constante de aprimoramento de todos os elos dessa cadeia produtiva.


ABRANGE
Associação Brasileira dos Produtores de
Grãos Não Geneticamente Modificados
Rua Tabapuã 1123 - 19º andar - cj. 193/194
04533-014 - São Paulo/SP - Brasil
Tel/Fax: (55 11) 2892-7101
abrange@abrange.org

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Testes com transgênicos 'são robustos o suficiente', diz especialista

Acho que aqui estaríamos discutindo saúde, ser humano e não máquinas. Precisamos rever nossos conceitos de Vida.

Fonte: G1
Organizações como OMS e FAO não veem riscos em produtos geneticamente modificados que entraram na cadeia alimentar.

Os alimentos geneticamente modificados disponíveis no mercado internacional não representam um risco à saúde maior que o apresentado por alimentos obtidos por meio de técnicas tradicionais de cruzamento agrícola, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para Alimentação e para Agricultura (FAO), o Comissariado Europeu para Pesquisa, Inovação e Ciência e várias das principais academias de ciência do mundo.

A OMS diz que até hoje não foi encontrado nenhum caso de efeito sobre a saúde resultante do consumo de alimento geneticamente modificado (GM) "entre a população dos países em que eles foram aprovados".
Embrapa distribuirá feijão transgênico resistente a vírus a produtores do país a partir de 2014 (Foto: ABr)

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia (UE), reforçou essa posição quando divulgou, em 2010, o resultado de quase uma década de análises de 50 projetos de pesquisa financiados pela UE sobre a segurança dos alimentos GMs para a saúde humana, animal e do meio ambiente.

Segundo o documento, alimentos GMs "não oferecem risco maior à saúde humana e animal ou ao meio ambiente do que plantas ou organismos convencionais".

Os sinais apontam que hoje parece haver um consenso na comunidade científica sobre a segurança dos alimentos GM, mas essa confiança claramente se aplica mais aos testes e protocolos de biossegurança que aos alimentos em si.

"Na comunidade científica, existe um consenso de que os métodos de avaliação são suficientemente robustos para demonstrar a segurança ou não desses produtos", disse à BBC Brasil o responsável pelo laboratório de engenharia genética da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Francisco Aragão.

Para o especialista, os protocolos de biossegurança em vigor, baseados em análises de caracterização molecular e comparações de DNA de plantas modificadas com o material genético de plantas não modificadas da mesma espécie, "são tão confiáveis quanto os protocolos para análise de qualquer outro alimento".

Feijão à prova de vírus
A Embrapa é a primeira instituição pública do país a desenvolver e a conseguir autorização para comercialização de uma planta transgênica: um feijão resistente a um vírus que deve ser distribuído a fazendeiros a partir de 2014.

Se essa variante, aprovada pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) em em 2011, deu certo, o mesmo não pode ser dito de um outro tipo de feijão que foi "reprovado" nos testes de segurança.

"Geramos um feijão no início dos anos 1990 com uma proteína que vem da castanha-do-pará chamada de 2F", diz Aragão.

"Quando começamos a seguir o protocolo de biossegurança, descobrimos que essa proteína tinha potencial de ser alergênica. Com isso, paramos."

Casos como esse, de produtos que foram abandonados nos laboratórios depois de se mostrarem danosos à saúde, poderiam ser vistos como prova dos perigos inesperados de modificações genéticas.

Mas, para Aragão, o caso deve ser analisado como uma prova da eficácia dos protocolos de biossegurança. "Qualquer experimento pode dar errado. Isso serve para automóveis, geladeiras, celulares, aviões, lâmpadas fluorescentes. Durante os testes, aviões caem, mas isso não quer dizer que o produto final não seja seguro. É para isso que existe o protocolo."

No Brasil, qualquer instituição ou empresa que quiser fazer pesquisas envolvendo modificação de genes precisa se cadastrar na CTNBio, ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O órgão também avalia os pedidos de liberação para comercialização de alimentos geneticamente modificados no país. Entre 1998 – quando foi concedida a autorização para plantio da soja Roundup Ready, da Monsanto, tolerante a herbicida – até hoje, foram liberadas cinco variantes de soja transgênica, 18 de milho, 12 de algodão e uma de feijão.

Conheça 10 transgênicos que já estão na cadeia alimentar



Mais uma discussão sobre os transgênicos onde os interesses econômicos são mais importantes que a saúde do homem e do Meio Ambiente. Alguns trechos foram grifados para que os leitores percebam como estamos à mercê e sem direito de escolha. Minha pergunta sempre será: "Se não fazem mal à saúde porque o símbolo dos transgênicos vem tão pequeno e disfarçado nas embalagens? Não seria motivo de orgulho???"


Fonte: BBC
Thomas Pappon
Da BBC Brasil em Londres
Atualizado em 8 de fevereiro, 2013 - 06:04 (Brasília) 08:04 GMT

No final de dezembro passado, a agência que zela pela segurança alimentar nos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou para consumo um tipo de salmão geneticamente modificado, reacendendo o debate sobre a segurança dos transgênicos e suas implicações éticas, econômicas sociais e políticas.

É a primeira vez que um animal geneticamente modificado é aprovado para consumo humano.

Boa parte do público ainda teme possíveis efeitos negativos dos transgênicos para a saúde e o meio ambiente.Mas muitos consumidores nos Estados Unidos, Europa e Brasil, regiões em que os organismos geneticamente modificados (OGMs) em questão de poucos anos avançaram em velocidade surpreendente dos laboratórios aos supermercados, passando por milhões de hectares de áreas cultiváveis, continuam desconfiados da ideia do homem cumprindo um papel supostamente reservado à natureza ou à evolução - e guardam na memória os efeitos nocivos, descobertos tarde demais, de "maravilhas" tecnológicas como o DDT e a talidomida.

Pesquisas de opinião nos Estados Unidos e na Europa, entretanto, indicam que a resistência aos OGMs tem caído, refletindo, talvez, uma tendência de gradual mudança de posição da percepção pública.

As principais academias de ciências do mundo e instituições como a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) são unânimes em dizer que os transgênicos são seguros e que a tecnologia de manipulação genética realizada sob o controle dos atuais protocolos de segurança não representa risco maior do que técnicas agrícolas convencionais de cruzamento de plantas.

Vários produtos GM já estão nos supermercados, um fato que pode ter escapado a muitos consumidores - apesar da (discreta) rotulagem obrigatória, no Brasil e na UE, de produtos com até 1% de componentes transgênicos.

A BBC Brasil preparou uma lista com 10 produtos e derivados que busca revelar como os transgênicos entraram, estão tentando ou mesmo falharam na tentativa de entrar na cadeia alimentar.

MILHO

Dezoito variedades de milho transgênico são aprovadas para consumo no Brasil.

Com as variantes transgênicas respondendo por mais de 85% das atuais lavouras do produto no Brasil e nos Estados Unidos, não é de se espantar que a pipoca consumida no cinema, por exemplo, venha de um tipo de milho que recebeu, em laboratório, um gene para torná-lo tolerante a herbicida, ou um gene para deixá-lo resistente a insetos, ou ambos. Dezoito variantes de milho geneticamente modificado foram autorizadas pelo CTNBio, órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia que aprova os pedidos de comercialização de OGMs.

O mesmo pode ser dito da espiga, dos flocos e do milho em lata que você encontra nos supermercados. Há também os vários subprodutos – amido, glucose – usados em alimentos processados (salgadinhos, bolos, doces, biscoitos, sobremesas) que obrigam o fabricante a rotular o produto.

O milho puro transgênico não é vendido para consumo humano na União Europeia, onde todos os legumes, frutas e verduras transgênicos são proibidos para consumo – exceto um tipo de batata, que recentemente foi autorizado, pela Comissão Europeia, a ser desenvolvido e comercializado. Nos Estados Unidos, ele é liberado e não existe a rotulação obrigatória.
ÓLEOS DE COZINHA

Óleo de soja é o principal subproduto do cultivo transgênico para o consumidor.

Os óleos extraídos de soja, milho e algodão, os três campeões entre as culturas geneticamente modificadas – e cujas sementes são uma mina de ouro para as cerca de dez multinacionais que controlam o mercado mundial – chegam às prateleiras com a reputação “manchada” mais pela sua origem do que pela presença de DNA ou proteína transgênica. No processo de refino desses óleos, os componentes transgênicos são praticamente eliminados. Mesmo assim, suas embalagens são rotuladas no Brasil e nos países da UE.


SOJA
No mundo todo, o grosso da soja transgênica, a rainha das commodities, vai parar no bucho dos animais de criação - que não ligam muito se ela foi geneticamente modificada ou não. O subproduto mais comum para consumo humano é o óleo (ver acima), mas há ainda o leite de soja, tofu, bebidas de frutas e soja e a pasta misso, todos com proteínas transgênicas (a não ser que tenham vindo de soja não transgênica). No Brasil, onde a soja transgênica ocupa quase um terço de toda a área dedicada à agricultura, a CTNBio liberou cinco variantes da planta, todas tolerantes a herbicidas – uma delas também é resistente a insetos.

MAMÃO PAPAYA

Os Estados Unidos são o maior importador de papaya do mundo – a maior parte vem do México e não é transgênica. Mas muitos americanos apreciam a papaya local, produzida no Havaí, Flórida e Califórnia. Cerca de 85% da papaya do Havaí, que também é exportada para Canadá, Japão e outros países, vem de uma variedade geneticamente modifica para combater um vírus devastador para a planta. Não é vendida no Brasil, nem na Europa.
QUEIJO

Aqui não se trata de um alimento derivado de um OGM, mas de um alimento em que um OGM contribuiu em uma fase de seu processamento. A quimosina, uma enzima importante na coagulação de lacticínios, era tradicionalmente extraída do estômago de cabritos – um procedimento custoso e "cruel". Biotecnólogos modificaram micro-organismos como bactérias, fungos ou fermento com genes de estômagos de animais, para que estes produzissem quimosina. A enzima é isolada em um processo de fermentação em que esses micro-organismos são mortos. A quimosina resultante deste processo - e que depois é inserida no soro do queijo – é tida como idêntica à que era extraída da forma tradicional. Essa enzima é pioneira entre os produtos gerados por OGMs e está no mercado desde os anos 90. Notem que o queijo, em todo seu processo de produção, só teve contato com a quimosina - que não é um OGM, é um produto de um OGM. Além disso, a quimosina é eliminada do produto final. Por isso, o queijo escapa da rotulação obrigatória.
PÃO, BOLOS e BISCOITOS

Bolos e pães têm componentes derivados de milho e soja transgênicos

Trigo e centeio, os principais cereais usados para fazer pão, continuam sendo plantados de forma convencional e não há variedades geneticamente modificadas em vista. 

Mas vários ingredientes usados em pão e bolos vêm da soja, como farinha (geralmente, nesse caso, em proporção pequena), óleo e agentes emulsificantes como lecitina. Outros componentes podem derivar de milho transgênico, como glucose e amido. Além disso, há, entre os aditivos mais comuns, alguns que podem originar de micro-organismos modificados, como ácido ascórbico, enzimas e glutamato. Dependendo da proporção destes elementos transgênicos no produto final (acima de 1%), ele terá que ser rotulado.
ABOBRINHA

Seis variedades de abobrinha resistentes a três tipos de vírus são plantadas e comercializadas nos Estados Unidos e Canada. Ela não é vendida no Brasil ou na Europa.
ARROZ

Uma das maiores fontes de calorias do mundo, mesmo assim, o cultivo comercial de variedades modificadas fica, por enquanto, na promessa. Vários tipos de arroz estão sendo testados, principalmente na China, que busca um cultivo resistente a insetos. Falou-se muito no golden rice, uma variedade enriquecida com beta-caroteno, desenvolvida por cientistas suíços e alemães. O "arroz dourado", com potencial de reduzir problemas de saúde ligados à deficiência de vitamina A, está sendo testado em países do sudeste asiático e na China, onde foi pivô de um recente escândalo: dois dirigentes do projeto foram demitidos depois de denúncias de que pais de crianças usadas nos testes não teriam sido avisados de que elas consumiriam alimentos geneticamente modificados.
FEIJÃO

Feijão transgênico deve ser distribuído no Brasil em 2014

A Empresa Brasileira para Pesquisa Agropecuária (Embrapa), ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conseguiu em 2011 a aprovação na CTNBio para o cultivo comercial de uma variedade de feijão resistente ao vírus do mosaico dourado, tido como o maior inimigo dessa cultura no país e na América do Sul. As sementes devem ser distribuídas aos produtores brasileiros - livre de royalties – em 2014, o que pode ajudar o país a se tornar autossuficiente no setor. É o primeiro produto geneticamente modificado desenvolvido por uma instituição pública brasileira.

Foto: PASALMÃO

O salmão transgênico, que pode chegar às mesas de jantar em 2014, será o primeiro animal geneticamente modificado (GM) consumido pelo homem.

Após a aprovação prévia da FDA, o público e instituições americanos têm um prazo de 60 dias (iniciado em 21 de dezembro) para se manifestar sobre o salmão geneticamente modificado para crescer mais rápido. 

Em seguida, a agência analisará os comentários para decidir se submete o produto a uma nova rodada de análises ou se o aprova de vez. Francisco Aragão, pesquisador responsável pelo laboratório de engenharia genética da Embrapa, disse à BBC Brasil que tem acompanhado o caso do salmão "com interesse", e que não tem dúvidas sobre sua segurança para consumo humano. "A dúvida é em relação ao impacto no meio ambiente. (Mesmo criado em cativeiro) O salmão poderia aumentar sua população muito rapidamente e eventualmente eliminar populações de peixes nativos. As probabilidades de risco para o meio ambiente são baixas, mas não são zero...na natureza não existe o zero".

E ESTES NÃO DERAM CERTO…

A primeira fruta aprovada para consumo nos Estados Unidos foi um tomate modificado para aumentar sua vida útil após a colheita, o "Flavr Savr tomato". Ele começou a ser vendida em 94, mas sua produção foi encerrada em 97, e a empresa que o produziu, a Calgene, acabou sendo comprada pela Monsanto. O tomate, mais caro e de pouco apelo ao consumidor, não emplacou. O mesmo ocorreu com uma batata resistente a pesticidas, lançada em 95 pela Monsanto: a New Leaf Potato. Apesar de boas perspectivas iniciais, ele não se mostrou economicamente rentável o suficiente para entusiasmar fazendeiros e foi tirada do mercado em 2001.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas