A incrível ciência do vício em junk food

Temos que compartilhar textos assim, precisamos acordar definitivamente para a importância do alimento na nossa saúde. Nutrir é muito diferente de matar a fome.
Nadia Cozzi



Fonte: Infância livre de Consumismo
Texto de Renata Kotscho Velloso*

Meu sogro trabalhou na década de 70 com o então governador de São Paulo. Ele gosta de contar uma anedota dessa época. Diz que o governador estava em campanha em uma cidade do interior e foi convidado para comer um creme de abacate numa casa simples local. Ele experimentou o creme e foi colocando mais e mais açúcar. E por fim declarou: “Muito obrigado, esse creme de abacate estava uma delícia.” Eis que o agricultor respondeu: “Também, dotô, com esse tanto de açúcar que o sinhô botô, até merda é bom.”

Desculpe pelo linguajar, mas a verdade é que o artigo New York Times publicado semana passada, escrito pelo vencedor do prêmio Pulitzer Michael Moss, chega à mesma conclusão que o agricultor acima chegou sobre a nossa alimentação.

O jornalista inicia o artigo contando sobre uma reunião de 1999, quando se começava a discutir a influência da indústria alimentícia sobre os índices crescentes de obesidade e consequentemente de doenças a ela relacionadas nos EUA. Para espanto e revolta dos presentes (todos presidentes de grandes empresas do setor), um dos palestrantes chegou a comparar a indústria de alimentos com a indústria do tabaco, a grande vilã da época. O presidente da General Mills na época resumiu o sentimento dos presentes: “O que vende é o que tem sabor bom, e não vamos mudar as nossas receitas porque meia dúzia de pessoas de avental branco estão preocupadas com a obesidade.” Segundo ele, a indústria oferece o que o consumidor quer, se as pessoas não têm força de vontade isso não é problema dos fabricantes de alimentos.

Michael Moss entrevistou mais de 300 ex-funcionários das principais empresas alimentícias e concluiu que não é bem assim: a indústria de alimentos é, sim, a principal responsável pelo fato de a obesidade hoje nos EUA atingir um terço dos adultos e uma em cada 5 crianças nos país. Segundo ele, milhões de dólares são gastos anualmente em pesquisas e marketing para fazer com que os consumidores sejam viciados em alimentos baratos e convenientes.

1. “Nesse campo eu sou o jogador que faz a diferença”


A primeira história que Michael Moss usa para fundamentar o seu argumento é o da fabricante do Dr. Pepper, um dos refrigerantes mais populares nos EUA. Percebendo que estava perdendo mercado com lançamentos dos concorrentes, a empresa lançou uma nova bebida chamada RedFusion, que foi um grande fracasso. Para reverter o problema, foi então chamado Howard Moskwitz, PhD em psicologia experimental. Moskwitz era conhecido no mercado por “otimizar” alimentos.

Como assim, otimizar? O que ele fazia era testar com muitos consumidores todas as combinações possíveis nos produtos, incluindo sabor, textura, cor, embalagens etc. até atingir a combinação ideal que mais agradasse aos potenciais consumidores. A conclusão a que ele mais chegava era a seguinte: “Quer fazer os consumidores felizes? Adicione açúcar e sal”. E assim foi criada, com a certeza do grande sucesso, a Cherry VanillaDrPepper.

Em entrevista a Michael Moss, Moskwitz, que também “otimizou” o molho de tomate, colocando na receita duas colheres de açúcar e um terço da quantidade diária recomendada de sódio em meia xícara do molho, revela: “Eu fiz o melhor que a ciência me permitia fazer. Estava lutando para sobreviver e não podia me dar o luxo de ser uma criatura moral. Eu era um pesquisador à frente do meu tempo.” Poderia ser o discurso de um traficante de drogas, só que não era.

2. “A hora do almoço é toda sua”



A segunda história utilizada por Moss foi da empresa Oscar Mayer, uma grande produtora de embutidos de carne vermelha. A empresa estava assustada com a crescente pressão que os seus produtos estavam sofrendo pela fama que tinham de aumentar o colesterol e causar doenças cardíacas. 

Assim a empresa decidiu focar nas mães, querendo entender o que elas desejavam em termos de produtos alimentícios para o almoço dos seus filhos. A principal reclamação das mães detectada na pesquisa foi a falta de tempo para preparar o almoço dos seus filhos. A maioria das crianças nos EUA fica na escola entre 9 da manhã e 3 tarde, ou seja, almoçam na escola. Nem todas as escolas oferecem serviço de cantina, então a maioria das mães tem que se preocupar com o almoço. Como grande parte dos americanos não cozinha e o jantar ou é comido fora de casa (30% dentro do carro, após passar em drive-thrus de redes de fast food) ou em bandejas prontas de congelados, acaba não havendo a opção de levar no almoço uma “quentinha” do jantar.

O que a Oscar Mayer fez com essa informação? Lançou o produto Lunchables. O produto original é uma combinação de carne embutida, um imitação de queijo, uns biscoitos água e sal e um doce tipo bombom. A combinação contém 9 gramas de gordura saturada (aproximadamente o máximo que uma criança poderia comer no dia todo), dois terços do total de sódio recomendado e inacreditáveis 13 colheres de chá de açúcar! O própria criador do Lunchables revela a Moss que seus críticos costumam alegar que “se você analisar o Lunchables poderá verificar que o guardanapo é o ítem mais saudável do pacote”.

Não satisfeitos em oferecer às mães o que elas teoricamente desejavam, o Lunchables faz um marketing pesado em cima das crianças com o singelo slogan “o dia todo você tem que fazer o que os adultos mandam, mas a hora do almoço é toda sua”.

A filha do dono da Oscar Meyer, ela própria mãe de 3 crianças, entrevistada por Moss revela: “Eu acho que as minhas filhas nunca comeram um Lunchablea. Elas sabem que existe e que o avô que criou o produto, mas aqui em casa nós comemos de forma saudável.” E o vovô completa: “Eu desejaria que o perfil nutricional do negócio fosse melhor, mas vejo o projeto como um todo como uma contribuição positiva para a vida das pessoas.” Então tá.

3. “É o que chamamos de desaparecimento da densidade calórica”


O último caso utilizado por Moss no seu artigo é o da empresa Frito-Lay, divisão da Pepsi que fabrica os famosos “porcaritos”. 

O mal que o sal faz para a saúde já foi bastante documentado pela ciência. Na Finlândia a redução a um terço do consumo de sal fez despencar a incidência de derrames e doenças cardíacas no país. Nos EUA, porém, o consumo de sal vem crescendo cerca de 150 gramas por ano. Boa parte dele vem do fato de que o americano consome em média 6 kilos de salgadinho por ano.

Como é possível alguém comer tanto salgadinho? Steven Withery, pesquisador da Frito-Lay, explica: “Isso é possível devido ao que chamamos de desaparecimento da densidade calórica. Se alguma coisa derrete rápido na boca, o seu cérebro entende que não tem calorias ali… e assim você consegue comer aquilo pra sempre”. Lembram do slogan “é impossível comer um só?”. Então a Frito-Lay investe cerca de 30 milhões de dólares por ano em pesquisa, incluindo até uma máquina que simula a boca humana para chegar a esse ponto exato de crocância e derretimento do salgadinho. E aí você é culpado porque não tem força de vontade o suficiente.

Um grande e famoso estudo publicado no New York Journal of Medicine, que acompanha a alimentação, fumo e atividade física demais de 120 mil pessoas desde 1986, chegou às seguintes conclusões. A quatro anos, quando os dados são analisados, percebe-se uma queda na atividade física, um aumento na quantidade de tempo gasto na frente da TV e um aumento médio de dois quilos na amostra estudada.

Os principais alimentos quem contribuem para o ganho de peso, segundo o estudo, são a carne vermelha, principalmente a superprocessada, as bebidas açucaradas e a batata (tanta na forma de batata frita, quanto purê, mas principalmente em forma de salgadinho). A forma como salgadinho de batata é metabolizado no corpo explica parte do problema: ao ser ingerido ele é transformado em glicose mais rápido do que o próprio açúcar, fazendo com que você continue querendo mais e mais.

Percebendo a crescente preocupação com uma dieta saudável, principalmente nas camadas mais ricas e educadas da população, a Coca-Cola lançou uma estratégia dupla: aumentou o marketing dos produtos diet e da sua água engarrafada nas áreas mais ricas e investiu pesado em marketing da Coca-Cola tradicional nos locais mais pobres dos EUA e do mundo.

Moss cita no seu artigo a iniciativa da coca cola nas favelas brasileiras. Com o objetivo de conquistar esses consumidores, a Coca lançou uma versão menor e mais barata do refrigerante, eliminando a barreira inicial do preço que impedia que as pessoas experimentassem o produto. A Nestlé tem uma estratégia semelhante no Brasil: leva seus produtos de barco a locais mais pobres e remotos do Brasil, onde a resistência a produtos com algo teor de açúcar e gorduras hidrogenadas é menor. Um ex-funcionário, que se tornou persona non grata na Coca Cola, afirma a Moss: “Essa estratégia me dá vontade de vomitar. Se tem uma coisa que essas pessoas que precisam de tanto realmente não precisam é de Coca-Cola.” É isso aí.

*Renata é mãe de 3 meninas: Luiza, Julia e Clara. Médica formada pela Unicamp, em Campinas, mora há um ano com sua família na Califórnia. Sua filha Julia é autora do blog Chef Juju, com muitas receitas gostosas.

Comentários

Postagens mais visitadas