terça-feira, 30 de abril de 2013

Sardinha, a mais popular fonte de ômega-3

Fonte: Saúde Abril - Por ADRIANA TOLEDO / design LETÍCIA RAPOSO / fotos DERCÍLIO

O tesouro das sardinhas
Pequenas, saborosas e populares, elas abrigam o famoso ômega-3 que ajuda na prevenção de diversos males. Aprenda a apreciar esse pescado cheio de riquezas.

Elas costumavam nadar em grandes cardumes pelos mares da Sardenha, ilha localizada no Mediterrâneo, daí seu nome. Aventureiras, navegaram quilômetros até disseminar populações de sua espécie pelos vários oceanos do mundo . Ao longo de sua missão desbravadora, vieram parar nas águas e no prato dos brasileiros, formando a família Sardinella brasiliensis, a típica iguaria nacional. Por ser tão comum e ter um baixíssimo custo, nem todo mundo se dá conta de que a sardinha esconde uma riqueza inestimável.

Ela contém ácido graxo ômega-3 em quantidades que não deixam nada a desejar a parentes estrangeiros, como o salmão, que levam a fama de ser as melhores fontes da substância, garante o especialista em ciência e tecnologia dos alimentos Luiz Henrique Beirão, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Muita gente pode estranhar, já que o ômega-3, ácido graxo lotado de vantagens para a saúde, é típico de peixes de águas gélidas e profundas. Essas espécies precisam da gordura para evitar que congelem nessas águas, justifica o químico e cientista de alimentos Jesuí Visentainer, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná.

Por que, então, a sardinha, que aprecia temperaturas amenas, seria tão rica no ácido graxo? Por ser migratória e se movimentar muito, ela armazena a gordura como reserva energética, responde a pesquisadora e doutora em nutrição Cristiane Neiva, do Instituto de Pesca de Santos, no litoral paulista.Sem contar que também se alimenta de algas ricas em ômega-3, completa. 

A sardinha não só contém ômega- 3 como fornece o ácido graxo em suas melhores variantes: o eicosapentaenóico, conhecido como EPA, e o docosahexaenóico, o DHA.

A título de comparação, vegetais como a linhaça fornecem a gordura como ácido alfalinolênico. Essa substância é convertida em EPA e DHA graças a enzimas no nosso organismo, explica Jorge Mancini, especialista em tecnologia de alimentos da Universidade de São Paulo (USP). Mas essas enzimas nem sempre dão conta do recado, especialmente no caso de idosos. E isso compromete o aproveitamento da tal gordura, conclui Mancini. Já a sardinha se alimenta de algas ricas no ácido alfalinolênico. Assim, a pequena notável se encarrega de transformá- lo na dupla benéfica, que fica pronta para ser absorvida por qualquer um, em qualquer situação.

No corpo humano, essas gorduras do bem minimizam a ação nociva de compostos inflamatórios, explica o nutrólogo Celso Cukier, do Instituto de Metabolismo e Nutrição, em São Paulo. Dessa forma, ajudam na prevenção de uma série de males que dão as caras em locais díspares como o coração, o intestino e as articulações. Sem falar que ainda entram na constituição da retina e da massa cinzenta. Recentemente, um trabalho da UFSC analisou as quantidades de ômega-3 em diversos peixes da costa brasileira. E adivinhe... A sardinha foi a campeã de EPA, ficando à frente de pescados como o bonito e o atum, confirma Visentainer, um dos responsáveis pela avaliação.

Finalmente, como qualquer peixe que se preze, ela é fonte de proteínas de excelente qualidade, ideal para manter os músculos em dia, e fósforo, um mineral que participa da mineralização dos ossos. Portanto, não faltam motivos para que se inclua essa aventureira dos mares no cardápio. Duas ou três vezes por semana é o suficiente.

A versão em lata é uma alternativa válida de vez em quando, até pela praticidade. Só repare em um senão: em conserva, o peixe geralmente vem imerso em óleos ou molho de tomate. Evite a primeira opção. Ela é fonte de ômega-6, gordura típica da alimentação ocidental e que, em excesso, provoca inflamações, orienta Cukier. Diante de tantos benefícios, é hora de investir em seus dotes culinários, abusar da criatividade e servir a sardinha à mesa. Vale assada, ensopada ou recheada. Nós, aliás, ensinamos uma receita assim. Clique aqui e confira!

Como tirar melhor proveito 
O cuidado para comprar o peixe é praticamente o de sempre: Verifique se os olhos estão brilhantes e as brânquias, avermelhadas. Mas não se preocupe com escamas soltas, porque isso é normal nas sardinhas, ensina a oceanógrafa Maria Cristina Cergole, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, em São Paulo. Fique ainda mais atento ao odor. A sardinha nunca deve ter cheiro de ranço, um sinal de oxidação, avisa Cristiane Neiva. Por fim, evite as frituras. Temperaturas muito altas degradam o ômega-3.


O QUE É QUE A SARDINHA TAMBÉM TEM
Calorias 164
Fósforo 578 mg
Zinco 1,8 mg
Ferro 1,3 mg
Cálcio 438 mg
(em 100 gramas, que equivalem a três unidades)

A ESPÉCIE ENCONTRADA NO NOSSO MAR
Da hora da compra no supermercado à chegada ao prato siga alguns conselhos para nenhum benefício da sardinha se perder no trajeto.

NOME CIENTÍFICO: Sardinella brasiliensis
NOME POPULAR: sardinha-verdadeira
POR ONDE NADA: apesar do nome, visita vários litorais, principalmente na Califórnia (EUA), no Japão, no Chile, no Peru, na costa africana. E, claro, no Brasil
COMPRIMENTO: ela mede em média 17 centímetros; algumas atingem 27 centímetros


segunda-feira, 29 de abril de 2013

Agrotóxico uma agricultura da morte. Olha só o que vc pode estar patrocinando cada vez que escolhe seus alimentos!

Jundiaí terá grupo de produtores orgânicos

Por Imprensa | Publicado em 25 de abril de 2013 às 18:50

Em reunião nesta quinta-feira (25), na Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Turismo, um grupo de agricultores de Jundiaí aderiu à formação de uma OCS (Organização de Controle Social) para obter a certificação orgânica para venda direta de seus produtos ao consumidor.

Agora, a documentação será enviada para o Ministério da Agricultura para ser feito o cadastro. Este foi o segundo encontro do grupo. Nomeada de Jundiaí Orgânicos, a OCS será formada por 14 integrantes: 7 produtores familiares, 5 técnicos e 2 consumidores.


sábado, 27 de abril de 2013

Como o monopólio das patentes afeta criadores e agricultores no mundo

Por Epochtimes
Autor: Alberto Fiaschitello Publicação: abril 27, 2013


A produção mundial de alimentos – dos grãos aos derivados de animais – caminha gravemente para o monopólio, imposto pelas patentes das indústrias de transgênicos.

Ao contrário das promessas de benefícios econômicos e melhoramento na vida dos agricultores feita pelas indústrias de OGMs e transgênicos, os agricultores estão constatando sua grave dependência, e mesmo empobrecimento, depois de assinarem contratos com as empresas de transgênicos.

Esses contratos os proíbem de replantarem as sementes produzidas em suas colheitas, o que os obriga a comprarem novas sementes transgênicas para cada novo plantio. Também os atrela à tecnologia exclusiva de manejo das sementes transgênicas patenteadas, que exigem formas fechadas de manejo das sementes e da plantação, dentro de um processo que requer insumos exclusivos – como certos produtos químicos e pesticidas específicos – produzidos exclusivamente pelas mesmas empresas de transgênicos. Isso os torna definitivamente dependentes de empresas transnacionais como a Monsanto – a maior indústria de transgênicos do mundo, que no Brasil atua através da Agroceres, Agracetus, Agroeste Sementes, CanaVilis Monsanto, Monsoy e outras.

Na Índia, a Monsanto domina praticamente todo o mercado de sementes de algodão, o que obriga os agricultores a comprarem suas sementes transgênicas. Porém, os preços das sementes da Monsanto são quatro vezes maiores do que os das sementes convencionais – o que, segundo a empresa, se deve ao preço embutido de sua tecnologia patenteada – levando os agricultores a graves endividamentos, que se transformam, muitas vezes, em perdas de suas terras e mesmo de suas casas.

Além disso, devido às modificações genéticas feitas pela Monsanto em sementes nativas, as perdas ocasionadas em algumas safras têm sido desastrosas para os agricultores, levando milhares de famílias à ruina financeira e chefes de família ao suicídio.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Saiba um pouco sobre como são alimentadas as crianças italianas no texto de Allan Robert PJ



De Infância Livre de Consumismo

"Estas escolas não possuem cantinas, apenas refeitórios, e a alimentação é controlada e balanceada por nutricionistas.

Lanche matinal: fruta; 
Almoço: primeiro prato de massa, pizza ou risotto, segundo prato de carne (carne de vaca, frango ou peixe, dependendo do dia) com salada e verdura, sobremesa (doce e fruta); 
Lanche vespertino: fruta ou doce (geralmente uma torta – crostata – de fruta). 

Usa-se somente produtos da estação (mais frescos, mais nutrientes e sem tanto agrotóxico), de preferência, a quilômetro zero – produzidos na região e com custos inferiores aos produtos fora de época ou de outras regiões. De quebra, a agricultura e a economia local ganham e sobrevivem."


Alimentos orgânicos são poucos, difíceis de encontrar, etc ... etc .... Se você acha isso seus problemas acabaram!!!!


Por isso a ABRAS Associação Brasileira de Supermercados criou um manual de produtos orgânicos, chamado Espaço Orgânico e Natural que vcs podem acessar clicando aqui


Sabendo quem fabrica fica mais fácil entrar em contato com as empresas e tem muitas delas que entregam em casa, sem maiores dificuldades ou indicam um ponto de venda mais próximo.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O fechando o Ziper tb analisou o Suco de Laranja do Bem


Suco de Laranja Do Bem

 
laranja-200ml
Nota
B
1014
 


0
Publicado January 1, 2013 por 

É um suco integral!
Sabe o que é SUCO INTEGRAL? Esse nome é exclusivo do suco sem adição de açúcares e na sua concentração natural (não diluído). É proibida a adição de aromas e de corante artificiais.
OBS: o suco pode ser adicionado de açúcar, mas deve constar a designação “adoçado“, fiquem ligados! Ainda bem que esse não é o caso deste suco :)
Fonte: Decreto n 6.871, de 4 de junho de 2009.
Vitamina C na sua forma natural
Ainda bem que a vitamina C deste suco vem das LARANJAS! Cuidado! Não é o que normalmente vemos por aí, com os “sucos” cheios de vitaminas adicionadas industrialmente ao produto.
Não apresenta aditivos alimentares!
Sabe o que é aditivo alimentar? É todo e qualquer ingrediente adicionado intencionalmente aos alimentos sem propósito de nutrir, com o objetivo de modificar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais, durante a fabricação, processamento, preparação, tratamento, embalagem, acondicionamento, armazenagem, transporte ou manipulação de um alimento.
Fonte:  Portaria SVS/MS 540, de 27/10/97.
Onde estão as fibras da laranja?
Ficamos desapontadas com um suco tão natural como esse não apresentar fibras na tabela nutricional da embalagem. Questionamos a empresa e recebemos a seguinte resposta “Quando a fibra é menor que 1g, e a nossa fica em torno de 0,90 g por lei você não pode colocar na informação nutricional. Um suco feito na hora na sua casa por exemplo tem em torno de 0,96 g de fibra.” No entanto, respondemos que segundo a RDC nº 360 de 2003, a fibra alimentar (item obrigatório no rótulo) é considerada uma quantidade não significativa quando menor ou igual a 0,5 g. Não obtivemos mais resposta depois disso…
Quer saber mais sobre sucos?  
Acesse o link 

Limonada do Bem avaliada pelo site fechando o ziper


Limonada Do Bem

limonada_do_bem


2
Publicado February 14, 2013 por 

Apresenta pouca quantidade de sódio
Comparado às outras bebidas industrializadas que temos visto por aí, este produto tem baixa quantidade de sódio por porção. Mas, pense sempre em quantas porções você costuma tomar do produto ;)
Ufa, encontramos uma verdadeira limonada!
A limonada é composta de suco de limão, dissolvido na água e com a adição de açúcar ou adoçante. E confirmamos isso nos ingredientes! Isto não é o que temos visto em ooooutras limonadas por aí :P
Obaaa, apresenta vitamina C
O limão é conhecido por sua vitamina C, então esperamos obter esse nutriente ao tomarmos uma limonada! Isto também não é o que temos visto em ooooutras limonadas por aí :P  
Não informam a quantidade de açúcar por porção
É uma pena que a legislação brasileira não exija a especificação dos carboidratos simples (que são os açúcares) separado nas informações nutricionais como ocorre com a legislação americana. Assim, poderíamos saber exatamente quanto dos carboidratos seriam provenientes do açúcar. E é claro que este produto será mais calórico do que um suco de laranja sem açúcar, por exemplo… Então fique esperto!
É um néctar por definição
Sabe o que é néctar? Néctar é obtido da diluição em água adicionado de açúcares. Até aí tudo bem, pois não esperávamos tomar um suco verdadeiro de limão (sem diluição) nesse caso.
Fonte: Decreto n 6.871, de 4 de junho de 2009.

Ingredientes

Água, açúcar e suco de limão integral. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Informações Nutricionais

Porção: 200ml (1 copo)
%VD*
Valor energético84kcal = 353kj4%
Carboidratos21g7%
Proteínas0g0%
Gorduras Totais0g0%
  Gorduras Saturadas0g0%
  Gorduras Trans0g**
Fibras0g0%
Sódio8mg0%
Vitamina C5mg11%
* % valores diários de referência com base em uma dieta de 2.000kcal ou 8.400kj. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo da sua necessidade energética.
** valores diários não estabelecidos

Fonte: Fechando Ziper
Quer saber mais sobre sucos?
Acesse o link

Cup Noodles – Um simples pote de 64 g contendo 26 ingredientes e 10 aditivos


Publicado em  em Alimentação e Saúde por Paulo Guimarães

O produto se considera auto-explicativo: “Cup Noodles”.

E o é, para quem sabe inglês. Ao lado do nome, em letras cinco vezes menores, vem uma descrição: “Massa Alimentícia Mista Instantânea com Tempero. Sabor Galinha Caipira”. Na tampa um complemento: “Não precisa cozinhar, apenas adicionar água fervente”.




A embalagem contém 36 componentes (para não haver dúvidas: trinta e seis), dos quais 26 são ingredientes (vinte e seis) distribuídos em 64 gramas das quais 42 gramas, pelo menos (66%), são de farinha branca. Dos 26 ingredientes, 10 (dez) são tratados pelo processo de irradiação.

A referência do produto com relação ao sabor de galinha caipira não encontra respaldo na lista de ingredientes. Entretanto, a lista é pródiga em multiplicidades. Com relação à galinha, temos 5 ingredientes (nenhum deles parece ser caipira): carne de galinha em flocos, caldo de galinha, condimento preparado sabor galinha, condimento preparado à base de extrato de levedura sabor galinha e gordura de galinha. Não daria de conter apenas … galinha? Não faltam, como sempre, a tradicional gordura vegetal e um composto lácteo (botaram leite no meu macarrão).

Como a Nissin atendeu à resolução da ANVISA com relação a destacar os ingredientes tratados por processo de irradiação (e são 10), imagina-se que também atendeu a resolução 259 da ANVISA, que exige que os ingredientes sejam listados em ordem decrescente da quantidade contida no produto. Desta forma, podemos concluir que o teor de sal deste produto é muito grande, uma vez que o ingrediente sal vem antes de fécula de mandioca, cujo teor pode chegar a até 4,8%. Ou seja, é possível que quase 5% do produto seja composto de sal. Espero, pelo bem dos futuros hipertensos, já que a maioria dos consumidores deste produto parece ser jovem, que seja engano.


Ficha do Produto e Ingredientes

Nome Comercial: Cup Noodles.

Fabricante: Nissin – Ajinomoto Alimentos Ltda.

Aquisição: Aracaju – março de 2010.

Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 2.202 Km (fabricado em Ibiúna / SP).

O macarrão Cup Noodles contém 36 componentes no total 
(38 se contados o ferro e o ácido fólico adicionados à farinha branca)

26 ingredientes: farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico (mínimo 66%), gordura vegetal, sal, fécula de mandioca (máximo 4,8%), carne de galinha em flocos, farinha de arroz caldo de galinha (*), condimento preparado sabor galinha, maltodextrina, milho em flocos, tomate em flocos, condimento preparado sabor barbecue (*), cebolinha verde em flocos, cebola me pó (*), condimento preparado à base de extrato de levedura sabor galinha, composto lácteo, pimentão em flocos (*), condimento preparado sabor cebola (*), condimento preparado sabor alho (*), gordura de galinha, cúrcuma em pó (*), alho em pó, salsa em flocos (*), condimento preparado pimenta, coentro em pó (*), e aipo em pó (*).

(*) Ingredientes tratados por irradiação.

10 aditivos:

3 realçadores de sabor – glutamado monossódico, inosinato dissódico e gualinato dissódico.

1 espessante – goma guar.

2 reguladores de acidez – carbonato de potássio e carbonato de sódio.

1 antiumectante – dióxido de silício.

1 corante – beta-caroteno.

1 estabilizante – tripolifosfato de sódio.

1 acidulante – ácido cítrico.

Contém glúten? SIM.

Comentários adicionais:
A quantidade real de componentes deste produto tende a ser bem maior, uma vez que não é discriminado o que contêm os seis “condimentos preparados” da lista de ingredientes. Adicionalmente, a embalagem informa que este produto pode conter traços de ovo, soja, camarão e gergelim.

Miojo: o que diria o Chico Bento se soubesse …


Publicado em  em Alimentação e Saúde por Paulo Guimarães

… que o miojo Turma da Mônica tem ovo em pó?


Analisamos dois tipos de macarrão instantâneo, de um mesmo fabricante.

A embalagem de um deles nos ensina que “A grande revolução das massas surgiu no Japão em 1958, quando o Sr. Momofuku Ando inventou o macarrão instantâneo.”

É difícil entender que revolução é essa, uma vez que o produto necessita de 3 minutos de cozimento enquanto que uma massa italiana convencional necessita de 5 a 8 e ambas necessitam que a água esteja fervendo, o que pode levar em torno de 3 a 5 minutos, dependendo da potência do fogo ou do micro-ondas. Ou seja, a diferença no tempo de preparo entre o instantâneo e o convencional é mínima.

Talvez o fato de o molho já vir pronto mais o marketing estimulem as pessoas a adotar esta opção. Ou será o fato de o molho utilizar três realçadores de sabor (e lá vem o glutamato monossódico) para ter sabor?

Enquanto isso, o Chico Bento, sem entender este processamento industrial todo, cortou a ração de água da Giselda e também os alimentos suculentos para ver se a coitada colocava algum ovo em pó. Peço que ninguém o avise sobre a existência de beterraba em pó no miojo, ele seria capaz de pedir demissão ao Maurício de Souza.Ficha dos Produtos e Ingredientes

Nome Comercial: Miojo Turma de Mônica.





Fabricante: Nissin – Ajinomoto Alimentos Ltda.

Aquisição: Aracaju – março de 2010.

Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 2.202 Km (fabricado em Ibiúna / SP).

O Miojo Turma de Mônica contém 33 componentes no total

(35 se contados também os enriquecedores# das duas farinhas)

15 ingredientes:

5 na massa: farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico (mínimo 60%), gordura vegetal, fécula de mandioca (máximo 16,5%), sal, e ovo integral em pó.

10 no tempero em pó: sal, farinha de arroz, caldo de legumes, tomate em pó, cebola em pó (*), beterraba em pó, farinha de milho enriquecida com ferro e ácido fólico, alho em pó (*), condimento preparado pimenta (*), e gordura vegetal.

(*) Alimentos tratados por processo de irradiação.

18 aditivos: 2 reguladores de acidez: carbonato de potássio e carbonato de sódio (todos na massa); 4 vitaminas: PP (Niacina), B6 (Piridoxina), B2 (Riboflavina) e B1 (Tiamina) – todas na massa; 3 estabilizantes: tripolifosfato de sódio, pirofosfato tetrassódico e fosfato de sódio monobásico (todos na massa); 3 realçadores de sabor: glutamato monossódico, inosinato dissódico e guanilato dissódico (todos no tempero); 1 antiumectante: dióxido de silício (no tempero); 1 acidulante: ácido cítrico (no tempero); 4 corantes: beta-caroteno, páprica, caramelo e urucum (os 3 últimos no tempero).

Além da lista acima, o produto ainda pode conter traços de 7 outros componentes: aipo, soja, leite, camarão, peixe, mostarda e gergelim.

Nome Comercial: Miojo Cremoso – Sabor 4 queijos.

Fabricante: Nissin – Ajinomoto Alimentos Ltda.

Aquisição: Aracaju – março de 2010.

Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 2.202 Km (fabricado em Ibiúna / SP).

O Miojo Cremoso contém 32 componentes no total

(34 se contados também os enriquecedores# da farinha)

21 ingredientes:

4 na massa: farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico (mínimo 60%), gordura vegetal, fécula de mandioca (máximo 16,5%) e sal,.

17 no tempero: farinha de arroz, sal, açúcar, preparado condimentado sabor queijo suíço, condimento preparado queijo, composto lácteo, preparação alimentícia sabor queijo parmesão, condimento preparado sabor requeijão, amido modificado, queijo em pó sabor gorgonzola, preparado condimentado sabor queijo (*), condimento preparado sabor queijo disperso em sal (*), condimento à base de extrato de levedura e sal, alho em pó (*), nós-moscada em pó (*), condimento preparado pimenta (*), e gordura vegetal.

(*) Alimentos tratados por processo de irradiação.

11 aditivos: 2 reguladores de acidez: carbonato de potássio e carbonato de sódio (ambos na massa); 3 estabilizantes: tripolifosfato de sódio, pirofosfato tetrassódico e fosfato de sódio monobásico (todos na massa); 3 realçadores de sabor: glutamato monossódico, inosinato dissódico e guanilato dissódico (todos no tempero); 1 antiumectante: dióxido de silício (no tempero); 1 aromatizante: não discriminado (no tempero); 1 corantes: beta-caroteno (na massa).

Contém glúten? SIM.

Você pode continuar adepto ou adepta do miojo, mas não tem mais a desculpa de dizer que não sabia o que a sua conveniência estava colocando para dentro do seu corpo.

Comentários adicionais:

Além dos ingredientes já citados, o produto ainda pode conter traços de 7 outros componentes: aipo, ovo, soja, camarão, peixe, mostarda e gergelim.

# – “enriquecedores” é um termo absolutamente inadequado. O termo correto seria “desempobrecedores”, uma vez que o ferro e o ácido fólico que são acrescidos à farinha refinada representam a reposição de uma pequena parte de tudo aquilo que foi perdido pelo trigo ao ser transformado em uma farinha branca muito pobre em termos alimentares.

Um simples cabelinho de anjo resolveria o problema de tempo e teríamos um alimento bem mais saudável. 
Nadia Cozzi.

Empanados de frango MAX CROC SEARA

Publicado em 1 de novembro de 2010 em Alimentação e Saúde por Paulo Guimarães

Sem surpresas: contém gordura vegetal hidrogenada e glutamato monossódico.

Este é o quarto e último produto da série dos empanados, pelo menos por enquanto. Se tem cebola, alho, pimenta e orégano no produto, para que realçador de sabor?



Misturar marketing com engenharia de alimentos resulta em um empanado de frango com sabor de pizza. Tudo isso em douradas “pepitas” crocantes contendo 21 componentes. 

Isso é comida?
Ficha do Produto e Ingredientes

Nome Comercial: Seara Max Croc Sabor Pizza.

Fabricante: Seara Alimentos S. A.

Aquisição: Aracaju, outubro de 2010.

Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 3.004 km (fabricado em Dourados / MS).

O Seara Max Croc contém 21 componentes no total

16 ingredientes: carne mecanicamente recuperada de frango, água, farinha de milho, pele de frango, proteína vegetal de soja, gordura vegetal hidrogenada, fécula de mandioca, especiarias naturais (extrato de tomate, cebola, pimenta, alho, orégano, pimenta branca e tomate), sal e farinha de trigo.

5 aditivos: 1 estabilizante – tripolifosfato de sódio; 1 realçador de sabor – glutamato monossódico; 1 aromatizante – aroma natural de queijo; 1 antioxidante – eritorbato de sódio; e 1 espessante – carragena.

Contém Glúten? Sim.

Quanto de sódio? 350 mg em cada 50 gramas. Ou 910 mg em cada 130 gramas, para tornar comparável com os demais empanados postados.

Nota: Este é o último de uma série de quatro produtos similares que estamos postando. Lembramos que, quando detalhamos os produtos e seus ingredientes, não estamos tentando lhe ajudar a escolher o menos ruim. Queremos sim que você conheça cada um e exclua a todos. (Salvo possíveis exceções, que indicaremos claramente quando for o caso.)

Quem colocou sal no meu Toddynho?

Publicado em 30 de setembro de 2010 no site Alimentação e Saúde  por Paulo Guimarães

Um achocolatado embalado em caixinha tetrapak de 200 ml certamente tem como consumidor o público infanto-juvenil. O produto em análise, o Toddynho, inclusive registra na embalagem, na parte de informações nutricionais, uma referência à dieta de uma criança entre 4 e 6 anos, além de ter uma embalagem de apelo claramente infantil.



O que se espera de um produto destes é não muita coisa mais do que uma mistura de leite, açúcar e cacau, ou seja, 3 componentes, para alimentar nossas crianças e, eventualmente, adultos.

Mas na realidade, o que se adquire consiste em uma mistura de 15 componentes,incluindo a inesperada presença de sal. Alguns outros ingredientes também surpreendem como o leite, que é reconstituído e não in natura (reconstituído = leite em pó rehidratado, que contém gorduras oxidadas). E qual o objetivo de adicionar soro de leite (e em pó, coisa que eu desconhecia existir) e gordura vegetal hidrogenada se o leite, sendo integral, já tem soro e gordura?

Ficha do Produto e Ingredientes

Nome Comercial: Toddynho.

Fabricante: Pepsico do Brasil Ltda.

Aquisição: Aracaju – março de 2010.

Distância rodoviária da fabricação à aquisição: 280 Km (fabricado em União dos Palmares / AL). Este viajou pouco, é quase um produto local.

O Toddynho contém 15 componentes no total

(17 se contadas separadamente cada uma das vitaminas)

8 ingredientes: leite integral reconstituído, açúcar, soro de leite em pó, cacau, gordura vegetal hidrogenada, extrato de malte, vitaminas (C, A e ácido fólico), e sal.

7 aditivos:

2 espessantes – goma guar e carragena.

4 estabilizantes – mono e diglicerídios de ácidos graxos, citrato de sódio e lecitina de soja.

Aromatizante – cita que tem, mas não diz qual.

Contém glúten? SIM.

Na hora do próximo lanche do seu filho, lembre de tudo que está listado acima.

Quer saber mais sobre os achocolatados? Veja o vídeo


sexta-feira, 19 de abril de 2013

É óbvio que Margarina é mais saudável do que Manteiga! Ou não?

Gente achei um site maravilhoso que faz uma verdadeira dissecação nos rótulos dos alimentos, explicando direitinho o que tem dentro da embalagem. Agora só  seremos enganados se quisermos, até porque se não tiver o produto que vc quer pesquisar eles pesquisam para vc.

O nome do Site é Fechando o Zíper. Parabéns pessoal!




Vamos ver se esse filme já não passou pela sua casa também…

Consumia-se MANTEIGA, porque seus pais utilizavam quando pequenos assim como seus avós e todo o restante dos seus antecedentes… Todos apreciavam o gosto daquela manteiga derretida no pão quentinho pela manhã.

Um belo dia, descobriu-se que a gordura SATURADA presente na manteiga fazia mal ao coração, então a indústria alimentícia inventou a MARGARINA! Aí os pais sabidos bem que diziam desconfiar da tal manteiga dos dias atuais, que devia fazer mal mesmo, até porque “nem rançosa ficava”! E passaram a adotar a margarina, afinal era super cremosa e até mais fácil de passar no pão de todos os dias.

Até que chegou o FDA (órgão norte-americano que controla alimentos e medicamentos) determinando que a quantidade de gordura TRANS contida nos alimentos, inclusive na nossa margarina, fosse expressa na embalagem por TAMBÉM aumentar o risco de doenças no coração.

E agora?!


Agora a indústria descobriu a gordura INTERESTERIFICADA que nada mais é que misturar gordura saturada com óleos vegetais para dar ao óleo uma consistência mais sólida a temperatura ambiente e que se derreta ao cozinhar.

Estudos são inconclusivos sobre os possíveis riscos/benefícios do consumo da gordura interesterificada. Alguns afirmam que pode reduzir a secreção de insulina, hormônio responsável pelo controle do “açúcar no sangue” (glicose sanguínea).

Até o momento, nada de alarde quanto a essa gordura ou obrigatoriedade de aparecer no rótulo, mas essa historinha tem se repetido, não é mesmo?

Então, fiquem ligados! Na lista de ingredientes a gordura interesterificada pode se fantasiar de “óleo de soja interesterificado” e “rico em estearato“. E a gordura trans também pode aparecer disfaçada de “óleo vegetal hidrogenado” ou “óleo vegetal parcialmente hidrogenada“.

Nossa, falamos falamos, mas não mostramos nada em relação aos produtos! A gordura interesterificada vem sendo substituída nos produtos que já levavam trans, então pode ser encontrada em bolos e biscoitos também!

Já que pegamos como exemplo a margarina e a manteiga, vamos às comparações das informações nutricionais:




  • Valor energético: da para considerar que as duas tem as mesmas calorias. Em uma colher de sopa, essa quantidade de calorias é bem alta.
  • Gorduras: percebam que a gordura total é praticamente a mesma nos dois produtos, o que diferencia é a qualidade da gordura. Como sabemos, quanto mais gorduras insaturadas (que são as mono e poliinsaturadas) e menos gordura saturada em um produto, melhor. Mas, lembre-se que a margarina apresenta a tal gordura interesterificada enquanto a manteiga não.
  • Colesterol: as empresas não são obrigadas a citar o colesterol a não ser que elas especifiquem 1 tipo de gordura além da saturada, a qual é obrigatória. A Qualy® quis ressaltar as gorduras boas da margarina, por isso informou no rótulo todos os tipos de gordura. Infelizmente a Aviação® não apresentou a quantidade de colesterol que a manteiga possui. Como ela é de origem animal, ela possui colesterol!
  • Sódio: pegamos os dois produtos na versão com sal para mostrar que em 1 colher de sopa do produto, ingerimos de 3 a 4% da quantidade máxima de sal diária. Por isso, sempre opte pela versão SEM SAL.
  • Vitamina A: informar a quantidade de vitamina é opcional no rótulo. É uma pena que a Aviação® não tenha citado a quantidade de vitamina A, pois a manteiga possui essa vitamina e o que normalmente ocorre é de adicionarem a vitamina A às margarinas para se equipararem à manteiga.

Vamos dar uma espiadinha nos ingredientes também:

Margarina: óleos vegetais líquidos interesterificados, água, leite em pó desnatado reconstituído, soro de leite em pó desnatado reconstituído, sal, vitamina A adicionada, estabilizantes, conservadores, antioxidantes, aroma idêntico ao natural de manteiga, corantes. Se leram até aqui, parabéns! Isso porque poupei vocês dos nomes de todos os “…antes” da lista de ingredientes

Manteiga: creme de leite, cloreto de sódio e corante natural de urucum INS 160b.

Que escolha difícil do que consumir, né! Com qual vocês ficam?


Agora você vai dizer "Ah, eu uso Becel é mais saudável, será mesmo?
Vamos ver o que a turma do Fechando Zíper fala? Acesse aqui.

Batata frita com Benzoato.


Mesmo com pareceres contrários, o Ministério da Agricultura liberou agrotóxicos sem registro para combater pragas em lavouras da Bahia. 


Foram liberados o benzoato, produtos biológicos como vírus VPZ HzSNPV e Bacillus Thuringiensis, e produtos químicos como Clorantraniliprole, Clorfenapyr e Indoxacarbe. Detalhe que a praga que atinge o Oeste baiano concentra-se em plantações de algodão, soja e milho. 

Segundo diretor da Associação Baiana dos Produtores de Algodão, as lagartas já dizimaram 2% da área cultiva e os prejuízos são estimados em um bilhão de reais. A solução pensada foi óbvia: liberar produtos mais eficientes. 

Ninguém, por certo, pensa em rever sua forma de produção. Até porque é impossível: o financiamento do banco exige a notinha do uso de defensivo ou veneno, a semente comprada exige o uso do veneno e o agricultor não sabe mais cuidar da terra sem química.

O que é assustador é que as promessas do passado não se cumprem mais. As pragas atacam produções que seguem as regras do jogo: uso de defensivos e agrotóxicos, sementes transgênicas e grandes extensões de terra com a mesma cultura. 

A pergunta é: por que não dá certo? Não dá certo porque toda ação tem reações. E a reação, via de regra, gera um problema maior. 
  • Na safra passada, foram usados 70 ml do inseticida DuPont para controlar 90% da praga. 
  • Nesta safra, com 150 ml não se controlaram 70%. 
Segundo especialistas, o aumento de lagartas do gênero helicoverpa se dá pela expansão das lavouras de milho transgênicas, que são resistentes à lagarta spodoptera. Essas intervenções, sabidamente agressivas, exaurem a terra e provocam um desequilíbrio ecológico sem precedentes, cujas consequências não temos a menor ideia (ou temos, mas deliberadamente ignoramos).

Questionar o uso de agrotóxicos e defensivos é quase que violar uma lei natural. Desde a revolução verde que o melhoramento genético, mecanização, insumos, defensivos e agrotóxicos são a razão da erradicação da fome no mundo. Só que a fome no mundo não foi erradicada. 

Além disso, temos agricultores com doenças impensáveis décadas atrás, de problemas respiratórios a doenças de pele, câncer e má-formação fetal. Não fiz o cálculo, mas se o prejuízo da lavoura é de quase um bilhão, de quanto será o prejuízo para os cofres públicos em gastos na saúde? 

A atual produção de alimentos provoca uma série de doenças evitáveis, além de criar um ciclo de problemas cuja solução ou é começar do zero com um novo paradigma ou entupir o prato do consumido de veneno.

Apenas uma coisa é certa: o seu óleo de cozinha não terá lagarta, mas vai vir cheio de benzoato.

Fonte: Band Santa Catarina

Eu acrescentaria o mesmo para seus salgadinhos, seus chocolates, etc etc. Cada vez mais é importante ler os ingredientes dos rótulos! 
Nadia Cozzi

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Frutas e Hortaliças de Outono em todo o Brasil

Nesta época de tanta contaminação por agrotóxicos procurar frutas e hortaliças orgânicas é sempre a melhor solução. Mas se não puder ou não encontrar prefira as da época pois com certeza serão menos contaminadas pois estão na época certa escolhida pela Natureza.









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas