Batata frita com Benzoato.


Mesmo com pareceres contrários, o Ministério da Agricultura liberou agrotóxicos sem registro para combater pragas em lavouras da Bahia. 


Foram liberados o benzoato, produtos biológicos como vírus VPZ HzSNPV e Bacillus Thuringiensis, e produtos químicos como Clorantraniliprole, Clorfenapyr e Indoxacarbe. Detalhe que a praga que atinge o Oeste baiano concentra-se em plantações de algodão, soja e milho. 

Segundo diretor da Associação Baiana dos Produtores de Algodão, as lagartas já dizimaram 2% da área cultiva e os prejuízos são estimados em um bilhão de reais. A solução pensada foi óbvia: liberar produtos mais eficientes. 

Ninguém, por certo, pensa em rever sua forma de produção. Até porque é impossível: o financiamento do banco exige a notinha do uso de defensivo ou veneno, a semente comprada exige o uso do veneno e o agricultor não sabe mais cuidar da terra sem química.

O que é assustador é que as promessas do passado não se cumprem mais. As pragas atacam produções que seguem as regras do jogo: uso de defensivos e agrotóxicos, sementes transgênicas e grandes extensões de terra com a mesma cultura. 

A pergunta é: por que não dá certo? Não dá certo porque toda ação tem reações. E a reação, via de regra, gera um problema maior. 
  • Na safra passada, foram usados 70 ml do inseticida DuPont para controlar 90% da praga. 
  • Nesta safra, com 150 ml não se controlaram 70%. 
Segundo especialistas, o aumento de lagartas do gênero helicoverpa se dá pela expansão das lavouras de milho transgênicas, que são resistentes à lagarta spodoptera. Essas intervenções, sabidamente agressivas, exaurem a terra e provocam um desequilíbrio ecológico sem precedentes, cujas consequências não temos a menor ideia (ou temos, mas deliberadamente ignoramos).

Questionar o uso de agrotóxicos e defensivos é quase que violar uma lei natural. Desde a revolução verde que o melhoramento genético, mecanização, insumos, defensivos e agrotóxicos são a razão da erradicação da fome no mundo. Só que a fome no mundo não foi erradicada. 

Além disso, temos agricultores com doenças impensáveis décadas atrás, de problemas respiratórios a doenças de pele, câncer e má-formação fetal. Não fiz o cálculo, mas se o prejuízo da lavoura é de quase um bilhão, de quanto será o prejuízo para os cofres públicos em gastos na saúde? 

A atual produção de alimentos provoca uma série de doenças evitáveis, além de criar um ciclo de problemas cuja solução ou é começar do zero com um novo paradigma ou entupir o prato do consumido de veneno.

Apenas uma coisa é certa: o seu óleo de cozinha não terá lagarta, mas vai vir cheio de benzoato.

Fonte: Band Santa Catarina

Eu acrescentaria o mesmo para seus salgadinhos, seus chocolates, etc etc. Cada vez mais é importante ler os ingredientes dos rótulos! 
Nadia Cozzi

Comentários

Postagens mais visitadas