sexta-feira, 31 de maio de 2013

Tanto faz a marca se todos são iogurtes desnatados?


Fonte: Fechando o zíper

Já aprendemos que iogurte é melhor do que bebida láctea, que o integral tem mais gordura do que o desnatado, mas… Se formos comprar um desnatado, tanto faz a marca, certo?!
ERRADO!

CAFÉ ORGÂNICO DA BAHIA É SERVIDO NO VATICANO

12
Abr

Fonte > Bahia Mercantil

O Café Orgânico Natura Gourmet, produzido na Bahia, conquistou o paladar do Papa Bento XVI e desde o ano passado vem sendo servido no Vaticano. Exportado há mais de 10 anos para os EUA, Inglaterra, Alemanha e Itália, o produto terá franquias em todo o Brasil.

“Queremos expandir o conceito de oferecer serviço e café de excelência com baixo investimento”, revela o empresário e produtor orgânico Luca Giovanni allegro.

Segundo ele, seu café vem sendo exportado crú (não torrado) para torrefadores em diversos mercados, que costumam importar cafés de diversas origens e fazendas especificas. “Esses cafés são vendidos para clientes exigentes e que degustam cafés de origem. O nosso café, torrado na Inglaterra pela Hasbeancoffee, foi selecionado para o restaurante do famoso chefe Jamie Oliver. Também estamos no site de um dos mais famosos players no mercado de cafés especiais na Califórnia, Estados Unidos, chamado Sweetmarias.com”, informa.

Unidades Móveis

Outro projeto para 2012 é criar unidades móveis de serviço de café expresso em vários locais de Salvador.

“A primeira unidade começará a funcionar no Aeroporto Internacional Luiz Eduardo Magalhães em maio deste ano e outras 10 unidades serão instaladas em outros locais da cidade, até o final do ano”, anuncia o empresário.

Pelo currículo do produtor fica fácil entender por que o Natura Gourmet vem conquistando o mundo. Luca Allegro é juiz sensorial dos campeonatos de Baristas (profissionais especialistas em cafés de alta qualidade), com certificado pela Associação Brasileira de Café e Baristas. Além disso, é provador, com certificado do Centro de Preparação de Cafés de Sindicafé de São Paulo. Se não bastasse tudo isso, é ainda exportador de cafés especiais e produtor registrado na Associação de Cafés Especiais dos Estados Unidos.

Luca Allegro conta que começou a produzir o café orgânico Natura Gourmet pelo desejo de oferecer ao mercado baiano o mesmo café consumido nos mercados de cafés especiais da Europa e Estados Unidos. “Dos lotes de café que são exportados, passamos desde2010 areservar uma parte para distribuir aqui na Bahia. Torramos em equipamento de torra para cafés gourmet na própria fazenda”, explica.

“O café que torramos é proveniente apenas de duas fazendas vizinhas, Fazenda Aranquan e Fazenda Floresta, localizadas a1100 metrosde altitude, nas montanhas de Ibicoara, chapada diamantina. O lugar reúne elementos ideais para o cultivo de café de qualidade: micro clima, solo, altitude, etc”.



Segundo o produtor, todo o café produzido é biodinâmico – uma modalidade de agricultura orgânica onde, alem das práticas já conhecidas de ausência de insumos químicos como adubos sintéticos ou pesticidas, são utilizados elementos que estimulam parte energética da planta como na homeopatia.

“Nessa modalidade a propriedade é vista como um organismo agrícola, em que cada elemento é como um órgão vital e tem de estar saudável e em harmonia com os outros, ou seja:toda a fauna , toda a flora, o seres humanos em sintonia, e levando em conta aspectos do cosmos, como fases lunares e estações na condução da lavoura. O café é cultivado sombreado, em sistema agro-florestal”, relata.

Além da qualidade ambiental e busca da sustentabilidade, outro pilar da produção é a qualidade sensorial. “Apostamos no mercado e tudo está dando certo. Com o conhecimento que tínhamos do mercado que existe hoje na Europa e Estados Unidos para o café gourmet, vimos que a bebida há muito já segue a tendência do vinho, por exemplo. Ou seja, ser valorizada pelo esmero na produção, e ter características de sabor, doçura acidez, retro-gosto. Nosso produto é valorizado em função da variedade da planta, do tipo de preparo pos-colheita e de origens”.

Ainda segundo o produtor, esse diferencial sensorial, bem como o aspecto ambiental, começa a ser cada vez mais valorizado no mercado baiano. “As pessoas querem produtos gourmet, de qualidade, que de preferência tragam uma garantia de que não vão fazer mal à saúde de ninguém nem do planeta”.

Para o produtor, é preciso que todos os empresários aprendam a reconhecer a importância de suas empresas terem suas imagens associadas a produtos e projetos de qualidade e sustentáveis.

“Existia a crença de que não havia um mercado para degustar o café, ou pelo menos um publico suficientemente numeroso para sentir a diferença de nuances de sabor, estando dispostos a pagar um pouco mais por isso. Na nossa experiência, vemos que na verdade o publico baiano está cada vez mais sofisticado e exigente em termos de qualidade de café”.

Luca anuncia ainda que, em maio deste ano, será criado um espaço para treinamento e degustação de cafés especiais na sede de sua empresa na Avenida Princesa Isabel, na Barra Avenida. Atualmente, o café orgânico Gourmet pode ser encontrado na rede Perini, nas gôndolas e nas lanchonetes, na Casa de Noca, na Ceasinha, nas cafeterias Espresso Expressão, no shopping Itaigara, e cafeteria Maricota, no Shopping Salvador, bem como no restaurante Diliana, em Ondina.

O café já vem sendo vendido em Curitiba, São Paulo, Florianópolis, Rio de Janeiro e Manaus, com distribuição a partir da Bahia.

“Temos planos de expansão com estoque próprio, distribuição e serviços para a região sudeste – inicialmente Grande São Paulo”, informa o empresário, acrescentando que sua empresa vai participar da Bio Brazil Fair, a maior feira de produtos orgânicos do Brasil, que acontecerá de24 a29 de maio de 2012 , na bienal do parque Ibirapuera em São Paulo. Alem de expor o produto durante quatro dias na feira, serão realizadas entrevistas com profissionais especializados e empresas de distribuição interessadas no café orgânico.

Entre os desafios a serem enfrentados, Luca destaca que está empenhado em organizar a expansão de seu produto nesses novos mercados, apostando na qualidade.

“Temos acordo para começar a exportar o café já torrado aqui na Bahia, para a Italia, projeto que deve iniciar-se na segunda metade de2012”.

A área plantada na Chapada Diamantina será aumentada em cerca de 100% nos próximos três anos para acompanhar a demanda. “Vamos duplicar a produção. Crescer com qualidade ambiental demanda mais investimento e mais tempo, pois temos que respeitar os processos naturais e manter a qualidade do sistema agrícola”. A empresa Café Natura Gourmet temcerca de 15 funcionarios empregados na operação do café torrado, mas com a nova atividade terá cerca de 50 funcionários adicionais. “Faremos um investimento de cerca R$350.000 em2013

Fechando o Zíper analisa as gelatinas infantis, começando pela " Minha Gelatina Dr. Oetker Uva "

Minha Gelatina Dr. Oetker Uva

minha_gelatina_dr_oetker_uva


2
Publicado May 13, 2013 por 

A embalagem desse produto foi enviada pela leitora Flávia. Muito obrigada pela contribuição! ;) Vamos ver o que encontramos nessa gelatina?
Apresenta a polpa da fruta!
Sim, essa gelatina apresenta a polpa de beterraba e de uva. Ao contrário da Gelatina Royal, nessa o sabor e a cor não são ilusão ;)
O açúcar é o ingrediente em maior quantidade
Apesar de ser açúcar orgânico, não gostamos de ver um produto que o apresente em maior quantidade do que os outros ingredientes. As gelatinas são comumente ofertadas para crianças, o que constitui um problema. Além das cáries que podem surgir, o açúcar em excesso pode trazer outros problemas de saúde no futuro (contribuindo no aparecimento do diabetes e da obesidade, por exemplo). Antes dos dois anos de vida não é recomendado o oferecimento de açúcar, pois a criança está formando seus hábitos alimentares, que perpetuarão para a vida toda. Sabe-se que os alimentos oferecidos nos primeiros ano de vida com frequência passam a fazer parte do hábito alimentar.*
Fonte: *Guia alimentar para crianças menores de 2 anos, 2010.
Ui, odiamos aditivos!
Nos ingredientes nos deparamos com 2 reguladores de acidez, 2 corantes e 1 aromatizante o qual não foi identificado. Ou seja, ela é bem artificial. Para nós, quanto menos aditivos, melhor! Ainda assim, possui menos aditivos do que a Gelatina Royal (a qual apresenta adoçantes e corante artificial).
Alegação “Fonte de vitaminas e de minerais”
Essa informação está correta. Para ser considerado um alimento FONTE, ele deve conter, pelo menos, 15 % do valor de recomendação diária em 100 g de alimento sólido. Na embalagem podemos observar que todas as vitaminas e mineirais apresentam 18 % da recomendação. Mas, lembre-se de que ela é RICA em açúcar, portanto, não precisamos dela para complementar nossas vitaminas e minerais do organismo. Além disso, essas vitaminas e minerais foram adicionados industrialmente ao produto.
Corante natural, você sabe o que é isso?
É aquele obtido a partir de origem vegetal, ou eventualmente, de animal, cujo princípio corante tenha sido isolado com o emprego de processo tecnológico adequado.*
Fonte: *Resolução – CNNPA nº 44, de 1977
Ingrediente orgânico, você sabe o que é isso?
É aquele alimento produzido em um sistema orgânico de produção agropecuária. Sistema em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais. Os objetivos são a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não-renovável, empregando, sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente.*
Essa gelatina possui açúcar produzido nessas condições.
Fonte: *Lei n˚ 10.831, de 23 de dezembro de 2003.

Quer saber mais?

Orgânicos em São José dos Campos

Postado em : 31/05/2013 14h14 - Assessoria | Foto : Lucas Lacaz / AgoraVale



Vita Sol Produtos Orgânicos comemora 100% de certificação pela ECOCERT

Auditorias dos produtos avaliados foram aprovados em quatro diferentes quesitos; Loja de produtos naturais sustenta o foco em promover bem estar e sustentabilidade
 
Vita Sol
A loja Vita Sol, especializada em produtos orgânicos, celebra mais uma conquista - a certificação da ECOCERT Brasil, órgão referência no setor, que já certificou mais de 5.000 empresas e 80.000 produtores em várias partes do mundo.
 
O estabelecimento foi vistoriado nos quesitos fornecedor, fabricação, embalagem e descarte dos alimentos. Entre os produtos destaques da vistoria estão o pão integral com grãos e tradicional, sopas, torta de maçã e quiches de palmito, alho poró e brócolis – todos produzidos pela Vita Sol.
 
Além da auditoria, a chefe de cozinha da loja Dilu Dall'Agnol tem outro motivo para comemorar, pois o selo do órgão tem alcance internacional de acordo com o ISO 65, o que possibilita aos certificados acesso aos principais mercados da área no mundo.
 
        “A importância da certificação é para a loja, mas principalmente para os consumidores, que precisam e querem saber da qualidade do produto. Por isso, acredito que essa certificação é questão de credibilidade para provar que realmente os produtos são orgânicos e bem feitos”, comenta a chefe da Loja, Dilu.
 
Para garantir a qualidade dos produtos, a Vita Sol passa pela auditoria de certificação anualmente e faz parte da Associação dos Produtores Orgânicos do Vale do Paraíba (APROVAP) – reconhecido em todo o Brasil.
 
 
A Vita Sol
 
Inaugurada em 08 de novembro de 2011, a Vita Sol Produtos Orgânicos leva aos clientes, uma proposta de saúde para toda a família a partir da comercialização de alimentos orgânicos. O conceito diferenciado da loja é a consciência ambiental, o respeito e a sustentabilidade de um sistema inteiro equilibrado na produção e fabricação dos alimentos. A Vita Sol está localizada na Rua Paulo Setúbal, 48 – Jardim São Dimas, São José dos Campos, SP.

Transgênicos se expandem na América Latina, resistência também!












Car@s Amig@s,
Cerca de 50 milhões de hectares são cultivados com sementes transgênicas na América Latina. Só Brasil e Argentina juntos jogam em suas lavouras modificadas mais de 500 mil toneladas por ano de agrotóxicos à base de glifosato. O produto é classificado como sendo de baixa toxicidade, mas estudos recentes vêm demonstrando seus efeitos teratogênicos e sua responsabilidade pela má-formação fetal, mesmo em concentrações quinhentas vezes menores do que as recomendadas pelos fabricantes.
Em Córdoba, na Argentina, um levantamento feito no Bairro Ituzaingó Anexo revelou que a incidência de câncer aumentava com a proximidade dos campos de soja. Até 2010 foram aí registrados 169 casos da doença, dos quais mais de 30 vieram a óbito. São populações ilhadas pela soja e expostas a banhos de agrotóxicos jogados por aviões, como os alunos e professores da Escola São José do Pontal, em Rio Verde, Goiás (veja abaixo).
O tripé “semente transgênica – herbicidas – plantio direto” tem possibilitado uma expansão ainda maior das monoculturas extensivas, acelerando o desmatamento e em muitos casos levando a fortes conflitos por terra, como no caso do Paraguai. Mais de 90 mil pessoas deixaram a zona rural do país nos últimos anos.
O avanço desse modelo tem elevado o preço das terras em função da crescente procura por parte de estrangeiros e empresas multinacionais. No Uruguai, em dez anos multiplicou-se por seis o valor da terra, seja para arrendamento ou para venda. Nesses mesmos dez anos o país perdeu 40% de suas pequenas propriedades de até 19 hectares e 19% daquelas com até 99 ha. Quase metade da soja produzida é controlada por seis empresas. Capitais brasileiros controlam 87% do arroz produzido no país.
Na região andina a soja não tem a mesma presença. O Peru decretou moratória aos transgênicos no país, e o Equador tem a proibição em sua constituição, embora ronde uma ameaça à sua manutenção em função do novo processo constituinte pelo qual passará o país e dos interesses de reeleição de Rafael Correa. E resta a ameaça do milho transgênico em países com rica biodiversidade e cultura alimentar relacionada ao grão, como México, Guatemala, Colômbia, Bolívia e outros. A contaminação dos recursos genéticos nesses centros de origem e de diversidade genética da espécie tem efeitos desconhecidos e imprevisíveis, e por isso já foi chamada de crime de lesa-humanidade.
Mas em todos países da região onde chegam as seis grandes empresas do setor com seus pesquisadores ponta de lança, a sociedade se organiza para fazer frente a esse modelo. Além de expor todos os prejuízos e impactos proporcionados por essa neocolonização da região, uma infinidade de iniciativas agroecológicas de produção, consumo e de uma outra perspectiva de relação com a natureza são apresentadas como alternativa. São, por exemplo, os territórios indígenas colombianos autodeclarados áreas de conservação da agrobiodiversidade e livres de transgênicos e o caso da Costa Rica, onde a partir de marchas, caminhadas, debates, feiras e todo um processo de mobilização, 56 de suas 81 administrações regionais se decretaram regiões livres de transgênicos. Faltam apenas 25!
Esse quadro foi debatido na última semana em Bogotá, Colômbia, com a representação de organizações, movimentos sociais, pesquisadores, agricultores e indígenas de doze países da região reunidos por iniciativa da Red América Latina Libre de Transgénicos – RALLT e do Grupo Semillas. As organizações saíram fortalecidas do debate e com uma agenda coletiva para reforçar as ações de resistência e de construção de alternativas.
Como bem colocou um companheiro mexicano ao falar da riqueza de sementes nativas existentes em seu país, “no limite, podemos dizer que cada agricultor tem a sua variedade de semente. E se são milhões de agricultores, são milhões de variedades”.
O México, berço do milho, não pode ser dependente de importações do grão norte-americano. Resgatar essas sementes é resgatar a soberania das nações.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Óleo de semente de colza, ou popularmente CANOLA


Estudos apontam para a toxidade dos componentes intrínsecos da Colza ( ácido erúcico e de glucosinolatos) que é a semente que se produz o famoso óleo CANOLA, e também do hexano (tipo de gasolina) que é utilizado como solvente no processo de extração industrial deste óleo. Mas vamos por partes...

O que é Colza?

A colza ou couve-nabiça (Brassica napus) é uma planta de cujas sementes se extrai o azeite de colza e que contém ácido erúcico e glucosinolatos que são medianamente tóxicos em doses medianas e depositivos e altamente prejudicais a longo prazo no fígado, rins e sangue.

Houve no passado (inicio dos anos 80) dúvidas sobre a verdadeira origem das intoxicações ocorridas na Europa, atribuídas em alguns círculos científicos aos herbicidas.

Na atualidade, estas dúvidas parecem haver desaparecido, e mediante as novas técnicas de análise genética tem sido possível demonstrar que existe uma predisposição genética à intoxicação com azeite de colza desnaturado.

Tudo começou quando um conjunto de variedades com níveis menores de ácido erúcico e de glucosinolatos foram produzidas no Canadá com o nome Canola, que é uma contração de uma expressão em inglês que quer dizer "azeite canadense de baixo teor ácido", mas logo este nome foi aplicado indistintamente a variedades cultivadas de colza, sem se importar com seus níveis de ácido eúrico, que é tóxico.

Estudos também mostram sua íntima relação com a destruição neuro química cerebral. O agente gás mostarda, por exemplo, é uma derivação desta semente e além dos efeitos á curto prazo quando inalado causa câncer, sobretudo leucemia, nas vítimas que sobrevivem à exposição ao gás.

A ação cancerígena está ligada à reação entre o íon sulfônio e as bases nitrogenadas do DNA, causando mutações que levam ao câncer.

Já a toxicidade dos glucosinolatos se atribui geralmente aos isotiocianatos que trazem potenciais efeitos genotóxicos em linhas celulares humanas de osteosarcoma.

Em segundo lugar temos o Hexano que carrega metais pesados entre outros componentes tóxicos, e mesmo com filtragem as partículas de matais não são retiradas do óleo, o problema é que as dosagens embora "ínfimas" são igualmente depositivas e a longo prazo a junção de todos estes elementos são altamente perigosas, no mínimo carcinogênicas...

Que tal usarmos o velho e tradicional azeite de oliva e melhor ainda o azeite de oliva enriquecido com folhas de oliveira?

Este azeite em especial é riquíssimo em oleuropeina, um poderoso antioxidante e o que garante a longevidade e saúde das pessoas no mediterrâneo!

www.folhasdeoliva.com.br

Cosminho Pacetta

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Revolução na Alimentação - Receitinhas do RJ



Agradecimento da minha querida Thaís Ventura sobre o Evento realizado no Rio de Janeiro:

Quero agradecer a todos que nos prestigiaram, e mesmo com a chuvona que estava aqui no Rio compareceram. 

Quero agradecer pela linda palestra da Nutricionista Naila Soares, a Psicologa Fernanda Alcantara de Oliveira, a pediatra Luciene Nacif e a professora Suzy Santos. e também a blogueira Mila Cozzi Fit pela oficina de substituição... 

Obrigada a todas pela participação e apoio...

E dizer que no final do post disponibilizei o link para baixarem o livrinho de receitas e dicas que demos aos participantes...
Só acessar >>> http://www.asdeliciasdodudu.com.br/2013/05/o-food-revolution-no-rio.html

terça-feira, 14 de maio de 2013

Pão na Masseria: venha degustar e aprender






O Movimento Revolução na Alimentação espera você na Feira Orgânica do Ibirapuera no sábado dia 18/05 das 10,30 às 11,30hs.





De quebra você pode fazer compras de produtos bem fresquinhos e saudáveis.

Veja os outros eventos que criamos especialmente para vocês, Clique aqui.



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Food Revolution Day em São Paulo já começou. Vejam a aula de pães da Masseria.



E o dia da Revolução na Alimentação virou na verdade uma grande festa com gente participando, preparando e agradecendo literalmente pelo pão de todo dia!

A Masseria Artesãos do Pão já começou a comemorar com suas aulas especiais de pão caseiro e quem participou está encantado!







Organização:
.

.



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Ministério Público faz operação contra adulteração de leite no RS


G1 - 08/05/2013 07h23 - Atualizado em 08/05/2013 10h27

Mandados são cumpridos nesta quarta (8) em três regiões do estado.
Investigação começou após denúncia ao Ministério da Agricultura.

Ministério Público faz operação na manhã desta quarta-feira no RS (Foto: Giovani Grizotti/RBS TV)


O Ministério Público do Rio Grande do Sul faz na manhã desta quarta-feira (8) uma operação contra a adulteração de leite no estado. De acordo com a investigação, para aumentar o lucro, os fraudadores misturavam água e até ureia ao leite. Cinco empresas de transporte de leite adulteraram o produto cru entregue para a indústria. São cumpridos nove mandados de prisão nesta manhã. Foram pedidos 10 mandados, mas um foi negado pela Justiça. A força-tarefa também reúne a Receita Estadual, além de policiais civis e militares.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Soja Livre é tema de seminário realizado na tarde desta segunda em Cuiabá

Expresso MT - Em 06/05/13 às 15H06


Cuiabá sedia na tarde desta segunda-feira (06) o seminário Certificação de Sementes Livres de Transgênicos
Fonte: AgroOlhar

Crédito: Divulgação

Realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados (Abrange) o evento ocorre no Hotel Gran Odara, das 14h às 17h.

A certificação das sementes de soja convencional ou livre de transgênicos foi anunciada durante o Programa Soja Livre, realizado no início deste ano. Com a certificação o produtor de sementres terá mais segurança jurídica e poderá ofertar aos agricultores sementes de soja de alta qualidade e com 99,9% livre de contaminação por outras culturas modificadas geneticamente.

Durante o seminário serão tratados temas como custos, vantagens e uso do Selo Abrange; nova fase do programa Soja Livre – Certificação; Garantia de pureza de sementes livres de transgênicos Selo Abrange; Segurança e qualidade ao produtor e ao mercado e como funciona a certificação.

Dados

Em Mato Grosso e Rondônia, dois maiores produtores de soja livre ou não transgênico, 25% da área plantada é destinada a este tipo de alimento. Os dois entes da federação necessitam de mais de dois milhões de sacas de sementes de soja livre para atender a demanda dos produtores rurais.

Com o aumento da procura por este tipo de alimento (geneticamente não modificado) no mercado internacional, governo e tradings da China manifestaram interesse em adquirir do Brasil mais de 12 milhões de toneladas de soja livre.

Participantes

Segundo a assessoria da Abrange, estarão presentes no evento o presidente da associação, Cesar Borges, que também é presidente da Caramuru Alimentos; o diretor-técnico da Abrange e coordenador do Programa Soja Livre, Ivan Paghi; o presidente da CERT-ID, certificadora da semente de soja livre, Augusto Freire; os diretores da Imcopa (maior processadora de soja não transgênica do Brasil), José Del; e da Amaggi, Marcelo Massardo e Sergio Pizzato.

Proprietários de empresas produtoras de sementes de soja de Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Bahia e Distrito Federal; além de representantes das Fundações de Pesquisa e Apoio à Embrapa (CTPA, Fundação Triângulo e Cerrados) e diretores da Associação de Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat) também confirmaram presença.

Serviço

Seminário Certificação de Sementes Livres de Transgênicos
Segunda-feira - 06/05 - das 14h às 17h
Hotel Gran Odara, Avenida Miguel Sutil, Cuiabá
Mais informações: Valeria Carvalho - 65-9954-9280

A Masseria está conosco no Food Revolution Day, vejam que delícia de aula de pão. Quer participar conosco?

sábado, 4 de maio de 2013

SOJA – A História Não É Bem Assim

Corre Cotia -19/04/2004
 Dr Alexandre Feldman


Hoje em dia existe uma verdadeira febre de consumo de soja. Propagada como um alimento rico em proteínas, baixo em calorias, carboidratos e gorduras, sem colesterol, rico em vitaminas, de fácil digestão, um ingrediente saboroso e versátil na culinária, a soja, na verdade é mais um "conto do vigário" do qual a maioria é vítima.

É bem verdade que a soja vem da Ásia, mais especificamente da China. Porém, os chineses só consumiam produtos FERMENTADOS de soja, como o shoyu e o missô. Por volta do século 2 A.C., os chineses descobriram um modo de cozinhar os grãos de soja, transfomá-los em um purê e precipitá-lo através de sais de magnésio e cálcio, formando o assim chamado "queijo de soja" ou tofu. O uso destes alimentos derivados de soja se espalhou pelo oriente, especialmente no Japão. O uso de "queijo de soja" como fonte de proteína data do século 8 da era cristã (Katz, Solomon H "Food and Biocultural Evolution A Model for the Investigation of Modern Nutritional Problems", Nutritional Anthropology, Alan R. Liss Inc., 1987 pág. 50).

Não é à toa que os antigos chineses não se alimentavam do grão de soja. Hoje a ciência sabe que ela contém uma série de substâncias que podem ser prejudiciais à saúde, e que recebem o nome deantinutrientes.Um destes antinutrientes é um inibidor da enzimatripsina, produzida pelo pâncreas e necessária à boa digestão de proteínas. Os inibidores da tripsina não são neutralizados pelo cozimento. Com a redução da digestão das proteínas, o caminho fica aberto para uma série de deficiências na captação de aminoácidos pelo organismo. Animais de laboratório desenvolvem aumento no tamanho do pâncreas e até câncer nessa glândula, quando em dietas ricas submetidos a inibidores da enzima tripsina.

Uma pessoa que não absorve corretamente os aminoácidos, tem o seu crescimento e desenvolvimento prejudicado. Você já notou que os japoneses são, normalmente, mais baixinhos? Já os descendentes que vivem em outros países e adotam as dietas desses países, costumam ter uma estatura maior que a média no Japão. (Wills MR et al Phytic Acid and Nutritional Rickets in Immigrants. The Lancet, 8 de abril de 1972, páginas 771-773). O efeito inibitório da absorção de aminoácidos pode comprometer a fabricação de inúmeras substâncias formadas a partir dos mesmos, entre os quais, os neurotransmissores. A enxaqueca, a cefaléia em salvas, a cefaléia do tipo tensional, e outras dores de cabeça, além de depressão, ansiedade, pânico e fibromialgia, são causadas por um desequilíbrio dos neurotransmissores. Qualquer fator que prejudique a sua fabricação, pode aumentar ou perpetuar esse desequilíbrio. A soja contém também uma substância chamada hemaglutinina, que pode aumentar a viscosidade do sangue e facilitar a sua coagulação. Portadores de enxaqueca já sofrem de um aumento na tendência de coagulação do sangue e uma propensão maior a acidentes vasculares. A pior coisa para esses indivíduos é ingerir substâncias que agravam essa tendência. Tanto a tripsina, quanto a hemaglutinina e os fitatos, que mencionaremos a seguir, são neutralizados totalmente pelo processo de fermentação natural da soja na fabricação de shoyu e missô, e parcialmente durante a fabricação de tofu.

Os fitatos, ou ácido fítico, são substâncias presentes não apenas na soja, mas em todas as sementes, e que bloqueiam a absorção de uma série de substâncias essenciais ao organismo, como o cálcio (osteoporose), ferro (anemia), magnésio (dor crônica) e zinco (inteligência).Você não sabia de nada disso? Mas a ciência já sabe, estuda esse fenômeno extensamente e não tem dúvidas a respeito. Já comprovou este fato em estudos realizados em países subdesenvolvividos cuja dieta é baseada largamente em grãos. (Van-Rensburg et al Nutritional status of African populations predisposed to esophageal cancer, Nutr Cancer, volume 4, páginas. 206-216; Moser PB et al Copper, iron, zinc and selenium dietary intake and status of Nepalese lactating women and their breast-fed infants, Am J Clin Nutr, volume 47, páginas 729-734; Harland BF, et al Nutritional status and phytate zinc and phytate X calcium zinc dietary molar ratios of lacto-ovo-vegetarian Trappist monks 10 years later. J Am Diet Assoc., volume 88, páginas 1562-1566).

Claro que a divulgação desse conhecimento não é do interesse de toda uma indústria multibilionária da soja. A soja contém mais fitato que qualquer outro grão ou cereal. (El Tiney AH Proximate Composition and Mineral and Phytate Contents of Legumes Grown in Sudan", Journal of Food Composition and Analysis, v. 2, 1989, pp. 67-78).Para os demais cereais e grãos (arroz integral, feijão, trigo, cevada, aveia, centeio etc), é possível reduzir bastante e neutralizar em grande parte o conteúdo de fitatos, através de cuidados simples, como deixá-los de molho por várias horas e, em seguida, submeter a um cozimento lento e prolongado. (Ologhobo AD et al Distribution of phosphorus and phytate in some Nigerian varieties of legumes and some effects of processing. J Food Sci volume 49 número 1, páginas 199-201). Já os fitatos da soja não são reduzidos por essas técnicas simples, requerendo para isso um processo bem longo (muitos meses, no mínimo) de fermentação. O tofu, que passa por um processo de precipitação, não tem os seus fitatos totalmente neutralizados.

Interessantemente, se produtos como o tofu forem consumidos com carne, ocorre uma redução dos efeitos inibidores dos fitatos. (Sandstrom B et al Effect of protein level and protein source on zinc absorption in humans. J Nutr volume 119 número 1, páginas 48-53; Tait S et al, The availability of minerals in food, with particular reference to iron J R Soc Health, volume 103 número 2, páginas 74-77). Mas geralmente, os maiores consumidores de tofu são vegetarianos que pretendem consumi-lo em lugar da carne! O resultado? Deficiências nutricionais que podem levar a doenças como dores crônicas, como dor de cabeça e fibromialgia. O zinco e o magnésio são necessários para o bom funcionamento do cérebro e do sistema nervoso. O zinco, em particular, está envolvido na produção de colágeno, na fabricação de proteínas e no controle dos níveis de açúcar no sangue, além de ser um componente de várias enzimas e ser essencial para o nosso sistema de defesas. Os fitatos da soja prejudicam a abosrção do zinco mais do que qualquer outra substância. (Leviton, Richard Tofu, Tempeh, Miso and Other Soyfoods The "Food of the Future" - How to Enjoy Its Spectacular Health Benefits, Keats Publishing Inc, New Canaan, CT, 1982, páginas 14-15). Por conta da tradição oriental, indústria da soja conseguiu inseri-la num patamar de "alimento saudável", sem colesterol e vem desenvolvendo um mercado consumidor cada vez mais vegetariano. Infelizmente, ouvimos médicos e nutricionistas desinformados, ou melhor, mal informados por publicações pseudo-científicas patrocinadas e divulgadas pela indústria da soja, fornecendo conselhos, em programas de TV em rede nacional, no sentido de consumi-la na forma de leite de soja (até para bebês!!), carne de soja, iogurte de soja, farinha de soja, sorvete de soja, queijo de soja, óleo de soja, lecitina de soja, proteína texturizada de soja, e a maior sensação do momento, comprimidos de isoflavonas de soja, sobre a qual comentarei mais adiante neste livro. A divulgação, na grande mídia, destes produtos de paladar no mínimo duvidoso, como sendo saudáveis, tem resultado em uma aceitação cada vez maior dos mesmos por parte da população. Que prejuízo! (Não para a indústria, é claro).

Sabe como se faz leite de soja? Primeiro, deixa-se de molho os grãos em uma solução alcalina, de modo a tentar neutralizar ao máximo (mas não totalmente) os inibidores da tripsina. Depois, essa pasta passa por um aquecimento a mais de 100 graus, sob pressão. Esse processo neutraliza grande parte (mas não a totalidade) dos antinutrientes, mas em troca, danifica a estrutura das proteínas, tornando-as desnaturadas, de difícil digestão. (Wallace GM Studies on the Processing and Properties of Soymilk. J Sci Fd Agric volume 22, páginas 526-535). Além disso, os fitatos remanescentes são suficientes para impedir a absorção de nutrientes essenciais.A propósito, aquela tal solução alcalina onde a soja fica de molho é a base de n-hexano, nada mais que um solvente derivado do petróleo, cujos traços ainda podem ser encontrados no produto final, que vai para a sua mesa, e que pode gerar o aparecimento de outras substâncias cancerígenas. Este n-hexano reduz, também, a concentração de um aminoácido importante, a cistina. (Berk Z Technology of production of edible flours and protein products from soybeans. FAO Agricultural Services Bulletin 97, Organização de Agricultura e Alimentos das Nações Unidas, página 85, 1992).

Felizmente, a cistina se encontra abundante na carne, ovos e iogurte integral - alimentos estes normalmente evitados pelos consumidores de leite de soja.Mas como? A soja não é saudável? Não é isso que dizem os médicos e nutricionistas?Infelizmente, a culpa não é deles, e sim do jogo de desinformação que interessa à toda a indústria alimentícia. A alimentação, assim como a saúde, é um grande negócio. Dois terços de todos os alimentos processados industrialmente, contêm algum derivado da soja em sua composição. É só conferir os rótulos. A lecitina de soja atua como emulsificante. A farinha de soja aumenta a "vida de prateleira" de uma série de produtos. O óleo de soja é usado amplamente pela indústria de alimentos. A indústria da soja é enorme e poderosa.

E como se fabrica a proteína de soja? Em primeiro lugar, retira-se da soja moída o seu óleo e o seu carboidrato, através de solventes químicos e alta temperatura. Em seguida, mistura-se uma solução alcalina para separar as fibras. Logo após, submete-se a um processo de precipitação e separação utilizando um banho ácido. Por último, vem um processo de neutralização através de uma solução alcalina. Segue-se uma secagem a altas temperaturas e à redução do produto a um pó. Este produto, altamente manipulado, possui seu valor nutricional totalmente comprometido. As vitaminas se vão, mas os inibidores da tripsina permanecem, firmes e fortes! (Rackis JJ et al The USDA trypsin inhibitor study. I. Background, objectives and procedural details. Qual Plant Foods Hum Nutr, volume 35, pág. 232). Não existe nenhuma lei no mundo que obrigue os alimentos à base de soja a exibirem, nos rótulos, a quantidade de inibidores da tripsina. Também não existe nenhuma lei padronizando as quantidades máximas deste produto. Que conveniente!

O povo... coitado... só foi "treinado" para ficar de olho na quantidade de coleterol - esta sim, presente em todos os rótulos. Uma substância natural e vital para o crescimento, desenvolvimento e bom funcionamento do cérebro e do organismo como um todo.O povo nunca ouviu falar nos antinutrientes e inibidores da tripsina dos alimentos de soja. A proteína texturizada de soja (proteína texturizada vegetal, carne de soja) possui um agravante a adição de glutamato monossódico, no intuito de neutralizar o sabor de grão e criar um sabor de carne. Alguns pesquisadores acreditam que o grande aumento das taxas de câncer de pâncreas e fígado, na África, se deve à introdução de produtos de soja naquela região. (Katz SH Food and Biocultural Evolution A Model for the Investigation of Modern Nutritional Problems. Nutritional Anthropology, Alan R. Liss Inc., 1987 pág. 50).

A minha dica: Quando consumir soja, utilize apenas os derivadosaltamente fermentados, como o missô e o shoyu. Mesmo assim, muita atenção para os rótulos. Compre apenas se neles estiver escrito "Fermentação Natural", e se NÃO contiverem produtos como glutamato monossódico e outros ingredientes artificiais. Quando consumir tofu, certifique-se de lavá-lo com água corrente, pois grande quantidade dos antinutrientes ficam no seu soro.



Veja o vídeo do Dr. Alexandre falando sobre a soja.



Artigo publicado originalmente no site www.enxaqueca.com

Para mais informações, visite

http://www.soyonlineservice.co.nz

http://www.westonaprice.org

http://www.nexusmagazine.com/

http://www.brain.com/

The Trouble With Tofu: Soy and the Brain

Soy May Cause Cancer and Brain Damage

Soy: Too Good to be True

Newest Research On Why You Should Avoid Soy

Learn The Truth About The Historical Use Of Soy

High Soy Diet During Pregnancy And Nursing May Cause Developmental Changes In Children

Soy Can Cause Severe Allergic Reactions

Soy Supplements Fail to Help Menopause Symptoms

20/20 Feature on the Dangers of Soy

Soy Formulas and the Effects of Isoflavones on the Thyroid

Pregnant Women Should Not Eat Soy Products
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas