Mesa de controvérsias amplia debate sobre transgênicos no país

De Conselho Nacional de Segurança
Data: 12/07/2013
Beatriz Evaristo



Organizada pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) sobre organismos geneticamente modificados, a “Mesa de Controvérsias – Transgênicos”, acontece nesta quinta e sexta-feira (11 e 12), em Brasília. A presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), Maria Emília Pacheco, destacou a importância do debate e disse que o objetivo é “transformar estas reflexões em uma exposição de motivos a ser encaminhada à Presidência da República”.

Durante a abertura, o Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Arnoldo de Campos, ressaltou a importância da “defesa das sementes tradicionais e das sementes crioulas que estão ameaçadas pelos transgênicos”. O secretário Arnoldo Campos reconheceu a necessidade de debater o assunto, já que “não temos clareza dos impactos do desenvolvimento das estratégias de transgênicos no país”.

O representante da “Campanha por um Brasil Livre de Transgênicos e Agrotóxicos”, Darci Frigo, também participou da mesa de abertura e disse que na luta contra os transgênicos é preciso “resistir e construir alternativas”. Há quinze anos a campanha reúne organizações que se preocupam com a agricultura familiar, preservação de sementes e soberania alimentar. De acordo com Darci Frigo, o argumento de que os transgênicos aumentam a produção não é válido. “Falta discutir os impactos econômicos das liberações e que não vem sendo avaliadas pela CTNBio”, disse Darci Frigo sobre os processos decisórios da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

Durante o debate do primeiro painel, os participantes destacaram ainda a necessidade da criação de áreas totalmente livre de transgênicos já que a coexistência de dois sistemas de produção diferentes é impossível devido a contaminação das plantações e do solo. Além disso, os participantes destacaram que o Plano Nacional de Agroecologia é um avanço no sentido de proteger e dar suporte à agricultura familiar e garantir a soberania alimentar no país.

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), órgão responsável pela apreciação e liberação de transgênicos, foi convidada formalmente para as mesas de discussões, mas informou que não poderia participaria.

Fonte: Ascom/Consea

Comentários

Postagens mais visitadas