quinta-feira, 26 de junho de 2014

Produtos orgânicos e cenário rural atraem turistas do Rio

Roteiro Caminhos do Brejal valoriza a identidade de moradores do interior do estado, gerando emprego e renda a comunidades
Caminhos do Brejal é um dos 23 roteiros que integram o projeto Talentos do Brasil Rural
A 103 quilômetros do aeroporto Galeão, no Rio de janeiro, um roteiro rural leva o visitante a conhecer a rotina de agricultores, com criação de escargots, bonsais e produtos orgânicos, em um ambiente tranquilo de serra, que contrasta com o ritmo acelerado da cidade. O roteiro pode ser uma opção para quem está conhecendo a cidade, que vai além do samba, da noite agitada e dos jogos da Copa do Mundo.

Caminhos do Brejal é um dos 23 roteiros que integram o projeto Talentos do Brasil Rural, que tem como objetivo incluir produtos e serviços da agricultura familiar ao turismo brasileiro. Cerca de 400 empreendimentos em 54 municípios fazem parte do projeto. Brejal é composto por grupos de agricultura familiar que encontraram no turismo uma forma de valorizar sua identidade cultural, gerar emprego e renda, além de agregar valor à produção de grupos locais.

Um dos passeios do roteiro oferece aos turistas a oportunidade de acompanhar a criação orgânica de escargots, que também são servidos frescos no local. Já o sítio Katsumoto produz mudas frutíferas orgânicas, além da produção de bonsais, tudo compartilhado com o visitante.

A Provence Pousada e Restaurante oferece hospedagem e alimentação, além de produzir e vender ervas aromáticas, mudas e azeites. O proprietário Joaquim Nabuco conta que, em 1975, ele e sua esposa, Maria Lucia, organizaram a Provence Ervas Finas, que se tornou a primeira fazenda especializada na plantação de ervas no Brasil, fornecendo para vários restaurantes.

“Isso atraiu o interesse de muitas pessoas de todo o país e, em 2003, foi inaugurada a Pousada para acomodar os visitantes que quisessem pernoitar ou ficar mais tempo, usufruindo de boas refeições e podendo se hospedar em chalés”, destaca Nabuco.

O turista também pode observar as fases de evolução de diferentes espécies de borboletas no Borboletário Shangrilah. A propriedade oferece alimentação caseira, com produtos orgânicos. Para circular pelo roteiro, recomenda-se dispor de um veículo de passeio ou contratar um serviço de turismo receptivo.

O Roteiro Caminhos do Brejal foi desenvolvido por meio de parceria entre os ministérios do Turismo (MTur) e do Desenvolvimento Agrário (MDA), e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que reformulou o roteiro, integrando a agricultura familiar entre as atrações, e agregou parceiros para aperfeiçoamento a empreendimentos locais.

Os roteiros, escolhidos por meio de chamada pública, foram mapeados, apresentados ao mercado turístico e receberam consultoria especializada e apoio à comercialização. Um dos requisitos para escolha é que o roteiro seja acessível a, no máximo, três horas de uma das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo, considerando meio terrestre ou aquaviário.

Fonte:
Ministério do Turismo

Hortifrútis rejeitados ganham mercado

Folha de SP

Isabel Soares selecionou frutas e verduras com cuidado. Ficou com um maço de espinafre cujas folhas tinham amarelado, depois com tomates de casca danificada pelo sol e picadas de insetos. Finalmente, decidiu ficar com abobrinhas muito grandes e deformadas. Para ela, todos os produtos estavam perfeitos.

Numa época de dificuldades econômicas para muitos na União Europeia, onde o afã regulatório se estende até aos formatos, tamanhos e cores dos alimentos consumidos por seus cidadãos, Soares apostou em um mercado para frutas e legumes que burocratas governamentais, supermercados e outros varejistas consideram feios demais para ser vendidos a seus consumidores.

Há mais ou menos sete meses, Soares e alguns voluntários fundaram a cooperativa Fruta Feia.
Patricia de Melo Moreira - 17.mar.2014/AFP 


Uma voluntária preenche caixas com frutas e vegetais na cooperativa "Fruta Feia", em Lisboa


A organização foi bem recebida pelos consumidores em dificuldades, aplaudida por setores indignados com o crescente desperdício de alimentos na Europa e representou um tapa na cara dos criadores das regras da União Europeia. Discretamente, subverteu as ideias de praxe sobre o que é belo -ou pelo menos comestível.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

O doce veneno nos campos do senhor

No Conexão Repórter desta quarta-feira, 18 de junho, Roberto Cabrini comandou uma investigação exclusiva e revelou as graves consequências do uso indiscriminado de agrotóxicos. No sertão nordestino, o programa encontrou trabalhadores desprotegidos que se contaminam todos os dias. Uma região onde a incidência de câncer chega a ser 30% maior do que o normal. Assista na íntegra: www.sbt.com.br/conexaoreporter/reportagens/?id=61279

terça-feira, 10 de junho de 2014

Cursos em Junho de 2014


Informações e Inscrições pelo email: nacozzi@hotmail.com

Você conhece os vários tipos de açúcar?

Principais diferenças:
  • gosto, 
  • cor 
  • composição nutricional 
Quanto mais escuro é o açúcar, mais vitaminas e sais minerais ele tem, e mais perto do estado bruto ele está. 

Quanto mais branco e fino é o açúcar significa que recebeu aditivos químicos no processo da fabricação, no refinamento.
100 gramas de um açúcar bem escuro, o mascavo = 85 miligramas de cálcio, 29 miligramas de magnésio, 22 miligramas de fósforo e 346 miligramas de potássio. 
100 gramas de açúcar refinado (branco mais comum) = no máximo 2 miligramas de cada um desses nutrientes.

Processo de Refinamento:
A cana é a matéria-prima do açúcar. Antes de chegar à nossa mesa, a planta passa por diversas etapas de fabricação: 
  1. Moagem para extrair o caldo doce. 
  2. Purificação: o caldo é aquecido a 105 ºC e filtrado para barrar as impurezas. 
  3. Evaporação: o caldo vira um xarope e vai para o cozimento, onde aparecem os cristais de açúcar que a gente conhece. 
  4. Refinamento: os açúcares mais brancos recebem tratamentos químicos para melhorar seu gosto e seu aspecto. 
  5. Resultado final: açúcar em cristais, que se moldado e comprimido com o xarope de açúcar,vira açúcar em torrões. 
Outros açúcares:Além da cana, há açúcar nas frutas e no milho (a frutose) e no leite (a lactose). A beterraba é outra fonte de açúcar, mas tem um processo de extração diferente. Ela é mais popular na Europa.

Tipos de Açúcares:





Confeiteiro: cristais muito finos, usado em glacês e coberturas. Seu refinamento é sofisticado, inclui uma peneiragem e adição de amido de arroz, milho ou fosfato de cálcio para evitar que os minicristais se juntem 
novamente.

açúcar-orgânico




Orgânico: não utiliza ingredientes artificiais em nenhuma etapa do ciclo de produção, do plantio à industrialização. Não utiliza agrotóxicos no plantio da cana.






Refinado ou açúcar branco: mais comum, passa pelo refinamento onde aditivos químicos como o enxofre tornam o produto branco e delicioso. O lado ruim é que esse processo retira vitaminas e sais mineirais, deixando apenas as "calorias vazias" (sem nutrientes)




Mascavo: açúcar bruto, escuro e úmido, extraído depois do cozimento do caldo de cana. Como não é refinado, conserva o cálcio, o ferro e os sais minerais. 










Cristal: possui cristais grandes e transparentes, difíceis de dissolver em água. Passa apenas por um refinamento leve, que retira 90% dos sais minerais. Muito usado nas receitas de bolos e doces










Demerara: passa por um refinamento leve e não recebe nenhum aditivo químico. Por isso, seus grãos são marrom-claros e têm valores nutricionais altos, parecidos com os do açúcar mascavo.




Light: combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais, como o aspartame, o ciclamato e a sacarina, que quadruplicam o poder de adoçar.



Líquido: obtido pela mistura do açúcar refinado com a água. Usado em bebidas gasosas, balas e doces. 






Guia da Dieta   honeyspoon1 150x150 Xarope de frutose e glicose   açúcar a ser evitado


Frutose: extraído das frutas e do milho. 





açúcar-invertido
Açúcar invertido: resultante da combinação de glicose, frutose e sacarose. Não é vendido nos supermercados e é utilizado pela indústria alimentícia. Frutas em calda, sorvetes, balas e caramelos levam o ingrediente em sua composição.






Mel: fabricado pelas abelhas, rico em carboidratos, vitaminas do complexo B e minerais. Constituído por frutose e glicose, atua contra fungos e bactérias, além de dores de estômago e transtornos gastrointestinais mais sérios. 
Produzido na Natureza, o mel é o doce mais bem aceito pelo corpo, pode substituir o açúcar tanto para adoçar bebidas, como na hora de elaborar receitas na cozinha. Dê preferência ao mel orgânico, que não passa por processos industriais.



Impalpável: textura mais fina que o açúcar de confeiteiro por ser feito da moagem dele mais a adição de fécula de milho. Lembra mais uma farinha. Para fazer em casa bata no liquidificador 500g de açúcar de confeiteiro mais 03 colheres de sopa de amido de milho. Muito utilizado como ingrediente da massa americana, para o preparo de bolos e docinhos.(*) Como o amido de milho é transgênico substitua pela fécula de batata.




Açúcar Amarelo (yellow sugar): Resultado do processo de refinação sem a total eliminação do melaço. Isto lhe dá a cor amarela, o maior teor de umidade e um sabor mais pronunciado. Muito utilizado na Europa, é ótimo para confecção de doces e para adoçar bebidas. Importante lembrar que por ser mais doce e ter coloração interfere muito mais nas receitas.

Açúcar abaunilhado (ou vanilado) – Mistura de açúcar e ao menos 10% extrato seco de baunilha.Um produto bastante caro, muito bom para sobremesas. Dá um sabor único e o toque da baunilha. Facinho de fazer em casa. Ver a receita.


Açúcar Bruto: é o produto antes do melaço ser retirado.

Mascavado: é uma variedade do mascavo, castanho bem escuro e de sabor forte. Seus cristais são ligeiramente mais grossos e de textura mais rígida que os conhecidos com brow sugar.

Turbinado: O turbinado é o açúcar bruto que foi parcialmente transformado. Apenas o melaço da superfície é retirado. Seu sabor é de caramelo leve. Encontrado em restaurantes e lojas especializadas.  

Prefeitura de Registro realizará Semana da Agricultura Orgânica


Evento em parceria com a CATI e AOVALE será no dia 11 de junho.
Com o objetivo de debater questões sobre a sustentabilidade ambiental, o sistema de produção orgânico e a importância de uma alimentação saudável, a Prefeitura de Registro realizará no dia 11 de junho a Semana da Agricultura Orgânica. Com palestras sobre custo de produção, linhas de financiamento, compras públicas de alimentos, estratégia de comercialização e experiência em venda direta ao consumidor, o evento será realizado em parceria com a CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) e Associação de Produtores Orgânicos da Região (AOVALE), com apoio do SEBRAE-SP e Sindicato Rural de Registro.

A Semana de Agricultura Orgânica de Registro reunirá técnicos, produtores rurais e estudantes. As inscrições são limitadas e gratuitas e podem ser feitas na Secretaria de e Desenvolvimento Agrário e Meio Ambiente pelo telefone (13)3822-5946, e na CATI pelo (13)3821-3649.

Resumidamente, agricultura orgânica é o sistema de produção agrícola e de criação de animais que conjuga técnicas agrícolas mais sustentáveis em harmonia com o ambiente e é socialmente justo. O produto orgânico vem identificado por certificado emitido pelo Ministério da Agricultura ou certificadora credenciada e auditada pelo Inmetro de acordo com a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003.

PROGRAMAÇÃO
Data: 11 de junho de 2014
Local: EDR CATI Registro

9h: Credenciamento
9h30: Abertura (prefeito Gilson Fantin)
10h: Palestra: Custo de Produção de Sistemas Orgânicos e Linhas de financiamento (Rogério Haruo Sakai)
11h: Palestra: Compras Públicas de Alimentos da Agricultura Familiar (Fabio Emmanuel Braz Brass)
12h: Almoço
13h: Palestra: Estratégia de Comercialização pela AOVALE (Breno Tadeu Rós de Almeida)
14h: Palestra: Experiência da Rede de Consumo Terra Mater, em venda direta ao consumidor (Instituto Terra Mater e Casa da Agricultura de Piracicaba)
15h: Encerramento (Sindicato Rural de Registro)

Prefeitura Municipal de Registro

quinta-feira, 5 de junho de 2014

"Fed Up": o documentário que desmascara as mentiras da comida light

Fonte: EFE | NOVA YORK


Depois de 30 anos dando notícias sobre o aumento da obesidade nos Estados Unidos, a jornalista e apresentadora de TV Katie Couric decidiu dar mais um passo em sua luta pela boa alimentação e produziu o revelador documentário "Fed Up", sobre as mentiras escondidas sob o rótulo de "light".

Apoiada pela produtora Laurie David, responsável pelo documentário "Uma Verdade Inconveniente", ganhador do Oscar; e com direção e pesquisa de Stephanie Soechtig, Katie quis derrubar vários mitos da alimentação e deixar de culpar a gula ou o sedentarismo das pessoas.


Documentário "Fed Up", produzido pela apresentadora de TV Katie Couric, aborda as mentiras da comida light. EFE/Radius-Twc

"Isso era o mais importante. Não estamos apontando para as pessoas, dizendo 'que vergonha' ou 'é sua culpa porque não é disciplinado'. Estamos destacando o engano que, até quando achamos estar fazendo o correto por nos alimentarmos bem, não o estamos fazendo", explicou em entrevista à Agência Efe a apresentadora da emissora "ABC", que também trabalhou para "CBS" e "NBC".

Segundo Laurie David, há muitos mitos sobre o comer saudável e as dietas.

"Alguém vai ao supermercado e vê produtos que dizem ser 'naturais', 'bom para a saúde', com 'fibra', e tudo isso está cheio de açúcares. As pessoas sabem que uma rosquinha ou um sorvete têm açúcar, mas não têm noção de que também há muito açúcar em alguns molhos de salada, por exemplo", comentou.

Por causa da obsessão por reduzir o peso - entre 1980 e o ano 2000, duplicaram o número de academias nos Estados Unidos - as empresas de alimentos potencializaram a presença de açúcares em seus produtos, de modo que, hoje em dia, 80% deles o contêm, sem que haja uma lei que obrigue a dizer em que quantidade.

"Fed Up", que foi apresentado no Festival de Sundance, começa a estudar a evolução da obesidade e da diabetes a partir de 1981, quando o presidente Ronald Reagan reduziu em US$1,4 bilhão o orçamento para alimentação nas escolas, abrindo a porta para convênios com redes de fast-food como McDonald's e Pizza Hut nos refeitórios escolares.

Assim, os casos de diabetes juvenil passaram de zero a 57.938 entre 1980 e 2010, afetando especialmente a comunidade latina, na qual estas empresas se centraram, produzindo quase o dobro de anúncios sobre refrigerantes em espanhol do que em inglês.

E é por isso que "Fed Up" irá estrear em espanhol na voz do mexicano Kuno Becker, conhecido por sua atuação em "Gol!" e "Nômade".

Apesar de ter informado sobre atualidades para milhões de espectadores durante três décadas, produzindo o documentário, Katie se deu conta de que não estava bem informada.

"Muitas coisas foram muito surpreendentes para mim. Não tinha ideia do quão poderosos eram os 'lobbies' da indústria alimentícia, capaz não só de se esquivar das leis, mas também de influenciar na redação delas. Também não sabia da presença das grandes marcas em nossos refeitórios escolares", explicou.

"Outra coisa que descobri foi que a indústria do açúcar freou as campanhas de conscientização, e que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos tem muitos conflitos de interesses", acrescentou, com o dado na mão que desde 1995 o governo deu mais de US$8 bilhões em subsídios à indústria dos adoçantes.

"Fed Up" é o apavorante retrato de uma sociedade que está se envenenando aos poucos, que em duas décadas terá 95% da população com sobrepeso e que elevou o número de mortes por obesidade acima dos índices das mortes por inanição.

Sobretudo, o filme incide em uma indústria que domina, inclusive, as mensagens oficiais da Casa Branca, ao mostrar que a primeira-dama Michelle Obama mudou sua campanha de nutrição pela de fazer exercício ("LeT's Move") para não entrar em conflito com as marcas.

Assim, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que apenas 10% das calorias consumidas diariamente devem vir dos açúcares, as autoridades sanitárias americanas elevam essa porcentagem para até 25% e se prevê que em 2050 um a cada três americanos seja diabético.

Apesar do alarme empresarial e institucional que acende, "Fed Up" também alerta o cidadão a buscar uma alternativa e se preocupar com sua própria saúde procurando mais informações.

"É um erro pensar que comer saudável é mais caro. Às vezes toma mais tempo, mas é um tempo bem investido. É saúde para você e para sua família", garantiu Katie, que reconheceu ter se tornado uma "consumidora cética".

"Todas as doenças que vêm por este tipo de dietas podem ser prevenidas e a solução está na cozinha de cada um", acrescentou, por sua vez, a produtora Laurie David, que conclui dizendo: "Eu escrevi um livro de receitas, vou para o segundo, e me dei conta que não sabia nada. Se você acha que sabe muito sobre comida, recomendo ver este documentário".

Veja uma pequena degustação

Projeto 3 Corações - Culinária para Comer e Vender - Alimentos Funcionais


A Nutricionista Funcional Lucilene Andrade deu uma senhora aula sobre alimentos funcionais e de quebra comentou sobre nossa alimentação atual, seus malefícios e como mudar hábitos.


terça-feira, 3 de junho de 2014

Grupo CoCriação - Programação de Junho de 2014



Inscrições mediante depósito. 
Informações nacozzi@hotmail.com

Alerta Internacional: assine carta aberta à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança do governo brasileiro exigindo que não se autorize a liberação comercial de eucaliptos geneticamente modificados

Caros amigos,

Fomos alertados de que a FuturaGene, firma de biotecnologia de propriedade exclusiva da empresa de papel e celulose Suzano, pediu à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) do Brasil a liberação comercial do plantio comercial de eucalipto geneticamente modificado (GM).
Como explica a carta abaixo, se aprovado, isso vai agravar os impactos negativos já conhecidos que as plantações de eucaliptos têm sobre comunidades do entorno.

Nós os convidamos a assinar a carta que será enviada à CTNBio, a instituição brasileira encarregada de autorizar a liberação de organismos geneticamente modificados. A carta visa expressar profunda preocupação e exige que a CTNBio não autorize o plantio comercial de eucalipto GM pela Suzano/FuturaGene.
Para isso, por favor, envie seu nome e organização ao endereço wrm@wrm.org.uy, antes de 15 de junho.
Agradecemos antecipadamente.
CEPEDES, Terra de Direitos, RECOMA (RECOMA – Rede Latino-Americana contra os Monocultivos de Árvores) WRM e MST.

30 maio de 2014

CARTA QUE SERÁ ENVIADA À CTNBIO

Para: Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) do Brasil

Nós, abaixo assinados, fomos informados de que a FuturaGene, firma de biotecnologia de propriedade exclusiva da empresa de papel e celulose Suzano, apresentou uma solicitação para o plantio comercial de eucalipto geneticamente modificado (GM).
A Suzano/FuturaGene e outras empresas, como Fibria (ex-Aracruz) e ArborGen, vêm realizando experimentos de pesquisa e de campo com árvores GM há anos. O interesse da Suzano/FuturaGene tem sido o de aumentar a produtividade de suas plantações de árvores. A empresa argumenta que a nova árvore GM irá resultar em um aumento de 20% na produtividade e, assim, elevar “a competitividade e os ganhos ambientais e socioeconômicos por meio de maior produtividade, usando menos terra e, portanto, menos insumos químicos em geral, com menor liberação de carbono, bem como tornando a terra disponível para a produção ou a conservação de alimentos, e aumentando a renda dos produtores integrados”.(1) Essas afirmações contradizem os fatos que serão tratados a partir das informações a seguir.

ÁRVORES TRANSGÊNICAS AGRAVAM OS PROBLEMAS PROVOCADOS POR PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS DE ARVORES, EM VEZ DE REDUZI-LOS
O uso de árvores GM de crescimento mais rápido em plantações industriais vai exacerbar os já conhecidos impactos sociais e ambientais negativos causados pelas plantações industriais de árvores, além de introduzir outros, devido aos riscos adicionais inerentes à engenharia genética.
As empresas de plantação industrial de árvores há muito prometem que os ganhos de produtividade levariam a menos uso da terra. No Brasil, por exemplo, onde a produtividade das plantações de monoculturas de árvores por hectare aumentou de 27 m3/ha/ano nos anos 80 para 44 m3/ha/ano atualmente, a área coberta por plantações cresceu, passando de cerca de 4 milhões de hectares no final daquela década para mais de 7,2 milhões de hectares hoje em dia. Historicamente, portanto, não há evidências de que o aumento da produtividade tenha levado à ocupação de menos terra por plantações industriais de árvores no Brasil. A recém-formada Indústria Brasileira de Árvores (IBA), que representa a indústria brasileira de plantação industrial de árvores, afirma que pretende duplicar a área desse tipo de plantação para 14 milhões de hectares até 2020.

SUZANO BUSCA ABRIR NOVOS MERCADOS PARA PLANTAÇÕES DE ÁRVORES
A Suzano abriu recentemente uma nova fábrica de celulose no Maranhão, com capacidade para 1,5 milhão de toneladas/ano. Serão necessárias enormes áreas de terras cobertas com monoculturas de árvores para atender à atual demanda da Suzano por celulose, bem como a demanda adicional, especialmente seus planos de explorar novos usos da madeira com um projeto no mesmo estado, para produzir e exportar pellets para produção de energia, a serem queimados em conjunto com carvão no Reino Unido. O uso de biomassa para produzir energia em escala industrial continua muito polêmico, e seus impactos sociais, ambientais e climáticos negativos já foram bem documentados.

O POVO E MEIO AMBIENTE BRASILEIROS SERÃO PREJUDICADOS

Tanto o projeto de celulose quanto o de pellets visa exclusivamente lucrar com novas oportunidades de mercado – que é a missão de Suzano. Enquanto os lucros dessa expansão revertem para os acionistas da empresa, os custos sociais, ecológicos e econômicos, bem como o aumento do risco para a soberania alimentar regional e a saúde serão suportados pelo povo brasileiro, e principalmente pelas comunidades locais cercadas por plantações. Já existem numerosos e graves conflitos pelo acesso à terra, e as condições de vida das comunidades cercadas pelas operações da Suzano se deterioraram a ponto de muitas delas estarem lutando para garantir sua soberania alimentar e correrem cada vez mais riscos de perder seus territórios (2).


CULTIVOS TRANSGÊNICOS LEVAM A UM AUMENTO DA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS
Além disso, não há razão plausível para esperar que o uso de “insumos químicos”, incluindo agrotóxicos, diminua como resultado do plantio de árvores GM. Pelo contrário, ele aumentará com a crescente ocupação do solo que está planejada e a intensificação dos ciclos de cultivo e o consequente esgotamento da terra e dos nutrientes. O Brasil, infelizmente, já é o principal consumidor mundial de agrotóxicos, causando prejuízos a centenas, senão milhares, de vítimas por ano, aumentando a pressão sobre os já insuficientes serviços de saúde pública. As monoculturas industriais de árvores, carentes de biodiversidade e promovidas em escala muito grande, vão aumentar em muito a aplicação de agrotóxicos. Já foi provado que é falso o argumento usado pelo lobby da tecnologia GM, de que a introdução dessas culturas – como soja e milho – resulta em menor uso de pesticidas e fertilizantes. Em países como Brasil, Argentina e Estados Unidos – pioneiros na produção de soja e milho GM – a pesquisa mostrou não uma diminuição, mas sim um aumento alarmante no uso de agrotóxicos.(3)

ESGOTANDO O SOLO E AS RESERVAS DE ÁGUA

Modificar geneticamente as árvores para fazê-las crescer mais rápido, enquanto se planta em uma porção de terra em contínua expansão em plantações industriais de árvores cada vez maiores, só vai levar a um maior esgotamento dos nutrientes do solo e da água doce. Isto se aplica principalmente ao eucalipto, já famoso por seu voraz consumo de água, que mostrou causar secagem total de solos, nascentes e cursos d’água ao seu redor. As comunidades que vivem em torno de plantações de árvores não geneticamente modificadas, dentro e fora do Brasil, já fizeram muitos relatos de escassez de água e esgotamento do solo. A introdução de árvores GM de crescimento mais rápido só irá agravar ainda mais esta situação.

IMPACTOS NEGATIVOS INESPERADOS DE CULTIVOS TRANSGENICOS PODEM SER AINDA PIORES COM ÁRVORES TRANSGÊNICAS
Existem graves incertezas com relação aos potenciais impactos ambientais e socioeconômicos das árvores geneticamente modificadas. Já foram relatados impactos inesperados das culturas alimentares GM, incluindo a proliferação de ervas daninhas resistentes a herbicidas, o surgimento de pestes secundárias que dizimam os cultivos, mudanças na fertilidade, como taxas mais elevadas de cruzamento, além de maior alergenicidade. Considerando-se o ciclo de vida longo e muitas vezes complexo das árvores e sua interação com a biodiversidade, é praticamente impossível prever as consequências e os impactos das árvores geneticamente modificadas. Embora não seja nativo do Brasil, o eucalipto é plantado com frequência, e a contaminação de eucaliptos não transgênicos pelo eucalipto GM é outro risco grave, embora a FuturaGene, paradoxalmente, aponte-o como algo positivo.(4) Alterará o caráter invasivo, atrairá novas pestes, enfraquecerá ou deterá os predadores? Essas perguntas nunca foram feitas e não há dados para respondê-las. O catálogo de riscos é alto.
Com base no histórico das plantações industriais de árvores e na introdução de culturas GM em geral, negamos a alegação da indústria de que a sociedade como um todo se beneficiaria da liberação comercial e do plantio de árvores GM. As evidências existentes apontam diretamente na direção oposta. O único benefício que vemos nesta nova tecnologia de alto risco com impacto futuro desconhecido (e um possível custo incalculável) é o de maiores lucros para os acionistas da Suzano.

DEMANDAMOS NÃO AUTORIZAR O PLANTIO COMERCIAL DE ÁRVORES TRANSGÊNICAS

Pelas razões acima mencionadas, cientistas, advogados e organizações do mundo todo estão pedindo uma moratória global sobre a liberação comercial de árvores geneticamente modificadas, devido aos seus impactos sociais e ecológicos desconhecidos, mas potencialmente graves, e seus riscos econômicos incalculáveis, que recairiam esmagadoramente sobre o público.
Portanto, as organizações e pessoas abaixo-assinadas desejam expressar sua profunda preocupação e exortar a CTNBio a não autorizar o plantio comercial do eucalipto GM pela Suzano/FuturaGene ou por qualquer outra empresa que também tenha feito, ou venha a fazer no futuro, uma solicitação para essa liberação.

Assinaturas a seguir


Notas:
1- Ver a página da FuturaGene na internet, em http://www.futuragene.com
2- http://wrm.org.uy/pt/livros-e-relatorios/plantacoes-de-eucalipto-para-energia-o-caso-da-suzano-no-baixo-parnaiba-maranhao-brasil/
3- Ver http://www.gmwatch.org/files/GMsoy_Sust_Respons_SUMMARY_SPA_v1.pdf
4 - Ver http://www.theguardian.com/environment/2012/nov/15/gm-trees-bred-world-energy
 

Arraiá na Fazenda da Toca. Bora lá?




segunda-feira, 2 de junho de 2014

Coletiva de Imprensa é dia 04/06 vc já confirmou presença?




               

A água e a agricultura orgânica
Quem pode produzir água de qualidade?

Coletiva de imprensa e café da manhã orgânico

A AAO - Associação de Agricultura Orgânica e o Instituto Kairós de Ética e Atuação Responsável convidam os jornalistas para a sua coletiva de imprensa, em São Paulo (SP), na manhã do dia 4 de junho, quarta-feira, entre as 9h e as 12h, no Umapaz (Parque Ibirapuera, na Av. IV Centenário, 1.268 - Portão 7-A para pedestres. Para estacionar, portão 7 Av. República do Líbano, zona azul).

A coletiva será realizada por ocasião da maior feira de produtos orgânicos da América Latina, a BioBrazil Fair/Biofach América Latina, que também ocorrerá no Parque do Ibirapuera, no Pavilhão da Bienal, entre os dias 4 e 7 de junho.

O tema central da coletiva, que reunirá vários especialistas, entre técnicos e produtores rurais, será “A água e a agricultura orgânica – quem pode produzir água de qualidade?”.

Após o evento, haverá, além de um café da manhã orgânico, o lançamento da primeira semente de milho orgânica certificada, por parte da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O lançamento da variedade Al Avaré – produzida pelo Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) e certificada pelo IBD (Instituto de Biodinâmica) – contará com a presença da secretária de Agricultura paulista, Mônika Bergamaschi, que também estará à disposição dos jornalistas para a coletiva.

“Na safra 2014/2015 as sementes orgânicas já estarão à disposição dos produtores rurais, em mais uma ação do São Paulo Orgânico, projeto do governo estadual de incentivo à produção orgânica”, diz a secretária de Agricultura paulista.

Abaixo, a programação completa da coletiva sobre água e do lançamento do milho Al Avaré.


8h30 – Credenciamento
9h - Quais os impactos da produção agroindustrial convencional no solo e no consumo de água?
Carlos Armênio Kauthonian
Engenheiro agrônomo, professor-doutor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da USP (Esalq/USP), em Piracicaba (SP), nas áreas de agroecologia e agricultura orgânica.

9h30 - O que o Ministério da Agricultura tem feito no estímulo à produção de água e como tem tentado minimizar o impacto do alto consumo e a poluição da água provocada pela produção convencional? 
Marcelo Laurino
Engenheiro agrônomo e fiscal federal agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e coordenador da Comissão de Produção Orgânica do Estado de São Paulo.

10h – Como a agricultura orgânica pode, na prática, produzir água de qualidade?
A experiência de um produtor orgânico, que é também produtor de água.
José Bassit
Produtor orgânico, proprietário de agroindústria orgânica e vice-presidente da AAO - Associação de Agricultura Orgânica

10h30 – Como o Protocolo Guarapiranga Sustentável de Boas Práticas (Parceria entre Governo do Estado e Município de São Paulo) tem estimulado a conversão dos produtores e os resultados na produção de água na região?
Paulo Coutinho
Produtor orgânico e membro da Cooperapas (Cooperativa Agroecológica dos Produtores de Água Limpa de São Paulo)

11h – PSA (Pagamentos por Serviços Ambientais) como uma política de incentivo à conservação ambiental - aprendizagens do Projeto Mina D’Água de Proteção às Nascentes e ​Ações do Guarapiranga Sustentável  
Araci Kamiyama
Engenheira agrônoma e técnica da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo

11h30 - Secretaria de Agricultura lança a primeira semente orgânica de milho do Brasil  
Mônika Bergamaschi
Secretária da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

11h30 às 12h – Café da manhã orgânico

Serviço:
Promoção: AAO - Associação de Agricultura Orgânica e Instituto Kairós
Apoio: Muda-SP, Plataforma de Apoio à Agricultura Orgânica do Município de São Paulo, Frente
Parlamentar em Defesa da Produção Orgânica e Desenvolvimento da Agroecologia, Umapaz
Dia: 4 de Junho de 2014
Horário: 9h às 12h
Local: Umapaz - Parque Ibirapuera
Avenida IV Centenário, 1.268 - Portão 7 A para pedestres e para estacionar portão 7 Av. República do Líbano, zona azul.

Informações para a imprensa:
Marcio Stanziani – Secretário Executivo - AAO
Tels. (11)9 6864-4349 ou 11-3875-2625
marcio@aao.org.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas