Hortifrútis rejeitados ganham mercado

Folha de SP

Isabel Soares selecionou frutas e verduras com cuidado. Ficou com um maço de espinafre cujas folhas tinham amarelado, depois com tomates de casca danificada pelo sol e picadas de insetos. Finalmente, decidiu ficar com abobrinhas muito grandes e deformadas. Para ela, todos os produtos estavam perfeitos.

Numa época de dificuldades econômicas para muitos na União Europeia, onde o afã regulatório se estende até aos formatos, tamanhos e cores dos alimentos consumidos por seus cidadãos, Soares apostou em um mercado para frutas e legumes que burocratas governamentais, supermercados e outros varejistas consideram feios demais para ser vendidos a seus consumidores.

Há mais ou menos sete meses, Soares e alguns voluntários fundaram a cooperativa Fruta Feia.
Patricia de Melo Moreira - 17.mar.2014/AFP 


Uma voluntária preenche caixas com frutas e vegetais na cooperativa "Fruta Feia", em Lisboa


A organização foi bem recebida pelos consumidores em dificuldades, aplaudida por setores indignados com o crescente desperdício de alimentos na Europa e representou um tapa na cara dos criadores das regras da União Europeia. Discretamente, subverteu as ideias de praxe sobre o que é belo -ou pelo menos comestível.

Comentários

Postagens mais visitadas