sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Calendário Agrícola - Saiba o que está na época e se proteja um pouco dos agrotóxicos



Ferramenta essencial para quem quer se alimentar melhor e saber os alimentos típicos da época. Clique aqui

Os alimentos da época nãoprecisam de tanto agrotóxico é uma maneira de se proteger quando não achamos alimentos orgânicos.

Oito itens proibidos nos EUA que não são armas



Fonte: O Globo

01 - Kinder ovo
Enquanto o resto do mundo aprecia o chocolate que vem com surpresas, a Administração americana de Drogas e Alimentos (FDA na sigla em inglês) proibiu o Kinder Ovo, alegando que os brinquedos que vêm dentro podem causar asfixia.
Continue lendo a matéria ...

Só para comentar vamos do que é feito esse "chocolate"?
Chocolate KINDER OVO MENINAS COM 1 UNIDADE 20G

Ingredientes Externo:
Chocolate ao leite 45% (açúcar, leite em pó, manteiga de cacau, massa de cacau, emulsificantes lecitinas, aromatizantes). 
NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Ingredientes Interno: Leite em pó, açúcar, gorduras vegetais, emulsificante lecitinas, aromatizantes. Total de leite em pó: 32%.

Informação Adicional:
Vem com um brinquedo surpresa. Contém leite, soja.

Atenção:
Contém brinquedo devidamente certificado pelo sistema brasileiro de avaliação da conformidade, não recomendado para menores de 3 anos por conter partes pequenas que podem ser engolidas ou inaladas. Recomenda-se a supervisão de um adulto. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Informações nutricionais para PORÇÃO DE 20G (1 UNIDADE),
Fibra alimentar - 0g
Sódio - 24mg

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O Impacto dos Transgênicos. Quais os riscos que os transgênicos podem trazer para o ser humano e para o meio ambiente?


Cientistas que falaram à CDH do Senado levantam suspeitas sobre a segurança da transgenia e negam que o processo tenha contribuído para aumentar a produção de alimentos.

Veja clicando aqui


Publicado pela TV Senado na internet em 20/08/2014

Produtos transgênicos poderão ser vendidos em prateleiras específicas


Miriquinho Batista: consequências do consumo de transgênicos a longo prazo ainda são desconhecidas.
Miriquinho Batista: consequências do consumo de transgênicos a longo prazo ainda são desconhecidas.

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 7335/14, do deputado Miriquinho Batista (PT-PA), que determina a separação, em prateleiras específicas e com identificação de origem, de alimentos transgênicos comercializados para o consumo humano.

Segundo o autor da proposta, o objetivo é defender o direito dos consumidores de ser informados sobre a natureza e as características dos produtos transgênicos ou geneticamente modificados.



“Não é demais ressaltar que esses produtos têm sua comercialização permitida, porém não há estudos de longo prazo a respeito das consequências de seu consumo. Essa falta de informação exige que os produtos sejam ofertados separadamente”, defendeu Batista.



Tramitação

A proposta tramita em regime de urgência e apensada ao Projeto de Lei 4148/08, que estabelece que os rótulos dos produtos informem a natureza transgênica do alimento. Esse projeto já passou pelas comissões técnicas e está pronto para a pauta do Plenário.

Fonte: Agência Câmara

Quer aprender a plantar Hortaliças orgânicas?



O SEBRAE do CE elaborou uma apostila ensinando as técnicas de plantio de hortaliças orgânicas. Bora lá aprender?
www.slideee.com/slide/apostila-de-hortali-as-org-nicas

Carioca terá alimento mais saudável e barato na mesa

Fonte: Sinfazerj

Com investimento em produtos orgânicos na Ceasa, agricultores esperam baixar preços em 10%. Levantamento aponta que 80% das empresas são familiares


Rio - O Rio terá seu primeiro mercado de alimentos orgânicos, aqueles cultivados sem produtos químicos, como as hortaliças que já são encontradas nos supermercados. A iniciativa pretende incentivar o segmento e tornar o produto, no mínimo, 10% mais barato. A proposta faz parte da modernização da Central de Abastecimento do Rio (Ceasa), em Irajá. De acordo com um levantamento inédito, 80% da produção vendida no local são de empresas familiares. 
O Pavilhão Orgânico será montado em uma área de 348 metros quadrados. As etapas para instalação do centro orgânico foram discutidas no último dia 15 de julho entre técnicos da Ceasa, integrantes da Comissão da Produção Orgânica do Rio (CPOrg) e de associações ligadas ao setor. A inauguração do espaço deve acontecer até o fim deste ano.
“Nós queremos fazer um grande mercado atacadista com esses alimentos para baixar os preços dos produtos”, adianta o coordenador do escritório Zona Norte do Sebrae, Leandro Marinho.
Segundo o consultor, a demanda do produto orgânico é grande, mas a ausência de mais estímulos faz o alimento ter preço elevado. 

“Na Zona Norte, por exemplo, não há referências de estabelecimentos de produtos orgânicos, apesar de haver público consumidor”, esclarece o coordenador. Os produtos orgânicos são mais caros do que os convencionais em função do maior trabalho com os alimentos, explica a presidenta da União das Associações e Cooperativas de Pequenos Produtores Rurais do Estado do Rio de Janeiro (Unacoop), Maria Helena Timóteo dos Santos. 
“O cultivo do produto orgânico precisa de um cuidado especial, como um filho recém-nascido”, compara. “Se o segmento for incentivado, acredito que, de início, o preço pode ficar 10% mais baixo em comparação ao preço atual”, afirma. “Se o consumidor final for até a Ceasa, o desconto pode ser maior, porque não há o preço do frete”, acrescenta.
Segundo dados do programa de Assistência Técnica e Extensão Rural, o estado tem 20 mil produtores com a Declaração de Aptidão ao Pronaf, que dá ao agricultor familiar o acesso à políticas públicas de incentivo. Desse total, dois mil têm potencial para o sistema orgânico. Isso significa que 10% dos agricultores podem migrar para modalidade alternativa. 
Para investir em negócios de orgânicos, as empresas se mostram preparadas juridicamente. Segundo levantamento do Sebrae feito em junho, 98% das microempresas são formalizadas e 99,2% das de pequeno porte estão na mesma situação. Por outro lado, a maioria dos empreendedores individuais (60%) é informal. “Temos a possibilidade de formalizar todos. Também queremos regularizar os trabalhadores que encaixotam os produtos e os carregadores, além do entorno do mercado”, diz Marinho. 
A maioria das empresas atende até 500 clientes por dia e 23% chegam a mais de mil. Diariamente, 47% comercializam até R$ 5 mil, e 20% superam R$ 20 mil em suas vendas diárias. Em um levantamento mensal, 19,3% superam R$ 500 mil em suas vendas e 9,7% ultrapassam R$ 1 milhão. A média de funcionários formais que trabalham na Ceasa é de 15 trabalhadores, e a de informais é de 3. Contudo, 61,1% das empresas não têm interesse em ampliar o número de pessoal.
Produtos frescos o ano todo
Outro ganho em prol da agricultura foi a recuperação do Pavilhão 30, que vai destinar 80% do espaço para o fomento da agricultura familiar, permitindo a comercialização gratuita para os produtores. Desde maio, a Ceasa assumiu diretamente o pavilhão, concedendo a facilidade para estimular as vendas. 
Ainda pensando no agricultor familiar, a Ceasa inaugurou em abril deste ano, no mercado de Irajá, o Pavilhão de Produtos Sazonais. O espaço ocupará uma área de 1.710 metros quadrados e será usado para a venda de produtos de todo o Estado do Rio que estejam na safra. 
A criação de um local específico para esse grupo era uma antiga reivindicação dos agricultores, que enfrentavam as dificuldades de vender sua produção sob sol e chuva. Os produtores comemoraram e já batizaram a área como “pavilhão da couve-flor”, por conta do produto que é vendido, praticamente, o ano todo. 
Mas para esse sucesso, os pequenos receberam auxílio do Sebrae. Foi o que aconteceu com Azildo Pereira Genevy, produtor rural em Santo Antônio de Pádua, que já colhe frutos de uma boa safra. Antes, Azildo só plantava tomates e fazia uso indiscriminado de agrotóxicos em sua plantação. “Depois da orientação, passei a plantar hortaliças, legumes e frutas”, explica Azildo. “Minha renda aumentou e até ampliei minha casa (de quatro para nove cômodos). Agora quero comprar uma caminhonete”, planeja o produtor.
Restaurantes já compram orgânicos
Foi lançado no último sábado o programa Parceiro do Agricultor. A iniciativa do Instituto Maniva em parceria com o Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio (SindRio) pretende incentivar a comercialização da produção agrícola orgânica no Rio. Apoiado pelo governo do estado e prefeitura, o projeto tem o objetivo de fortalecer o papel dos agricultores familiares que, muitas vezes, têm dificuldades de vender diretamente seus produtos nos centros urbanos.
“Este programa possui uma lógica reversa. O sistema atual é focado na oferta e não na demanda. Queremos agora estimular os restaurantes a participarem desta iniciativa”, explica a chef de cozinha Teresa Corção, fundadora do Maniva. 
Agricultora orgânica familiar, Fátima Anselmo fornece seus produtos a vários restaurantes cariocas. “Acredito que este programa fortalecerá a agricultura familiar em todo o estado. Isso dará condições aos agricultores de vender seus produtos e de se manter no campo. Vendo para vários restaurantes da alta gastronomia no Rio de Janeiro”, conta Fátima. Segundo ela, o Circuito de Feiras Orgânicas tem sido fundamental para ajudar os produtores. “Estamos chegando diretamente ao consumidor”, diz.
Fonte: O DIA Online

Sábado é dia de música na Feira de Orgânicos do Parque Chico Mendes em Sorocaba - SP

Fonte: Sorocaba Fácil

Da assessoria de imprensa da Prefeitura de Sorocaba

Neste sábado (30), das 9h às 13h, acontece mais uma edição da Feira de Transição Agroecológica e Orgânica no Parque Natural "Chico Mendes". Além de poder adquirir diversos produtos orgânicos, os visitantes também poderão prestigiar a apresentação musical do grupo “Gregos e Baianos”. O trabalho da banda une música, teatro e poesia, partindo da experiência pessoal e profissional de cada um dos integrantes.

Promovida pela Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria do Meio Ambiente (Sema), em parceria com o Grupo de Articulação Regional da Feira Orgânica de Sorocaba (Garfos), a feira tem como objetivo desenvolver atividades de Educação Ambiental ligadas à alimentação saudável e qualidade ambiental, além de fomentar a transição agroecológica e a produção de orgânicos em Sorocaba e região.




No local, a população poderá encontrar 81 tipos de diferentes produtos entre frutas, verduras e legumes, todos in natura, certificados como produtos orgânicos, ou em processo de certificação, de sete produtores da região de Sorocaba (Araçoiaba da Serra, Itapetininga, Ibiúna, Iperó e Piedade). Além disso, a Sema também faz a doação de mudas de árvores nativas e frutíferas no Parque, conforme a disponibilidade da espécie.

O Parque “Chico Mendes” está localizado na Avenida 3 de Março, 1025, no Alto da Boa Vista.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Mais doenças, mais lucro



Foto: Reprodução/Internet

Fonte: Envolverde Jornalismo e Sustentabilidade

À medida que o mundo moderno continua a consumir doenças – toxicidade ambiental, alimentos geneticamente modificados, gordura TRANS, excesso de sódio, açúcar, farináceos industrializados, conservantes, agrotóxicos, corantes etc. – as consequências à saúde se tornam mais prevalecentes e difíceis de se ignorar. Para a indústria farmacêutica , entretanto, não poderia ser melhor. A escalada de doenças colocou as fabricantes de remédios como uma das mais rentáveis do planeta. Com dúzias de escolhas de drogas para cada tipo de sintoma existente ou doença crônica, a indústria se equilibrou no fato de produzir bilhões de dólares mesmo com a saúde continuando a declinar vertiginosamente. O mais irônico de tudo isso é que a imensa maioria dos medicamentos fabricados é designada para tratar doenças que podem ser corrigidas por simples mudanças no estilo de vida, tais como adoção de métodos corretos de exercícios físicos e dieta alimentar.

No caso do Diabetes, por exemplo, a indústria farmacêutica tem estudos que prevêem faturamento de mais de 23 bilhões de dólares nos próximos 20 anos nos tratamentos dos estimados 280 milhões de novos pacientes diagnosticados com a doença.

Um estudo da American Heart Association estima que em 2030, cerca de 40% dos adultos americanos apresentarão algum tipo de doença cardíaca, incluindo comprometimento de artérias coronárias (angina, infarto), hipertensão arterial e acidente vascular cerebral (derrame), entre outras. O estudo não leva em conta mudanças no estilo de vida e que poderiam ser suficientes para evitar o surgimento dos problemas. O custo dos procedimentos médicos (medicamentos, cirurgia, tratamentos específicos etc) serão três vezes maiores do que os de hoje, no mínimo. A estimativa é que doenças cardíacas passem a custar cerca de US$ 1 trilhão por ano. Não é dificil se imaginar para onde vai a maioria desses recursos. Logicamente os principais premiados são os fabricantes dos remédios.

Não surpreendentemente, existe forte ligação entre doenças coronarianas e diabetes do tipo II. Estudos já bem documentados mostram que adultos portadores de diabetes são de duas a quatro vezes mais propensos a desenvolverem doenças cardíacas do que a população sem diabetes. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento desses problemas incluem o tabagismo, obesidade, sedentarismo e dieta alimentar desregrada. Ora, se a indústria alimentícia produz grandes “venenos” para se comer, usando a mídia para incentivar o aumento de peso, a indústria do tabaco continua a todo o vapor e nada se faz para educar a população quanto à adoção de hábitos de vida salutar, como imaginar que a SAÚDE venha a prevalecer? É claro que muitos lucram com a indústria da doença. …e que se danem os outros.

* Sergio Vaisman é médico especialista em Cardiologia e Nutrologia, formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

** Publicado originalmente no site Mercado Ético.

(Mercado Ético)

Virada Sustentável


São Paulo está ganhando mais feiras orgânicas. Neste sábado às 7 horas no Shopping Villa Lobos.


Em parceria com a AAO (Associação de Agricultura Orgânica) e com o MUDA SP (Movimento Urbano de Adroecologia de São Paulo) o Shopping Villa Lobos traz a partir deste domingo uma feira de produtos exclusivamente orgânicos! Que contará com show do Barbatuques, preparação de receitas pela chef Leila D, um delicioso café da manhã 100% orgânico, e uma série de degustações e oficinas sobre agricultura orgânica!

Os alimentos orgânicos têm mais sabor, mais nutrientes e substâncias antioxidantes que ajudam no bom funcionamento do seu organismo, tudo isso porque são cultivados sem agrotóxicos ou outros aditivos químicos, utilizando-se somente dos recursos proporcionados pela natureza! Nunca é tarde para melhorar seus hábitos!

Mais de vinte produtores te esperam com frutas, legumes, hortaliças e outros artigos orgânicos como pães, geleias, sucos, pizza e muito mais.
A feira passará a acontecer semanalmente e todo domingo contará com uma programação especial.

Serviço:
Feira de Produtos Orgânicos do Shopping VillaLobos
Local: Estacionamento Externo – 1º Piso
Período: Agosto a Dezembro
Programação: aos Domingos
Horário: Das 07h às 13h.
Endereço: Av. das Nações Unidas, 4.777 – Alto de Pinheiros / SP. Tel: 3024.3738

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Pão fermentado naturalmente "sem glúten" na classe de alimentos livres de glúten


Estudos médicos estão começando a mostrar que as alergias e sensibilidades ao glúten que as pessoas experimentam não são relacionadas ao trigo e produtos derivados do trigo por si sós, mas das novas variedades industriais do trigo e especialmente do pão e outros assados produzidos com fermento químico​​.

Um estudo de 2007 da Applied and Environmental Medicine descobriu que, quando o pão era fermentado naturalmente, este processo reduzia os níveis de glúten de cerca de 75.000 partes por milhão para 12, um nível que se situa dentro da classe de alimentos sem glúten.

Muitas pessoas com intolerância ao glúten descobriram que, ao mudarem para o pão de trigo de fermentação natural ou pão de centeio, seus sintomas desapareceram. "

Fonte: “Science to the Rescue, Whole Grains Under Siege” by Alex Jack, / Publisher, Amberwaves Essential Information on Diet, Energy & Healing, Spring 2014

Mas atenção: precisa ver o tipo de fermentação natural e também o grau de intolerância. Procure seu nutricionista.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas