quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Da série: A melhor maneira de ajudar uma pessoa é ensiná-la a pensar - Alimentos Longa Vida


A embalagem cartonada (conhecida também por longa vida), criada na década de 1970, trouxe enormes benefícios à sociedade, que pode armazenar alimentos por um longo período de tempo sem que os mesmos apodrecessem. Benéfica do ponto de vista logístico – foi adotada em larga escala para armazenar toda sorte de alimentos e bebidas imagináveis -, no entanto, tornou-se um grande problema ambiental: é um composto de papel, plástico e alumínio humanamente inseparável, o que impede sua reciclagem integral. 

(Entenda todo o processo no site  Como tudo funciona)

Já que a melhor maneira de ajudar uma pessoa é ensiná-la a pensar... Pensemos juntos

1) A embalagem Longa Vida é difícil de reciclar

2) Ela armazena os alimentos por um longo tempo para que eles não fiquem podres!!!! 

3) Se eu deixar um leite, um suco, um creme de leite ou qualquer outro alimento fora da geladeira numa prateleira por 6 meses, o que acontece?

4) Claro que para ele durar 6 meses sem apodrecer tem que passar por algum processo, o que acontece com os nutrientes desse alimento, será que é a mesma coisa um suco de laranja feito na hora e um de caixinha? E o leite então? 

5) Quanto custa o kilo da laranja e uma caixinha de suco longa vida? Quanto de laranja mesmo tem no litro de suco industrializado? E a vitamina C como fica?

6) Ah mas é  muito mais prático! Sera mesmo? Quanto tempo se leva para espremer 3 laranjas para fazer um copo de suco de verdade? 



7) Na questão do leite. Claro que não é possível para a maioria de nós ter uma vaquinha no quintal, mas tem as feiras orgânicas onde você pode comprar laticínios direto do produtor e de quebra abasteça sua geladeira com verduras diretas da horta. Tem os produtores orgânicos que entregam em sua casa. Tem os leites frescos vendidos no supermercado e que ficam na geladeira, assim como o creme de leite fresco sem aditivos químicos. Todos podem ser congelados. Você então pode comprar para a semana.

8) A ultrapasteurização é um processo no qual o leite é aquecido a temperaturas muito altas, acima de 140C. A essa temperatura, praticamente todos os microrganismos presentes no leite são eliminados, mas, com eles, algumas vitaminas e outros nutrientes também são perdidos. O leite é considerado fonte de outras coisas, como cálcio e proteínas. A perda de vitaminas e lactobacilos não é importante segundo a indústria de Leite Longa Vida.

9) O aquecimento a altas temperaturas no processo UHT é realizado para acabar com todas as bactérias e os microrganismos presentes no leite. Isso torna possível a armazenagem do produto sem refrigeração, desde que em embalagens apropriadas, por cerca de seis meses.( as bactérias e os microorganismos ficam lá  boiando mortinhos?)

10) O Leite Pasteurizado recebe um tratamento térmico suave de 72ºC, que garante a destruição de bactérias patogênicas. Com esta temperatura:
-As vitaminas do grupo B são praticamente inalteradas.
-As proteínas e açucares do leite não sofrem dano.
-Os lactobacilos benéficos para a flora intestinal permanecem vivos.Estes lactobacilos acidificam o leite em 5-7 dias, ou em muito menos se o leite não é conservado em frio. O que é um probiótico excepcional para a saúde, quando o leite é fresco, se torna um prejudicial da qualidade quando o leite é velho ou mal conservado.
-O leite pasteurizado pode ser conservado em qualquer embalagem (vidro, plástico).


Entendendo melhor os processos de Pasteurização e UHT:

O Leite UHT (Ultra Hight Temperature) sofre um tratamento térmico violento de 140ºC que destrói todas as bactérias, as patogênicas e as probióticas. 

Com esta temperatura:
-As vitaminas do grupo B são destruídas a níveis do 50%.
-As proteínas e açucares são alterados interatuando entre si (reação de Maillard), por isto o leite de caixinha tem sabor de queimado.
-Os lactobacilos probióticos são totalmente destruídos.
O leite UHT pode ser conservado por 180 dias sem frio, mas o forte impacto térmico e enzimas resistentes ao aquecimento fazem que os componentes, nutricionais e físicos, fiquem se deteriorando dia a dia. Por isto o leite de caixinha precipita, muitas vezes antes da validade.

O leite UHT é conservado em embalagens (caixinhas) de varias capas
(cartão, alumínio e plástico) de muito difícil reciclagem e de custo muito elevado.
-O leite UHT utiliza conservantes.
  • Citrato sódico. É usado como um anticoagulante em transfusões de sangue. Ele continua a ser usado hoje em tubos de coleta de sangue e para a preservação de sangue em bancos de sangue. O íon citrato seqüestra íons de cálcio no sangue, rompendo com o mecanismo de coagulação. É usado para tratar desconforto em infecções no trato urinário, tais como cistite, para reduzir a acidose vista em distal acidose renal tubular, e pode também ser usado como um laxativo osmótico.
  • Fosfato trissódico. Vendido como um enema, agindo como um laxativo para tratamento de constipação. Os enemas de fosfato de sódio são vendidos como “medicamentos de balcão” nos EUA.
  • Monofosfato monossódico. É usado como um laxativo e, em combinação com outros fosfatos de sódio, como um tampão de pH. Usado também na limpeza e tratamento de superfícies metálicas, no tratamento de efluentes, em processos da indústria farmacêutica.
  • Tripolifosfato de sódio. É utilizado como agente de flotação, dispersante, emulsificante, estabilizante de solos, seqüestraste e como reforçador em produtos destinados a limpeza, como detergentes e sabões em pó. Encontra aplicações em ramos de atividade e indústrias tão variados quanto na agricultura, argila e pigmentos, borracha, cimento e cerâmica, construção civil, sanitários, detergentes e produtos de limpeza, lubrificantes, papel e celulose, pastas para os mais diversos fins, indústrias petrolíferas, têxtil e formuladores têxteis, tintas e vernizes, tratamento de água, vidraria, tratamento de superfície e formuladores.
  • Outros conservantes similares utilizados no leite:
  • - Citrato trissódicoTrifosfato de sódio
    - Monofosfato de sódio
    - Difosfato dissódico
    - Difosfato de sódio

Fonte: Qualitat

Quer aprender a fazer leites vegetais????

E agora, pensando melhor para quem as embalagens Longa Vida 
são um excelente negócio? 
Para vc ou para a indústria de "produtos alimentícios" e pontos de venda?


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Cientista adverte: “em 2025, uma em cada duas crianças estarão autistas.”

Fonte: Mural Virtual



Ton Müller

Dr. Seneff observou a onipresença do uso do glifosato. Porque ele é usado em milho e soja, todos os refrigerantes e doces adoçados com xarope de milho e todos os chips e os cereais que contêm cargas de soja têm pequenas quantidades de glifosato neles, assim como a nossa carne bovina e de aves desde o gado e frango são alimentados com milho transgênico ou de soja.

Veja também : SÉRIE DE ARTIGOS SOBRE OS EFEITOS ADVERSOS DO GLIFOSATO


Por mais de três décadas, Stephanie Seneff, PhD, tem pesquisado biologia e tecnologia, ao longo dos anos que publicam mais de 170 artigos revisados ​​por pares acadêmicos.

Nos últimos anos ela tem se concentrado sobre a relação entre nutrição e saúde, abordando temas como o mal de Alzheimer, autismo e doenças cardiovasculares, bem como o impacto das deficiências nutricionais e toxinas ambientais na saúde humana.

Numa conferência de quinta-feira passada, em uma discussão especial painel sobre OGM, ela pegou o público de surpresa quando ela declarou: “Na taxa de hoje, em 2025, uma em cada duas crianças estarão autistas.”

Ela observou que os efeitos colaterais do autismo de perto imitam os de toxicidade do glifosato, e apresentou dados que mostram uma correlação muito consistente entre o uso de Roundup nas culturas (e da criação de Roundup-ready OGM sementes da cultura), com o aumento das taxas de autismo.

Crianças com autismo têm biomarcadores indicativos de glifosato excessiva, incluindo zinco e deficiência de ferro, sulfato de soro baixo, convulsões e distúrbio mitocondrial.

Um colega palestrante relatou que, após a apresentação do Dr. Seneff, “Todos os 70 ou mais pessoas presentes estavam se contorcendo, provavelmente porque agora tinha sérias dúvidas sobre servir os seus filhos, ou eles próprios, qualquer coisa com milho ou soja, que são quase todos geneticamente modificada e, assim, contaminada com Roundup e seu glifosato “.

O trigo é frequentemente pulverizado com Roundup imediatamente antes de ser colhido, o que significa que todos os produtos de pão de trigo e não-orgânicos também seria fontes de toxicidade do glifosato.

A quantidade de glifosato em cada produto não pode ser grande, mas o efeito cumulativo (especialmente com alimentos, tanto processados ​​como os americanos comem) poderia ser devastador.

Um estudo recente mostra que as mulheres grávidas que vivem perto de fazendas onde os pesticidas são aplicados têm um risco aumentado de crianças que têm um transtorno do espectro do autismo 60%.


Outras substâncias tóxicas também podem ser indutores de autismo. Você deve se lembrar nossa história sobre o denunciante CDC que revelou ocultação deliberada do governo da ligação entre a vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) e um risco significativamente elevada de autismo, principalmente em meninos afro-americanos.



Outros estudos já mostram uma ligação entre a exposição das crianças aos pesticidas e autismo. As crianças que vivem em casas com pisos de vinil, que podem emitir substâncias químicas de ftalato, são mais propensos a ter autismo. As crianças cujas mães fumaram também foram duas vezes mais probabilidade de ter autismo.

A investigação agora reconhece que os contaminantes ambientais, tais como PCBs, PBDEs e mercúrio pode alterar a funcionar mesmo antes de uma criança nascer neurônio cérebro.

Este mês, o USDA divulgou um estudo encontrando que, embora houvesse níveis detectáveis ​​de resíduos de pesticidas em mais da metade dos alimentos testados pela agência, 99% das amostras colhidas foram consideradas dentro dos níveis do governo considere seguro, e 40% foram encontrados ter nenhum traço detectável de pesticidas em tudo.

O USDA acrescentou, no entanto, que, devido a “preocupações com custos,” ele não testar de resíduos de glifosato. Vamos repetir: eles nunca testado para o ingrediente activo no herbicida mais utilizado no mundo. “preocupações custo”?

Quão absurdo, a menos que eles querem dizer que vai custar-lhes muito em termos da relação especial entre o USDA e Monsanto. Você deve se lembrar a porta giratória entre Monsanto e do governo federal, com funcionários da agência se tornar high-paying executivos e vice-versa! Dinheiro, poder, prestígio: está tudo lá. Monsanto eo USDA gostam de arranhar as costas uns dos outros. É evidente que esta omissão foi proposital.

Além disso, como já relatado anteriormente, o número de reações adversas de vacinas podem ser correlacionados, bem como com o autismo, embora Seneff diz que não se correlaciona bem, tanto quanto com Roundup. As mesmas correlações entre as aplicações de glifosato e autismo aparecer nas mortes por senilidade.

Naturalmente, o autismo é um problema complexo, com muitas causas potenciais. Dados do Dr. Seneff, no entanto, é particularmente importante considerando o quão perto a correlação é e porque está vindo de um cientista com credenciais impecáveis. No início deste ano, ela falou no autismo Uma conferência e apresentou muitos dos mesmos fatos; que a apresentação está disponível no YouTube.


Monsanto afirma que Roundup é inofensivo para os seres humanos. Bactérias, fungos, algas, parasitas, e as plantas usam uma via metabólica de sete passos conhecida como a via chiquimato para a biossíntese de aminoácidos aromáticos; glifosato inibe esta via, fazendo com que a planta morra, o que é por isso que é tão eficaz como um herbicida.

Monsanto diz que os seres humanos não têm essa via do chiquimato, por isso é perfeitamente seguro.

Dr. Seneff ressalta, porém, que as nossas bactérias intestinais têm esta via, e isso é crucial, porque estas bactérias fornecer nosso corpo com os aminoácidos essenciais.

Roundup mata assim bactérias intestinais benéficas, permitindo patógenos para crescer; interfere com a síntese de aminoácidos incluindo a metionina, o que leva a escassez de neurotransmissores críticos e folato; quelatos (remove) minerais importantes, como ferro, cobalto e manganês; e muito mais.

Pior ainda, ela observa, produtos químicos adicionais em Roundup não foram testados porque eles estão classificados como “inerte”, ainda de acordo com um estudo de 2014 no BioMed Research International, estes produtos químicos são capazes de amplificar os efeitos tóxicos do Roundup centenas de vezes mais.

O glifosato está presente em quantidades anormalmente elevadas no leite materno de mães norte-americanas, em qualquer lugar de 760 a 1.600 vezes os limites permitidos na água potável Europeia.

O exame de urina mostra americanos têm dez vezes a acumulação de glifosato como europeus.

“Na minha opinião, a situação é quase além do reparo”, disse Dr. Seneff depois de sua apresentação.”Precisamos fazer algo drástico.”

Fontes: Snops.com
Verdade Mundial

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Agenda de março


Olá, o ano finalmente começou e tenho boas novidades para vocês.

1) Saiu meu livro Consciência na Alimentação - Alimentando a vida de Vida, totalmente atualizado com dicas e pesquisas sobre os problemas que enfrentamos, receitas bem fáceis e práticas de bebidas, entradas, salgadinhos, salgados e doces, todas saborosas e muito saudáveis. Tem a versão Ebook e impressa. Está à venda no Clube dos Autores.

2) Cursos de Leites Vegetais - dias 13 ou 14 de março das 14 às 18hs e dias 20 ou 21 de março das 10 às 14hs. Quer saber o conteúdo do curso? Visite meu Blog Alimento Puro -alimentopuro.blogspot.com.br

3) Bate papo temperado - estou querendo marcar um bate papo dias 22 ou 29 de março (domingo) das 15 às 18hs aqui no meu stúdio no Jardim Paulista iniciando com o tema Glúten.
Minha intenção é fazer um encontro mensal tipo uma Confraria, onde os participantes escolheriam o tema do próximo encontro. Serão poucas pessoas (no máximo 6) para haver integração e participação. Valor R$ 50,00 / pessoa com degustação e oficina de culinária. O que acham? ( inscrição mediante depósito bancário)

4) Blogs: Tenho o prazer de dizer a vocês que meus Blogs Alimento Puro e BioCulinária estão sendo muito acessados, o que é uma boa notícia, pois significa mais gente querendo saber sobre alimentação consciente.

5) CINAI - 1º Congresso Internacional da Alimentação Inteligente. Vocês já se inscreveram? É Online e gratuito. Tem gente bem legal .

Abraços
Nadia Cozzi
Consultora de Alimentação Consciente, Culinarista e Blogueira

Maiores Informações: nacozzi@hotmail.com

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Alunos com restrição alimentar têm merenda especial na Afasc

Olha que legal para o pessoal de Santa Catarina!

Fonte: ENGEPLUS
Cinco refeições são servidas diariamente para mais de 4,5 mil crianças
18/02/2015 15:03 por Mariana Noronha - mariana.noronha@engeplus.com.br



Foto: Saimon Novack / Afasc


A alimentação das crianças acaba sendo sempre motivo de preocupação para os pais, principalmente para aqueles cujos filhos estão longe de casa ou têm algum tipo de restrição alimentar. É o caso da professora Daniela Branco, de 36 anos, que recebeu o diagnóstico do filho há um ano, de que Francisco, de um ano e três meses, é alérgico à proteína do leite. “Ele não pode comer nem alimentos que contenham traços de leite. Preciso estar sempre atenta aos rótulos”, comenta. Um dos momentos de tranquilidade para Daniela é quando Francisco está na escola. “Lá ele também recebe a alimentação adequada. Fico aliviada”.

O pequeno frequenta o Centro de Educação Infantil (CEI) Lapagesse, no Centro de Criciúma. Ele não é a única criança que tem restrição alimentar. Há coleguinhas, assim como ele, que não podem ingerir leite. Há também os intolerantes ao glúten. Isso não significa que os pratos servidos a eles sejam menos apetitosos. “Estamos sempre inovando e ampliando o número de receitas sem leite ou sem glúten. A meninada tem aprovado”, diz a cozinheira Janaina do Livramento, que ajuda a preparar diariamente as refeições de aproximadamente 500 crianças.

O mesmo cuidado e empenho com a alimentação dos pequenos tem a lactarista Zélia Domingos, que prepara, em média, 100 mamadeiras por dia. “Cada bebê tem uma alimentação específica. Por isso preciso estar sempre atenta durante o preparo e na hora da entrega”, afirma Zélia, que também utiliza papel e caneta como ferramentas de trabalho.

Cinco refeições são servidas diariamente para mais de 4,5 mil crianças

De acordo com a nutricionista da Afasc, Renata Manique Barreto, todos os 29 CEIs – que assistem mais de 4,5 mil crianças de zero a cinco anos - disponibilizam alimentação adequada para cada faixa etária. Ela explica que, no início do ano letivo é elaborado um cardápio balanceado que visa atender as necessidades nutricionais dos pequenos nas cinco refeições servidas na escola. “Montamos um cardápio específico para crianças de zero a quatro meses, de quatro meses a um ano, e de um a cinco anos”.

Segundo a nutricionista, para as crianças que têm restrição alimentar, a Afasc disponibiliza os alimentos necessários. “As cozinheiras e serventes, que passam por constantes capacitações, desenvolvem receitas sem leite, sem glúten... dependendo da necessidade de cada criança”, afirma Renata. Ela observa que, para receber a alimentação especial, é preciso que os pais apresentem um atestado médico apontando a restrição alimentar da criança. “Atualmente, nos CEIs da Afasc, as restrições estão associadas à lactose e ao glúten”.

Colaboração: Saimon Novack / Comunicação Afasc
 

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Herbalife causa danos sérios ao organismo!!

produtos-herbalife_MLB-F-4505541767_062013


Há muito tempo venho falando que shake não é alimento, principalmente os industrializados cheios de aditivos químicos e outras substâncias. 

Gostaria de compartilhar esta postagem do Blog de Henrique Freire Soares que fala sobre o assunto e apresenta alguns trabalhos científicos falando sobre os produtos da Herbalife. Aconselho a ler os comentários que trazem mais informações e depoimentos.

Recebi alguns e-mails solicitando que disponibilizasse trabalhos científicos que mostrem o "lado negro" dos produtos "Herbalife", principalmente danos hepáticos. Vou postar aqui os endereços eletrônicos de 5 trabalhos científicos. Primeiros trabalhos sairam em 2004, depois 2007 e tivemos novos casos em 2008. Pessoas com problemas em Israel, Suiça e também na América Latina. Vou além, o mais recente do ano passado (2009) mostra contaminação de microorganismos com os produtos desta marca. Basta clicar. 
Quem achar importante, ajude a divulgar o blog e "abrir a mente" de muitas pessoas.

Trabalho 1
Trabalho 2
Trabalho 3
Trabalho 4
Trabalho 5

O portal O Outro Lado da Moeda também traz mais informações sobre o assunto.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Rotule quem não quer o rótulo de Transgênicos

Fonte: desacato.info/destaques/rotule-quem-nao-quer-o-rotulo-de-transgenicos


Brasil,Destaques
PP
Eles não desistem NUNCA! Por um momento o PL da Rotulagem dos Transgênicos foi arquivado na Câmara, mas nem deu tempo de comemorar, pois seu proponente, o Deputado Luis Carlos Heinze pediu desarquivamento e o PL pode ser votado a qualquer momento! Vamos lembrar os ‘novos’ deputados que estamos alertas e que NÃO QUEREMOS TRANSGÊNICOS EM NOSSOS PRATOS! Envie uma mensagem agora: http://bit.ly/YA2GS5

Nota do Blog : Não me canso de perguntar, se é tão bom porque não coloca em letras bem destacadas em vez de esconder??????

A energia dos Alimentos e as Estações do Ano

Sabor e energia são fatores importantes quando nos alimentamos, porque a comida pode funcionar como agente que esquenta, esfria, acelera, acalma ou limpa o nosso corpo.

Em seu estado natural e sem agrotóxicos, folhas, raízes, flores, brotos, frutas, mel, grãos e ervas guardam intocada a energia vital que vem das forças da Terra, da Água e do Sol.

Nas últimas décadas, com o desenvolvimento da ciência alimentar, pode-se encontrar tudo o ano todo.Mas, em cada estação a Natureza oferece ao Homem o seu melhor, tornando mais vibrantes certas espécies de alimentos. Ao longo das estações do ano, o sol varia sua potência e abençoa a terra com diferentes energias.

Estimular o paladar com gostos diferentes é uma forma saudável de transformar o humor e as emoções. Uma boa alimentação deve ter a presença equilibrada de todas as nuances do paladar:




Pimavera
Nessa época do ano os alimentos devem ser cozidos levemente.
Consuma vegetais crus e muitas frutas.

Alimentos bons da estação: couve-flor, brócolis, agrião, tomate, alcachofra, couve, caqui, banana, goiaba, figo, alho-poró, laranja, mamão, maçã, uva.









Verão
O verão é sempre muito ativo e para equilibrar tanta energia, prefira alimentos frios, frescos e crus.

Alimentos bons da estação: almeirão, espinafre, salsa, alface, mostarda, abacaxi, melão, manga, pêssego, chá de carqueja e de artemísia.

















Outono
O clima fica seco e é preciso repor a umidade do corpo com pratos mais bem cozidos.

Alimentos bons da estação: rabanete, cebola, pepino, aveia, cevada, trigo, milho, mandioca, ameixa, fruta-pão, uva branca, carambola, chá de melissa, gengibre e hortelã.
















Inverno
No inverno é o momento de ingerir pratos bem energéticos. Refeições densas e suculentas são as mais recomendadas.

Alimentos bons da estação: cenoura, beterraba, batata, inhame.






Estou dando alguns exemplos dos alimentos bons em cada estação, mas a Natureza é generosa e outras combinações podem ser criadas levando-se em conta as características de cada estação.

Respeite a Natureza, suas estações e com certeza você acerta nos alimentos, que serão mais puros e cheios de energia.

Canola - uma planta que não é obra da Natureza


A VERDADE SOBRE O ÓLEO DE CANOLA
Fonte: www.drvictorsorrentino.com.br/a-verdade-sobre-o-oleo-de-canola


Written by admin. Posted in Sem categoria

CANOLA – A grande fraude
Artigo de: Sally Fallon e Mary G. Enig, PhD

Óleo de canola é amplamente reconhecido como o mais sadio óleo para salada e cozimento disponível para os consumidores. Ele foi desenvolvido por hibridação da colza. O óleo de colza é tóxico porque contém quantidades significativas de uma substância perigosa chamada de ácido erúcico. O óleo de Canola contém somente traços de ácido erúcico e seu perfil peculiar de ácidos graxos, rico em ácido oléico e reduzido em gorduras saturados, o faz particularmente benéfico pela prevenção de doença do coração. Também contém quantidades significativas de ácidos graxos ômega – 3, que também têm mostrado serem benéficos à saúde. Isso é que a indústria alimentar afirma sobre o óleo de canola.

Óleo de Canola é uma substância venenosa, um óleo industrial que não pertence ao corpo. Contém “o infame agente do gás mostarda da guerra química”, hemaglutininas e glicosídeos tóxicos; causa a doença da vaca louca, cegueira, desordens nervosas, adesão de hemácias e depressão do sistema imunológico. Isso é o que falam os detratores do óleo de canola e me incluo nestes!


Como fica o consumidor para se situar entre as conflitantes afirmações a respeito desse produto? Seria o óleo de canola um sonho que virou realidade ou um veneno mortal? E por que a canola capturou um espaço tão marcante entre os óleos utilizados pelos alimentos processados? Amigos, este post poderá ser um pouco “chato” de se ler, uma vez que apresento um pouco de história para que compreendam pelo menos uma parte de todo lobby que a indústria faz para que novos produtos sejam lançados e aceitos pela comunidade médica como saudáveis. Me parece um verdadeiro circo, onde profissionais de saúde viam os palhaços. A indústria lança, médicos aceitam, espalham as idéias absurdas, população paga um preço altíssimo no momento em que acredita e fica cada vez mais doente e aí por diante. Mas existem pessoas se beneficiando muito com isto tudo: Indústria alimentícia, farmacêutica e em última instância, os próprios profissionais de saúde que se amparam e vivem das doenças, ou seja, será que teremos uma solução real? O Óleo de Canola é um verdadeiro veneno, adicionado dentro do Brasil inclusive em formulações infantis como o NAN e virou sinônimo de saúde para 9 em cada 10 profissionais da área da saúde infelizmente. Para aqueles que não terão “paciência” de ler o post, recomendo que não usem, não comprem, mas façam uso do Óleo de Côco Extra Virgem ok? Para os interessados, escrevi um artigo sobre os benefícios do óleo de côco.

HISTÓRIA OCULTA
Vamos começar com um pouco de história. O período de tempo é o meados da década de 1980 e a indústria alimentar está tendo um problema. Em coordenação com a Associação Americana do Coração (American Heart Association), com numerosas agências governamentais e com departamentos de nutrição das principais universidades, a indústria vinha promovendo os óleos poliinsaturados como uma alternativa saudável para o coração em relação às gorduras saturadas “obstruidoras de artérias”. Desafortunadamente, estava vez ficando mais claro que os poliinsaturados, particularmente o óleo de milho e o óleo de soja, causariam numerosos problemas de saúde, inclusive e especialmente o câncer.1

A indústria estava amarrada. Não poderia continuar utilizando quantidades grandes de óleos poliinsaturados líquidos e proclamarem seus saudáveis predicados face às evidências que acabariam por demonstrar seus perigos. Mas esses mesmos fabricantes não podiam retornar ao emprego tradicional e saudável de gorduras saturadas – manteiga, toicinho, banha, gordura de coco e óleo de palma – sem causar um alvoroço. Além disso, essas gorduras têm um alto custo para as implacáveis margens de lucro da indústria.

A solução foi abraçar o uso de óleos monoinsaturados, tal como o óleo de oliva (azeite). Estudos tinham mostrado que o óleo da azeitona tem um efeito “melhor” do que os óleos poliinsaturados nos níveis de colesterol e em outros parâmetros do sangue. Além disso, Ancel keys e outros promotores da idéia da dieta cardíaca (diet-heart Idea) tinham popularizado a noção que a dieta do Mediterrâneo – rico em azeite em conjunto com imagens de uma existência despreocupada sob o sol daquelas ilhas – protegeria contra a doença cardíaca e assegurava uma vida longa e saudável.

O Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (NHLBI) patrocinou o Primeiro Seminário sobre Monoinsaturados da Philadelphia. A reunião foi presidida por Scott Grundy, um prolífico escritor e apologista da noção de que o colesterol e as gorduras de origem animal causam doença do coração. Aqui um dos primeiros GRANDES erros da história da medicina moderna, pois a população está pagando o preço desta informação infame a qual tantos profissionais de saúde continuam aceitando e divulgando. Mas os representantes da indústria de óleo comestível, incluindo a Unilever, estavam presentes. O Segundo Seminário sobre Monoinsaturados tomou lugar em Bethesda, Maryland, no início de 1987. O dr. Grundy foi associado a Claude Lenfant, cabeça do NHLBI, e os oradores incluíam Fred Mattson, que tinha passado muitos anos na Proctor e Gamble, e o cientista Holandês Martign Katan, que mais tarde viria a publicar pesquisas que mostravam os problemas com os ácidos graxos “trans”. Nessa época os artigos que exaltavam as virtudes de óleo de oliva começavam a aparecer na imprensa popular.

O problema para a indústria é que não haveria azeite suficiente no mundo para atender suas necessidades. E, como a manteiga e outros gorduras tradicionais, o óleo da azeitona seria também bem mais caro para utilização em alimentos processados. A indústria precisaria de um óleo monoinsaturado menos dispendioso.

O óleo de colza (Rapeseed oil) era um óleo monoinsaturado que tinha sido usado extensivamente em muitas partes do mundo, notavelmente na China, Japão e Índia. Contém quase 60% de ácidos graxos monoinsaturados (comparado aos quase 70 por cento do azeite). Desafortunadamente, quase dois terços dos ácidos graxos monoinsaturados da colza é ácido erúcico, um ácido graxo monoinsaturado com 22 carbonos, que está associado com a doença de Keshan, caracterizada por lesões fibróticas do coração.

CRIANDO O MARKETING
Em 1978, a indústria firmou o termo “canola”, para o “Óleo canadense” (Canadian Oil), uma vez que essa nova colza foi originada no Canadá. “Canola” também soava de forma semelhante a expressões positivas na língua inglesa: “can do” and “payola” – muito favoráveis na linguagem do jargão do marketing. Entretanto, o nome novo não emplacou até o início da década de 90.

O desafio inicial para Conselho Canadense da Canola seria o fato de que a colza não tinha recebido o status de GRAS (Geralmente reconhecido como seguro) pelo FDA americano (Administração de Alimentos e Medicamentos, órgão que regula a liberação de alimentos e medicamentos nos EUA, NT.) Uma mudança na regulamentação seria necessária antes que a canola pudesse ser comercializada nos Estados Unidos. 4 Precisamente como isso aconteceu não foi revelado, mas o status de GRAS foi concedido em 1985, pelo qual, existe rumores, de que o governo Canadense teria gasto 50 milhões de dólares pela liberação.

Como a canola foi dirigida ao crescente número de consumidores preocupados com sua saúde, as técnicas de marketing teriam que ser mais sutis do que as técnicas de propaganda televisa dos “junk foods”. A indústria teria que administrar o manejo do perfeito casamento entre a ciência com o óleo canola – reduzido teor de gordura saturada e rico em monoinsaturados. Adicionalmente, o óleo de canola contém mais de 10% de ômega-3, a descoberta mais recente que os nutricionistas tinham estabelecido. A maioria dos americanos são deficientes em ômega-3, um ácido graxo que tinha sido demonstrado como benéfico para o coração e para o sistema imunológico. O desafio seria como comercializar este ácido graxo, um verdadeiro “sonho que virou realidade”, para os consumidores mais esclarecidos.

O óleo Canola começou a aparecer nas receitas de livros de saúde afiados, como o de Andrew Weil e Barry Sears. A técnica foi exaltar as virtudes da dieta do Mediterrâneo e do azeite (de oliva) no texto, e então listar “óleo de oliva ou óleo de canola” nas receitas. Um informante na indústria da editoração nos disse que desde os anos 90 os maiores editores não iriam aceitar livros de receitas, se eles não incluíssem canola como ingrediente.

A estratégia da indústria da canola – conferências científicas, promoção para consumidores diferenciados através de livros como The Omega Diet e de artigos em seções de saúde de jornais e revistas – obteve êxito. No final dos anos 90 a canola tinha voado alto, e não apenas nos EUA. Atualmente China, Japão, Europa, México, Bangladesh e Paquistão, todos compram quantidades significativas. A canola cresce bem em ambientes áridos tais como a Austrália e as planícies Canadenses, onde se tornou na principal lavoura econômica. É o óleo de escolha em mercados de alimentos saudáveis como o Fresh Fields (comidas integrais), e cresce como item de supermercado. É comumente utilizado em margarinas sendo amplamente recomendado para redução do colesterol. A canola hidrogenada é utilizada cada vez mais em frituras, especialmente em restaurantes.


PERIGOS
Artigos relacionados com os perigos do óleo de colza são rampantes na Internet, a maior parte originado de um artigo, “Cegueira, doença da Vaca Louca Doença e o óleo Canola (Blindness, Mad Cow Disease and Canola Oil)” de John Thomas, que apareceu na revista Perceptions, de março/abril de 1996.

Glicosídeos ou glicosinolatos (compostos que produzem açúcar pela hidrólise) são encontrados na maior parte dos membros da família brassica, incluindo brócolis, couve, repolho e nas mostardas. Eles contêm enxofre (não arsênico), o que dá um aroma picante aos vegetais tipo as mostardas e as crucíferas. Estes compostos são goitrogênicos (provocador de bócio, na tireóide, NT.) e devem ser neutralizados pelo cozimento ou pela fermentação. Como os alimentos à base de colza têm altas taxas de glicosídeos, não poderia ser usados em quantidades grandes como ração para animais.

As hemaglutininas, substâncias que promovem a coagulação do sangue e que prejudica o crescimento, é encontrado na porção protéica da semente, embora vestígios podem aparecer no óleo.


OS ESTUDOS
Os primeiros estudos publicados sobre o novo óleo foram desenvolvidos em 1978 com recursos de pesquisa da Unilever na Holanda e obviamente não trariam informações ruins a respeito deste produto desenvolvido por eles próprios, não é mesmo? Em estudos iniciais, os animais alimentados com colza com altas taxas de ácido erúcico mostraram retardo de crescimento e mudanças indesejáveis em vários órgãos, especialmente o coração, uma descoberta que provocou a assim chamada “crise do ácido erúcico” o que impeliu os geneticistas da planta a desenvolver versões novas da semente.

Por último, estudos empreendidos nas Divisões de Pesquisa de Saúde e Toxicologia de Ottawa, Canadá, descobriu que ratos criados para terem pressão do sangue elevada e propensos ao acidente vascular cerebral têm uma expectativa de vida menor quando são alimentados com o óleo de canola sendo a única fonte de lipídios. Os resultados de um estudo posterior sugeriram que o culpado seria um composto esteróide do óleo, que “tornaria a membrana celular mais rígida” e contribuindo para o encurtamento da vida dos animais.

Todos estes estudos apontam na mesma direção – que o óleo de canola definitivamente não é saudável ao sistema cardiovascular. Como o óleo de colza, seu predecessor, o óleo canola está associado com lesões fibróticas no coração. Também causa deficiência de vitamina E, mudanças indesejáveis nas plaquetas, e encurta a expectativa de vida de ratos (propensos ao derrame), quando esse óleo é a única fonte lipídica da dieta. Além disso, parece retardar o crescimento, o que faz com que o FDA não permita o uso de óleo de canola em fórmulas infantis.19 (Fórmulas infantis comerciais vendidas no Brasil, como o NAN®, da Nestlé, têm óleo de canola em sua composição, NT.). Um verdadeiro absurdo, não é mesmo?
Quando gorduras saturadas são adicionados à dieta, os efeitos indesejáveis de óleo canola são suavizado, por incrível que pareça, pois tudo o que nós sempre ouvimos falar é que gordura saturada faz mal, mas já escrevi um artigo demonstrando que esta informação é completamente equivocada.



PROCESSAMENTO
Uma grande parte do óleo de canola utilizado nos alimentos processados foi “endurecida” através do processo de hidrogenação, o que introduz altos níveis de ácidos graxos trans no produto final, algo em torno de 40%. De fato, os hidrogenados do óleo canola são muito atrativos, pois são melhores que os óleos de milho e de soja, uma vez que os modernos métodos de hidrogenação tem ação preferencial sobre o ômega – 3, e o óleo de canola é rico em ômega – 3. Esses níveis mais altos trans significam vida mais longa para esses alimentos processados nas prateleiras, uma textura crocante nos biscoitos e nas bolachas – e mais riscos de doença crônica ao consumidor.


O MITO DOS MONOINSATURADOS
A aceitação pelo consumidor do óleo de canola representa uma entre uma série de vitórias da indústria de alimentos processados, cuja meta é a substituição de todos os alimentos tradicionais pelos alimentos de imitação, originados a partir de produtos derivados da soja, do milho, do trigo, e outras sementes oleaginosas. O óleo de canola veio a salvar a indústria uma vez que a promoção de óleos poliinsaturados, como soja e milho, foi se tornando cada vez mais insustentável. Os cientistas poderiam endossar o óleo canola com boa intenção, como se fosse um óleo saudável para o coração, com suas reduzidas taxas de gordura saturada, com suas altas taxas de monoinsaturados e por ser uma boa fonte de ômega-3.

Mas a maior parte do ômega–3 do óleo de canola é transformado em gorduras trans durante o processo de desodorização; e pesquisas continuam a provar que a gordura saturada é necessária e altamente protetora.

O excesso de ácido oléico (o tipo de ácido graxo monoinsaturado do azeite e do óleo canola) cria desequilíbrio a nível celular que pode inibir a produção de prostaglandinas. Em um estudo, o consumo excessivo de gordura monoinsaturadas estaria associado com um risco aumentado de câncer de mama.


Sobre as autoras:

Mary G. Enig, PhD é a autora de “Know Your Fats: The Complete Primer for Understanding the Nutrition of Fats, Oils, and Cholesterol, Bethesda Press, maio, 2000.Peça sua cópia no site: www.enig.com/trans.html.
Sally Fallon é a autora de Nourishing Traditions: The Cookbook that Challenges Politically Correct Nutrition and the Diet Dictocrats, e “Eat Fat, Lose Fat” (juntamente com M. Enig, PhD), além de um grande número de artigos sobre dietas e saúdes. Ela é a presidente da Weston A. Price Foundation e fundadora da campnah pelo leite bruto integral (A Campaign for Real Milk). Ela é a mãe de quatro crianças saudáveis nutridas com alimentos integrais como manteiga, nata, ovos e carne. – See more at: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/03/verdade-sobre-o-oleo-de-canola.html#sthash.Y1GrbP0n.dpuf


Referências
1. MG Enig and SW Fallon. The Oiling of America.
2. RK Downey. Genetic Control of Fatty Acid Biosnythesis in Rapeseed. Journal of the American Oil Chemists Society, 1964;41:475-478.
3. Journal of the American Oil Chemists’ Society, December 1986;63(12):1510.
4. Canola – a new oilseed from Canada. Journal of the American Oil Chemists’ Society, September 1981:723A-9A.
5. The amount of the advance was $350,000. Personal email communication, Jo Robinson, co-author of The Omega Diet.
6. AP Simopoulos and N Salem, Jr. Egg yolk as a source of long-chain polyunsaturated fatty acids in infant feeding. American Journal of Clinical Nutrition, 1992;55
7. AP Simopoulos and J Robinson. The Omega Plan. Harper Collins Publishers, New York, NY, 1998.
8. Canola – a new oilseed fromCanada. Journal of the American Oil Chemists’ Society, September 1981:723A-9A.
9. M Purdey. Educating Rida. Wise Traditions, Spring 2002;3(1):11-18.
10. When we contacted Dr. Wolke to provide him with evidence of canola dangers, he was dismissive.
11. RO Vles and others. Nutritional Evaluation of Low-Erucic-Acid Rapeseed Oils. Toxicological Aspects of Food Safety, Archives of Toxicology, Supplement 1, 1978:23-32
12. HL Trenholm and others. An Evaluation of the Relationship of Deitary Fatty Acids to Incidence of Myocardial Lesions in Male Rats. Canadian Institute of Food Science Technology Journal, October 1979;12(4):189-193
13. JKG Kramer and others. Reduction of Myocardial Necrosis in Male Albino Rats by Manipulation of Dietary Fatty Acid Levels. Lipids, 1982;17(5):372-382.
14. FD Sauer and others. Additional vitamin E required in milk replacer diets that contain canola oil. Nutrition Research, 1997;17(2):259-269.
15. JK Kramer and others. Hematological and lipid changes in newborn piglets fed milk-replacer diets containing erucic acid. Lipids, January 1998;33(1):1-10.
16. SM Iunis and RA Dyer. Dietary canola oil alters hematological indices and blood lipids in neonatal piglets fed formula. Journal of Nutrition, July 1999;129(7):1261-8.
17. WMN Ratnayake and others. Influence of Sources of Dietary Oils on the Life Span of Stroke-Prone Spontaneously Hypertensive Rats. Lipids, 2000;35(4):409-420.
18. MN Wallsundera and others. Vegetable Oils High in Phytosterols Make Erythrocytes Less Deformable and Shorten the Life Span of Stroke-Prone Spontaneously Hypertensive Rats. Journal of the American Society for Nutritional Sciences, May, 2000;130(5):1166-78
19. Federal Register, 1985.
20. OA Levander and MA Beck. Selenium and viral virulence. British Medical Bulletin, 1999;55(3):528-33.
21. H Gerster. Can adults adequately convert alpha-linolenic acid (18:3n-3) to eicosapentaenoic acid (20:5n-3) and docosahexaenoic acid (22:6n-3)? International Journal of Vitamin and Nutrition Research 1998;68(3):159-73.
22. Wall Street Journal, June 7, 1995, p. B6.
23. MG Enig. Benefits of Saturated Fats. Wise Traditions, Summer 2000;1(2):49.
24. S O’Keefe and others. Levels of Trans Geometrical Isomers of Essential Fatty Acids in Some Unhydrogenated US Vegetable Oils. Journal of Food Lipids1994;1:165-176.
25. JL Sebedio and WW Christie, eds. Trans Fatty Acids in Human Nutrition, The Oily Press, Dundee, Scotland, 1998, pp 49-50.
26. MG Enig, Trans Fatty Acids in the Food Supply: A Comprehensive Report Covering 60 Years of Research, 2nd Edition, Enig Associates, Inc., Silver Spring, MD, 1995.
27. Horrobin, David F, Prostaglandins: Physiology, Pharmacology and Clinical Significance, The Book Press, Brattleboro, Vermont, 1978, p 20, 35
28. V Pala and others. Erythrocyte membrane fatty acids and subsequent breast cancer: a prospective Italian study. Journal of the National Cancer Institute, July 18, 2001;93(14):1088-95.
29. LL Rudel and others. Dietary monounsaturated fatty acids promote aortic atherosclerosis in LDL-receptor-null, human ApoB100-overexpressing transgenic mice. Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology, November 1998;18(11):1818-27.

O texto original está no link: http://www.westonaprice.org/knowyourfats/conola.html- See more at: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/03/verdade-sobre-o-oleo-de-canola.html#sthash.xbB4YDyI.dpuf

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Educação oferece cardápio especial para aluno com restrição alimentar

Fonte: JE ONLINE
05/02/2015 às 09h01min - Atualizada em 05/02/2015 às 09h01min
Texto: Assessoria de Imprensa - Foto: Reprodução / Internet

Estudantes com intolerâncias e alergias diversas devem comunicar escolas para receber merenda adequada



A Secretaria da Educação do Estado abriu um cadastro para alunos da rede que apresentam restrição alimentar. Eles podem ter à disposição um cardápio servido na merenda escolar e adaptado pela equipe de nutricionistas da rede. Para o ano de 2015, Secretaria solicita aos pais ou responsáveis que informem nas próprias unidades de ensino a necessidade de receber a dieta compatível a intolerância à lactose ou glúten, hipertensão, alergias diversas e diabetes.

A informação sobre a condição alimentar pode ser feita na secretaria escolar ou na diretoria da unidade de ensino. A partir desses dados, o Departamento de Alimentação e Assistência da Secretaria traça um cardápio que atende às necessidades de cada patologia. As sugestões são enviadas às escolas e seguidas pela equipe de gestores e merendeiras das unidades.

Além disso, os profissionais de nutrição fazem visitas periódicas às escolas e acompanham de perto a evolução desses alunos. A proposta é minimizar as possíveis reações causadas por uma dieta inadequada.

Segundo o Departamento de Alimentação, auxiliar na melhora do quadro de saúde dos alunos com necessidades nutricionais específicas e fazer o acompanhamento são os objetivos do cadastro.

"A alimentação saudável é um hábito que melhora a qualidade de vida do aluno dentro e fora da escola. Por isso, as unidades de ensino recebem produtos elaborados com baixo teor de sódio, de gordura e ricos em vitaminais. Os profissionais que trabalham na manipulação dos alimentos também recebem treinamento específico", afirma o secretário a Educação, professor Herman Voorwald.

Além disso, faz parte do cronograma de atividades das 2,3 mil unidades de ensino que integram o Programa Escola da Família atividades gratuitas e abertas à comunidade que trabalham, por exemplo, a importância das atividades físicas e da escolha saudável dos produtos alimentícios.

Secretaria da Educação do Estado de São Paulo

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Dia do Bem com Culinária Saudável na Festa do Aniversário de São Paulo

Que honra poder comemorar o aniversário da minha Sampa falando do que mais gosto Alimentação Consciente. Foi um convite gentilíssimo do Projeto 3 Corações do Exército da Salvação e tive o apoio delicioso do pessoal do Lancheira Saudável.





A palhacinha Alexia veio trazer seus abraços e sua contribuição para uma lancheira saudável


Adorei conhecer o carro cozinha equipadíssimo do Exército da Salvação, usado em épocas de tragédias para levar alimentos às pessoas carentes e que poderia fazer um trabalho muito legal de conscientização de alimentação junto às escolas e também compartilhar o trabalho belíssimo que els fazem e que a maioria das pessoas desconhece. Vamor sugerir Patrícia e Giselli?




Enfeitamos nosso espaço com panos e almofadas, convidando o público para nossas 3 oficinas de Culinária Saudável, prática e saborosa:

1) De mãos dadas - Saboroso e Saudável -  receita de torta de banana



Os ingredientes separadinhos tornam a receita prática e rápida e não tem "nadica de nada" de aditivos químicos.

2) BBB – Bom, bonito e barato - receita de torta de legumes


3) Hoje é dia de festa - receita de bolo de chocolate feito com abobrinha. A criançada e confesso os adultos também não acreditaram que um bolo de chocolate delicioso pudesse ter "pasmem" meio quilo de abobrinha!!!!


Alexia tinha que experimentar a massa do bolo de chocolate né! Foi só começar e todo mundo quis também!



Explicamos os malefícios dos alimentos industrializados cheios de açúcar, sódio e gordura e como é possível comer com sabor e saúde usando os alimentos de verdade. Contamos com a presença da Nutricionista Yuri Sato que nos brindou com informações valiosas e provou que na maioria das vezes fazer em casa é bemmmm mais barato e saudável..

No final, satisfeitos com os sabores e a facilidade de fazer essas delícias todos foram convidados a pendurarem na árvore seus desejos para a alimentação do futuro.


Foi um dia bem gostoso, o clima ajudou e as pessoas sairam mais animadas para procurar alternativas melhores para a saúde e que preservem a Vida em seu mais amplo sentido. 
Parabéns São Paulo, 
Parabéns Exército da Salvação por nos dar essa oportunidade. 
Alimento é Vida!



Mais fotos:

Foi muito bom contar com a ajuda da minha querida aluna, que fazia muito tempo que eu não via e ela já se inscreveu para o novo Curso de Culinária Saudável para comer e vender lá no Projeto 3 Corações que começa em março.





 Receitas:


Torta de Banana
Ingredientes:
3 ovos tipo caipira
1 e ½ xícara de leite fresco
½ xícara de óleo de girassol
1 xícara de farinha de trigo
½ xícara de açúcar
1 colher de sopa de fermento em pó
1 colher de café de sal marinho

Modo de Preparar:
Bata todos os ingredientes no liquidificador e leve a uma forma untada e enfarinhada. Coloque o recheio por cima e salpique açúcar e canela. Leve ao forno preaquecido e deixe até ficar douradinha, espete com um palito, se sair sequinho está pronta.

Recheio:
3 bananas grandes bem maduras
Sabe aquelas bananas que estão maduras e a gente já não sabe o que fazer com elas? Então pique em tiras ou rodelinhas e coloque por cima da massa da torta.

Pode ser maçã, maçã e banana e o que mais sua imaginação criar.




Bolo de Chocolate feito com abobrinha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas