quarta-feira, 22 de abril de 2015

Banha de porco: o ingrediente secreto dos nossos avós!



Fonte: Dr. Rondó
Quantas vezes você já teve a oportunidade de ouvir, seja dos seus avós ou até mesmo dos seus pais, que “antigamente a comida não era assim”. E isso não é exagero deles, não! Eles têm mesmo do que sentir saudades.

Na época deles, quando iam para a cozinha, toda a refeição era preparada com um ingrediente que emprestava um sabor todo especial à comida e que, infelizmente, nós não conhecemos. Eu estou falando sobre algo muito bom e bem antigo: a banha!

Sim, estou falando sobre a gordura de porco, o alimento mais demonizado no século 20 e que está se tornando a grande novidade nutricional.

Nos últimos 60 anos os “especialistas” nos fizeram acreditar que os óleos vegetais eram extremamente saudáveis e muito mais seguros. Diziam também que a banha de porco deveria ser banida de uma vez por todas da nossa alimentação. Quanta bobagem! Até as primeiras décadas do século 20 todo mundo cozinhava usando a banha de porco sem nenhum tipo de questionamento.

Entretanto, com o aparecimento da indústria do óleo de algodão, teve início uma adulteração da banha de porco. Os fabricantes do óleo de algodão precisavam de um destino para os seus produtos, então passaram a misturar a banha de porco como o óleo de algodão e o óleo de oliva. Lógico que isso era feito às escuras, pois até mesmo as pessoas que participavam deste processo sabiam que aquilo não era natural e que era possivelmente perigoso.

Como tudo que é errado não dura por muito tempo, quando esse assunto veio à tona foi um escândalo. Tanto que foi aberta uma investigação pelo Congresso Americano para averiguar o caso. As nações estrangeiras ao descobrir a adulteração baniram o óleo de oliva americano de suas dietas.

Há cerca de 100 anos, o óleo de algodão era considerado algo ruim. Mas hoje, esse e outros óleos provenientes de plantas variadas estão por todos os lados, inclusive promovendo o aumento da doença cardiovascular, diabetes, obesidade, Alzheimer etc. Portanto, essa é a hora de voltamos a utilizar a banha de porco em nossas receitas. Naquela época, há 100 anos, eram raríssimos os casos destas doenças.

Veja só mais alguns mitos relacionados à banha de porco. Sinceramente eu espero que eles mudem os seus conceitos sobre este alimento:

1) Banha de porco causa doença cardíaca:

Conforme aumentava o consumo do óleo de algodão, ocorria concomitante o declínio da saúde cardíaca, tendo sido promovido como a alternativa saudável à banha de porco. Depois disso, a banha e a manteiga foram rapidamente atiradas para fora, e surgiam os óleos vegetais: algodão, canola, soja, milho etc.

Enquanto a gordura animal é saudável para as suas artérias, sobre os óleos vegetais não podemos dizer o mesmo.

Segundo um estudo de longa duração envolvendo 458 homens que sofreram ataque cardíaco ou angina, os indivíduos que substituíram gorduras animais por óleo vegetal, tiveram o dobro de mortes quando comparados com homens que consumiram gordura animal.

2) Banha é gordura saturada:

Não há nenhum problema em relação à gordura saturada animal, como se pregou. Só que a banha não é gordura saturada pura. Esse é outro mito feito pela indústria dos óleos vegetais para descredenciar essa gordura. Na verdade, a banha tem uma composição perfeitamente balanceada com cerca de 40% de gordura saturada e 45% de gordura monoinsaturada.

E falando de gorduras, banha de animais criados soltos, pastoreando, são riquíssimos em ômega 3 e pobre em ômega 6.

3) A banha vai piorar o colesterol:

Novamente não vejo nenhum problema com os valores de colesterol elevado causado por alimentação rica em gordura animal.

Você só não pode como deve consumir banha, pois o colesterol da alimentação proveniente de fontes naturais (banha ou ovos) não vai elevar o seu colesterol sanguíneo.

Se você seguir os padrões de saúde, a banha de porco passa em qualquer teste só que isso não é divulgado porque há interesses da indústria dos óleos vegetais.

Quer um conselho? Pare para refletir um pouco você tem todos os motivos do mundo para voltar a cozinhar utilizando a banha de porco. Você vai notar que até o paladar da comida ficará melhor.

E olha, estou para te dizer que encontrar a banha de porco é extremamente fácil. Converse com o açougueiro de sua confiança e peça a ele para te fornecer a banha de animais criados soltos em pastos e que não consomem ração.

Muitos supermercados têm banha vegetal ou gordura hidrogenada, estas não servem. Ok? E lembre-se sempre que nem todas as gorduras saturadas são iguais.

Deixe o medo de lado e volte a desfrutar o sabor da comida da casa da vovó.



Referências bibliográficas:

- Archives of Internal Medicine 1992 Jul;152(7):1371-2

- Know Your Fats: The Complete Primer for Understanding the Nutriton of Fats, Oils and Cholesterol (Silver Spring, MD, Bethesda Press, 2000. p 135.)

- American Journal of Clinical Nutrition March 2010: 91(3); 502-509

- J Ag Food Chem, 1994, 42 (6), 1291–1294.

- BMJ 2013;347:f6340

- J Nutrition, 1950, 42, 375.

- Sinal Verde para a Carne Vermelha. Editora Gaia. 2011

terça-feira, 21 de abril de 2015

A favela de SP que tem horta comunitária mantida pelos próprios moradores

Fonte: Hypeness



por Redação Hypeness
Luz elétrica, asfalto, água encanada, coleta de lixo e esgoto são serviços ainda precários na 
Vila Nova Esperança, em São Paulo. Mas isso não impediu que os moradores se organizassem 
para deixar essa realidade um pouquinho melhor, fazendo jus ao nome da comunidade.
A favela existe desde 1960 e hoje são cerca de 600 famílias morando por ali. Para diminuir o lixo acumulado e evitar um possível despejo por parte do governo, em 2002 uma associação independente de moradores se mobilizou e criou uma horta comunitária no terreno. Logo, as pessoas pararam de jogar lixo no espaço e a ameaça de desapropriação foi afastada.

Como o tamanho da horta era limitado, no início era preciso colher as verduras para poder plantar mais. Porém, conforme a iniciativa dos moradores da Vila Nova Esperança ganha visibilidade, vão surgindo contribuições e parcerias. Recentemente, a Sabesp cedeu um terreno vizinho para que o cultivo seja ampliado junto com a construção de uma creche e um campinho de futebol. No momento, a associação busca recursos de empresas privadas para as obras poderem começar.

Tudo que sai da horta é compartilhado na comunidade. O plantio é feito em mutirões de até 50 pessoas, que acontecem periodicamente. Com a ampliação da área, a ideia é poder comercializar parte do volume colhido, gerando trabalho e renda para os moradores.

Essa iniciativa popular e positiva para transformar um cenário de tanta necessidade acabou recebendo reconhecimento oficial. Em 2014, o projeto da horta comunitária de Vila Nova Esperança ganhou o primeiro lugar na categoria Consolidação de Direitos Territoriais e Culturais do Prêmio Milton Santos, concedido pela Câmara Municipal de São Paulo.

horta09
horta11
horta13
horta14
horta16
horta15
horta05
horta06
horta07
horta04
horta08
Conheça o projeto que está levando arte para dentro de uma favela no Rio de Janeiro.
Foto destaque via; Imagens 01 a 06 via; Imagens 07 a 11 © Daia Oliver/R7 via

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Uso dos adoçantes pela minha querida Patrícia Ambrogi

Agrotóxico está escondido até em lasanhas e biscoitos





Fonte: A Tribuna
EGLE CISTERNA - 15/04/2015 - 19:46 - Atualizado em 15/04/2015 - 19:47


Relatório do Inca aponta que o Brasil se tornou o maior consumidor mundial do produto

É comum imaginar a presença de agrotóxicos em alimentos in natura,como verduras e hortaliças, mas eles podem estar escondidos em vários outros produtos processados pela indústria. A lista vai de biscoitos, salgadinhos, pães e cereais matinais a lasanhas e pizzas – e a todos os outros produtos que têm o trigo, o milho e a soja, como ingredientes. Nem a carne ou o leite estão livres dos agrotóxicos.

De acordo com relatório apresentado na última semana pelo Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (Inca), o uso de agrotóxicos no Brasil saltou de US$ 2 bilhões para mais de US$ 8,5 bilhões, entre 2001 e 2011. Em 2009, o País se tornou o maior consumidor mundial de agrotóxicos, com mais de um milhão de toneladas – o equivalente a um consumo médio de 5,2 quilos de veneno agrícola por habitante.

Contaminação e saúde

Segundo o levantamento, o uso de sementes transgênicas foi um dos responsáveis por essa realidade, uma vez que exigem grande quantidade de agrotóxicos em sua produção. Parte dessa química fica nos alimentos, mas parte acaba depositada no solo e pode até atingir o lençol freático, o que facilita a contaminação dos animais.

A exposição a esses produtos em alimentos e no ambiente, ainda que em doses baixas, pode causar intoxicações crônicas e afetar toda a população. Segundo o Inca, os efeitos adversos decorrentes da exposição crônica aos agrotóxicos podem aparecer muito tempo após a exposição e causar, entre outros problemas, infertilidade, impotência, abortos, desregulação hormonal, efeitos sobre o sistema imunológico e câncer.

Nas feiras

Uma alternativa para os produtos repletos de inseticidas e outros químicos são os alimentos orgânicos. Apesar de já contarem com feiras específicas em Santos, ainda são pouco conhecidos pela população.

“Os fregueses associam muitas vezes o orgânico com a hortaliça que “tem bicho” e preferem os com agrotóxico. Trocam aquilo que está com alguma sujeirinha, que pode ser facilmente limpo, por um produto com veneno”, diz a feirante Jaqueline Fernandes.




Os consumidores preferem ver preço a saber se o alimento possui ou não agrotóxico

Outra feirante, Eloisa Guida, vai além. “Aqui, as pessoas nem perguntam sobre agrotóxicos. Querem saber o que é mais barato, das frutas da estação”.

A dona de casa Sidneia Maria Rael afirma levar em consideração o preço na hora de escolher o produto. “Esses aí (orgânicos) eu não encontro em todos os lugares e são muito caros. Só levo para casa quando estão em promoção”.

Para o feirante Paulo Sergio Padovesi, aos poucos, a cultura dos fregueses da feira livre está mudando. “Na feira de sábado, na Pompeia, por exemplo, já compensa levar produtos orgânicos, pois há saída. Mas a produção ainda é pouca; são pequenos produtores que se juntam para vender uma quantidade menor. Isso faz com que o preço seja 50% maior do que aqueles que utilizam agrotóxicos”.

Evite danos

Para reduzir possíveis danos à saúde de produtos com agrotóxico, a dica é lavar bem o alimento. “Deve-se lavar em água corrente, usando até uma escovinha macia, em alguns casos”, ensina o nutricionista Cézar Henrique Azevedo. Ele orienta que algumas frutas, como o morango, não devem ficar muito tempo de molho. “A casca pode se dissolver e o defensivo agrícola entra no alimento”.

Azevedo aconselha também a lavar apenas a quantidade de frutas que for consumir na sequência, não deixar os produtos de molho na geladeira e não utilizar água quente para a limpeza. Deixar verduras de molho em uma solução de hipoclorito de sódio com água também é eficiente.

Nota do Blog Alimento Puro: Agrotóxico está dentro do alimento, não sai com nenhum produto ou com lavagem a quente ou frio. O que sai é o que está por fora que é uma quantidade mínima.

Formar o paladar de alguém, que poder é esse? - Por Nadia Cozzi


A geração atual não tem a cultura da amamentação, era incomum ver mulheres amamentando e quando acontecia era meio escondido, até “feio”. A revolução feminina nos levou para a rua, para a vida profissional e essa prática do aleitamento foi meio que deixada de lado. Ainda bem que isso está mudando!

Juntou-se a isso o forte movimento da Mídia e da Indústria Alimentícia que teima em incentivar a alimentação com fórmulas ou leite de vaca, mesmo que a OMS - Organização Mundial de Saúde - se esforce para proteger, promover e apoiar o aleitamento materno. Segundo a OMS as crianças devem ser alimentadas com leite materno exclusivo até aos 6 meses. A partir daí recebem alimentos complementares (sopas, papas, etc.) e deve-se manter a amamentação pelo menos, até os 2 anos de idade.

Muitos médicos ainda desinformados prescrevem sucos, água e outros alimentos antes dos 6 meses, inclusive industrializados, tipo o famigerado queijinho suíço cheio de aditivos químicos e açúcar. Outros impõem horários e regras para a amamentação, criando expectativas, quando o momento é deixar fluir, aceitar que o bebê conduza.

A mãe tem um papel fundamental, por isso deve estar emocionalmente tranqüila, serena já que a descida do leite é regulada por hormônios. Nessa fase o apoio da família é muito importante. O leite materno mais que nutrir, traz conforto, aconchego, faz nascer um elo indestrutível entre mãe e filho. Alimenta o corpo e a alma.

A livre demanda é a melhor forma de amamentar, o bebezinho sabe das suas necessidades. O leite materno vai se modificando conforme a criança cresce, ele é vivo e tem o sabor dos alimentos que a mãe ingere. Aqui vemos a importância do cuidado na alimentação da Mãe, procurando ingerir mais frutas, verduras e legumes preferencialmente orgânicos e deixar de lado os industrializados cheios de aditivos químicos, sódio e açúcar.

Não existe leite fraco, o bebê não fica dependente e amamentar dá menos trabalho que sujar louças, preparar mamadeiras e ter horários rígidos. O alimento está ali à disposição do bebezinho e ele sabe de quanto necessita em cada mamada. Vou voltar ao trabalho e não poderei amamentar. Pode sim, além ordenhar seu próprio leite, a mãe está com o bebê pela manhã e à noite. Muito importante é se juntar às outras mães em grupos de apoio. A Internet tem alguns muito bons para trocar experiências, orientar, apoiar.

Depois da amamentação vem as papinhas e a palavra de ordem é paciência, pois o bebezinho vai estranhar os novos sabores, perceba de qual ele gosta mais. Normalmente se começa com frutas e depois as papas salgadas. Uma boa técnica é colocar a colher no cantinho da boca deixando a papinha escorregar suavemente, dando tempo para que ele conheça o novo alimento.

Os ingredientes devem ser escolhidos pela sua qualidade e pureza, novamente sugiro os alimentos orgânicos. O pediatra deve determinar a consistência da papinha de acordo com a idade da criança. Um lembrete, uma papinha caseira leva no máximo 15 minutos para ficar pronta e pode ser congelada. Não há porque utilizar papinhas industrializadas, feitas por uma indústria e sem controle da qualidade. Os sucos feitos com frutas naturais também são muito melhores que os comprados que além de terem uma porcentagem de frutas muito baixa normalmente tem água e açúcar. Leiam os rótulos, verifiquem os ingredientes, isso é dica para todos os alimentos da família.

Após a fase das papinhas ele já pode comer normal. Apresente alimentos bons a ele e lembre-se ele copia o que o pai e a mãe fazem, sejam exemplos. A partir daí começam os problemas de convivência entre mães que querem dar uma alimentação saudável às suas crias e .... marido, avós, amigos, escola,etc. Você mamãe tem a honra de estar construindo o paladar de seu filho e essa é uma chance e tanto para decidir a saúde futura dele também.

Aqui vão algumas regrinhas de ouro:

• Seu filho não vai ficar aguado, com vontade de brigadeiro, refrigerante, bolacha recheada ou outra besteira qualquer, porque ele não conhece o açúcar. Até os 2 anos de idade pelo menos não deve ser apresentado a ele, adoce com banana, passas, tâmaras, mel (se ele tiver mais de um ano) ou no máximo açúcar mascavo ou demerara. Nós é que temos o paladar estragado pelo açúcar, provavelmente seu filho vai adorar um suco de maracujá sem você precisar adoçar, experimente!

• Sobremesa é fruta e deixe que ele pegue a fruta, sinta a textura, o sabor, o cheiro, é assim que se forma o paladar. Quanto à sujeira nada que um bom banho não resolva.

• Não permita que outras pessoas sirvam alimentos ao seu filho sem antes perguntar se ele pode comer. É você a responsável pela alimentação dele e as possíveis alergias que possam surgir de uma escolha errada. Aliás, alergia é uma ótima desculpa quando alguém insiste em dar aquele salgadinho cheio de glutamato monossódico para ele.

• Na escola informe-se sobre o tipo de lanches servidos e insista em alimentos mais saudáveis, livres de gorduras, sal e açúcar em demasia. E se for possível cuide você mesmo da lancheira de seu filho. Não esqueça... muita água!

Uma criança bem orientada nos primeiros passos da alimentação, acostumada às frutas, verduras, legumes e com pouco acesso ao sal e açúcar, vai comer besteirinhas sim porque vê as outras crianças comendo, mas na verdade só para experimentar porque seu paladar não está acostumado, logo se desinteressa.

No caso dos paladares já estragados, nada como uma boa conversa. As crianças são mais abertas às mudanças que nós adultos. Explique que aqueles nomes esquisitos (os aditivos químicos presentes nos alimentos industrializados) podem fazer mal para nós e que podemos ter coisas mais gostosas feitas em casa.

Vamos despertá-los para novos sabores, deixe que eles participem. Claro que tudo tem que ser gradual, sem pressões; eles abrem mão de certas coisas e aos poucos o paladar estranha o sabor do artificial, do maquiado.

No lugar do salgadinho, promova a sessão pipoca de verdade, aquela que pula na panela, faz barulho e tem um cheirinho inconfundível. Convide seu filho para fazer um bolo com recheio e tudo, bem bonito para o papai que vai chegar do trabalho. Bata no liquidificador um leite fresco, nada de longa vida, com cacau e açúcar mascavo, ou com frutas (o morango orgânico deixa uma cor irresistível), Coloque numa jarra de vidro bem bonita ou então em um copo alto daqueles de sundae com um canudo engraçado e leve para ele. A alegria desses momentos faz toda a diferença.

As crianças e os jovens perderam as lembranças felizes à volta de uma mesa. As preguiçosas manhãs de domingo, os sons vindos da cozinha, a briga entre a cama quentinha e o cheirinho irresistível de café, muitas vezes moído na hora. O pão crocante envolvido docemente pela manteiga derretida.

A família reunida, uma tagarelice sem fim. Donos do tempo, afinal é domingo! Envolvidos pela atmosfera de carinho, até as ranhetices entre os irmãos faziam parte da cena. Como esquecer os bolinhos de chuva salpicados com açúcar e canela? A magia das panquecas que vovós ou titias malabaristas viravam com toda a maestria? Lembranças e sensações perdidas para a maioria das crianças de hoje. 


Mas ainda dá tempo de mudar isso: forme o paladar de alguém, você tem esse poder. Experimente e sinta a sensação de ser lembrada para sempre.

Fontes de pesquisa:
www.leitematerno.org/oms.htm
www.mamaeebebe.com.br
guiadobebe.uol.com.br

Nadia Cozzi é publicitária de formação e Consultora de Alimentação Orgânica e Desenvolvimento Humano.
Blogs Alimento Puro (alimentopuro.blogspot.com.br), BioCulinária (bioculinaria.blogspot.com.br) e Instituto Pedro Cozzi – Espaço DAR VIDA (institutopedrocozzi.blogspot.com.br). 
Contatos: www.facebook.com/nacozzi ou nacozzi@hotmail.com

Fonte:Ecopedagogia

terça-feira, 14 de abril de 2015

Produtos Orgânicos na Cidade de São Paulo

A AAO Associação de Agricultura Orgânica acaba de atualizar a relação dos produtores de orgânicos na cidade de São Paulo:

Feira do Produtor Orgânico da AAO - Parque da Água Branca
Terças, Sábados e Domingos - das 7 às 12h
Av. Francisco Matarazzo, 455 - Perdizes - São Paulo - SP / CEP - 05001-900
Tel.: (11)3875-2625
e-mail: atendimento@aao.org.br
Produtos: Bebidas, Cafés, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos, Processados Diversos e muito mais!
Feira de Produtos Orgânicos do Shopping Villa Lobos
Domingos das 7 às 13h
Av. das Nações Unidas, 4.777 - Alto de Pinheiros - São Paulo - SP
Tel.: (11)3024-3738
Produtos:Bebidas, Cafés, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos, Processados Diversos e muito mais!
Nova Feira do Produto Orgânico e Agricultura Limpa - Ibirapuera
Sábados das 7 às 13h.
Modelódromo do Ibirapuera, com entrada pela Rua Curitiba, 292 - Vila Mariana
Produtos: Frutas, Hortaliças, Bebidas, Cafés, Ervas, Temperos,Grãos, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos, Processados Diversos e muito mais
Feira Orgânica do Ibirapuera
Domingos das 7 às 12h
Rua Tutóia, (estacionamento da Igreja do Santíssimo Sacramento) - Vila Mariana - São Paulo / SP - CEP - 04007-000
Produtos: Bebidas, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos e Processados Diversos.
Feira Orgânica Parque Previdência
Sábados, o dia todo
Rua Pedro Peccinini, 88 - Km 12 da Raposo Tavares - Jardim Adhemar de Barros - São Paulo / SP - CEP - 05577-000
Produtos: Bebidas, Cafés, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos e Processados Diversos.
Feira de Orgânicos do Mercado Central de São Paulo
Sábados das 7 às 13h
Rua Cantareira - Centro de São Paulo - CEP - 02433-008
Produtos: Bebidas, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Pães, Biscoitos e Processados Diversos.
Feira Livre de Produtos Biodinâmicos e Orgânicos 
Quintas-feiras das 7hs e 12hs
Rua São Benedito - bairro Alto da Boa Vista, em São Paulo, entre as ruas Américo Brasiliense e Alexandre Dumas
Produtos: Hortaliças, Frutas e Legumes.
Feira de Orgânicos do Parque Burle Max
Sábados das 7 às 13h
Av. Dona Helena Pereira de Moraes, 200- Morumbi - São Paulo /SP - CEP - 02433-008
Produtos: Frutas, Verduras, Hortaliças, Cereais e Pães.

Entrega em Domicílio

Mercado Apanã - Buffet Vegetariano e Mercado 
Rua Turiassu, 1645 Perdizes/Pompéia - São Paulo / SP - CEP - 05005-001
Televendas.: (11) 3181-7808
Site: www.apana.com.br
Produtos: entregas, restaurante, produtos orgânicos, café
Apotheca Pharmacia de Manipulação Homeopática Ltda
Rua Bernardino de Campos, 305 / Brooklin - São Paulo - SP / CEP - 04620-001
Tel.: (11) 5096-3371
Site: apothecafarmacia.com.br / e-mail: apotheca@uol.com.br
Produtos: Cosméticos e Óleos
Caminhos da Roça - Produtos Orgânicos
Av. Otacílio Tomanik 926 / Butantã - São Paulo - SP / CEP - 05363-000
Tel.:(11) 3733-6727
Site: caminhosdaroca.com.br / e-mail: euquero@caminhosdaroca.com.br
Produtos: Açúcares, Bebidas, Cafés, Carnes, Frangos, Peixes, Castanhas, Ervas e temperos, Fitoterápicos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Óleos, Pães e biscoitos, Processados Diversos, Produtos Biodegradáveis e Terapêuticos
Edimilson da Costa Rodrigues
Av. Raimundo Pereira Magalhães, 2730 - Pirituba São Paulo - SP - CEP - 05145100
Tel.: (11) 3207-3021 / (11) 95798-2754
e-mail: edimilsonorganicos@bol.com.br | vendas@alimentosorganicosonlne.com.br
Produtos: Açúcares, Artesanato, Bebidas, Cafés, Carnes, Frangos e Peixes, Castanhas, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Homeopáticos, Hortaliças, Insumos Agrícolas, Laticínios, Mel, Óleos, Pães e Biscoitos
Horta da Vovó - Quitanda Orgânica Delivery
Rua Itamiami, 131 - V.Mariana - São Paulo - SP - CEP - 04120-100
Tel.: (11) 97650-7036
Site: hortadavovo.com.br / e-mail: contato@hortadavovo.com.br
Produtos: Bebidas, Cafés, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel e Processados Diversos
Hortifruti Orgânico
Rua Adalberto Kurt 359 - Jd Libano - São Paulo - SP - CEP - 05138-040
Tel.: (11) 2825-3936
Site: hortifrutiorganico.com.br / e-mail: falecom@hortifrutiorganico.com.br
Produtos: Açúcares, Bebidas, Cafés, Castanhas, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Laticínios, Mel, Óleos, Pães, Biscoitos e Processados Diversos
Organic Delivery
Rodovia SP 350 Km 245 - Estrada Casa Branca à Itobi - Itobi - SP - Brasil
CEP - 13715-000 | Caixa Postal 05
Tel.: (19) 3647-1321
Fax: (19) 3647-1355
Site: organicdelivery.com.br / e-mail: organic@organicdelivery.com.br
Produtos: Açúcares, Bebidas, Carnes, Frangos e Peixes, Castanhas, Cosméticos, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Insumos Agrícolas, Laticínios, Mel, Óleos, Pães, Biscoitos e Processados Diversos
Ponto Verde Com. de Produtos Naturais Ltda
Rua Cancioneiro de Evora 552 A - São Paulo - SP - CEP - 04708-010
Tel.: (11)5182-5161
Site: lojapontoverde.com.br / email: loja@lojapontoverde.com.br
Produtos: Carnes, Frangos, Peixes, Castanhas, Cosméticos, Ervas e temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Insumos Agrícolas, Laticínios, Óleos e Processados Diversos
Além do Natural Comercio de Produtos Naturais Ltda ME
Av. Dr. Luiz Migliano, 1110 - Loja 10 - Jd. Vazani - São Paulo - SP - CEP - 05711-001
Tel.: (11) 3739-4945
Site: loja.alemdonatural.com.br / e-mail: contato@alemdonatural.com.br
Produtos: Açúcares, Artesanato, Bebidas, Castanhas, Ervas, Temperos, Fitoterápicos, Grãos, Laticínios, Mel, Processados Diversos e Terapêuticos
Emporium Oriental Iwama
Av. do Cursino, 1788 - Jardim da Saúde - São Paulo - SP - CEP - 04132-001
Tel.: (11)5073-7745
Site: emporiumoriental.com.br / e-mail: a.iwama@terra.com.br
Produtos: Açúcares, Bebidas, Cafés, Carnes, Frangos, Peixes, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Insumos Agrícolas, Laticínios, Óleos, Pães, Biscoitos e Processados Diversos
F&C Vida Natural Comércio de Produtos Naturais Ltda
Av. Cotovia, 328 - Moema - São Paulo - SP - CEP - 04517-000
Tel.: (11)3628-4350
e-mail:moema@mundoverde.com.br
Produtos: Bebidas, Cafés, Carnes, Frangos, Peixes, Castanhas, Cosméticos, Ervas, Temperos, Frutas, Grãos, Hortaliças, Insumos Agrícolas, Laticínios, Mel, Óleos e Processados Diversos
Tutto Natural
Rua Pires do Rio, 4 - Vila Gilda - Santo André - SP - CEP - 09190-480
Tel.: (11)4425-2669
Site: tuttonatural.com.br / e-mail: compras@tuttonatural.com.br
Produtos: Orgânicos, Hortifruti, Mercearia e Delivery
Sementes de Paz - Ind. e Com. de Produtos Ecológicos
Rua Prof. Abigail Alves Pires, 199 - Jd. Sarah - CEP - 05381-000
Tel.: (11)2361-7389 / (11)2359-1286 / (11)5206-4233(cel.)
Site: sementesdepaz.com.br / e-mail: sementes@sementesdepaz.org
Produtos: Realizamos o delivery de produtos orgânicos certificados na capital de São Paulo (zona sul, oeste, centro e partes da zona norte e leste), às terças e sextas-feiras pela manhã.
*Trabalhamos baseados nos princípios do comércio justo. São mais de 400 produtos disponíveis entre hortifruti, laticínios, grãos, padaria, ovos, conservas, molhos, sucos e muito mais. Novos clientes têm 15% de desconto na primeira compra.
Vida Saudável Orgânicos - Delivery
SiteVida Saudável Orgânicos / e-mail:contato@vidasaudavelorganicos.com.br
Missão: Promover a produção e o consumo de alimentos orgânicos, incentivando escolhas conscientes e levando maior qualidade de vida para as pessoas
Super Natural Orgânicos & Saudáveis
R. Augusta, 2.992, Jardim Paulista
Tel.: (11) 3062-4945
Horário de funcionamento: diariamente, das 8h às 22h
Página no FacebookSuperNaturalsupermercado
Produtos: Mix de mercado a granel e restaurante vegetariano.
Feira de Produtos Orgânicos e Naturais - MOA International Brasil
Sábados das 8 às 13h
Rodovia Castello Branco, km 66,5 – Mairinque – SP
Tel.: (11)4246-2211
VEG Armazém - Novo espaço de compras e serviços para sua saúde e bem-estar
End.: Rua das Monções, 478 - Bairro Jardim - Santo André - São Paulo - SP
Tel.: (11)4437-2893
Site: vegarmazem.com.br/home/
Produtos: Reunimos os melhores produtos naturais, integrais e orgânicos, em um só lugar em meio a um ambiente agradável e repleto de atividades para você relaxar e garantir a máxima qualidade de vida.
Naamazon Orgânicos
Site:naamazonorganicos.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas