segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Caldo em cubos: pedacinhos de veneno com marcas famosas

Fonte: Saúde Curiosa

Os temperos artificiais com nome de "caldos" usados na cozinha do consumidor comum são responsáveis pela incidência crescente de “doenças silenciosas”. 



Sazón esteve nos ouvidos e nas bocas de muita gente que não sabia (e talvez não saiba ainda) que tanto ele quanto o Caldo Knorr, Maggi, Arisco, Ajinomoto, Kitano e outros "alimentos" com o sabor realçado, contém glutamato monossódico.

O componente químico, longe de ser inofensivo para a saúde, é responsável por causar as mais diversas reações quando ingerido: enjoos, alergias da pele, vômitos, taquicardia, enxaquecas, arritmia cardíaca, tonturas e até depressão.



Usar temperos industrializados todos os dias pode causar sérios danos para quem os consome, pois o glutamato pode levar o sistema endócrino a produzir acetilcolina, substância que além de estimular a função muscular, reduz a absorção de glicose através dos neurônios. O resultado pode ser mais peso e até Alzheimer. Um caldinho muito perigoso e ao mesmo tempo bastante desagradável.



Leia também: Glutamato monossódico: o sabor que mata

O famoso "gostinho" da comida chinesa que persiste no paladar dias depois de ingerido, demonstra com clareza a força do produto químico, que é usado em quase todos os pratos desse tipo de cozinha. Cubinhos de caldos de galinha, carne e legumes "da caixinha" são uma ameaça sorrateira à saúde de todos.

Ao bloquear as funções neurológicas do hipotálamo, que ajudam a controlar o apetite, o glutamato nos induz a comer mais de que necessitamos e com isso a obesidade só aumenta.
Quer uma solução simples, barata e gostosa?



Congele ervas e temperos naturais imersos em azeite, óleo de coco ou manteiga em formas de gelo. Podem ser usadas com a mesma praticidade que os cubos venenosos que a indústria alimentícia química nos induz a comprar através de propagandas bem elaboradase que, além de saudáveis, podem ter sabores totalmente individuais e serem até mesmo mais baratos que os cubinhos cheios de química prejudicial à saúde.



Fontes de pesquisa:
FAO Nutrition Meetings -Report Series No. 48A WHO/FOOD ADD/70.39 “TOXICOLOGICAL EVALUATION OF SOME EXTRACTION SOLVENTS AND CERTAIN OTHER SUBSTANCES“.
LUCAS, D.R. and NEWHOUSE, J. P. “The toxic effect of sodium-L-glutamate on the inner layers of the retina. AMA Arch Ophthalmol 58: 193-201, 1957“.
OLNEY, J.W. “Brain lesions, obesity, and other disturbances in mice treated with monosodium glutamate. Science 164: 719-721, 1969“.

Fonte: Revista Ecológica

Falsos produtos orgânicos se espalham pelo país; saiba como evitá-los.



Fonte:O Globo
POR FERNANDA PONTES23/01/2016 09:20




Campanha pela valorização da produção orgânica

Sabe aquele tomatinho orgânico que você comprou outro dia? Ele pode não ser orgânico coisa nenhuma — e, como isso tem acontecido com uma frequência cada vez maior, a Sociedade Nacional de Agricultura vai lançar uma campanha em que alerta os consumidores sobre o crescimento desses falsos produtos.

Aliás e a propósito


O mote do programa é: os consumidores devem exigir o selo do governo brasileiro que certifica os produtos realmente orgânicos. “Se não tiver o selo é porque não há garantia alguma da procedência”, diz Sylvia Wachsner, da equipe de coordenadores da Sociedade Nacional de Agricultura. Há, ao todo, 11.650 produtores certificados em todo o país.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Vc acha difícil fazer pão em casa? Que vergonha, este aqui até uma criança sabe fazer!






Muito bom este canal, eu recomendo "Pão da Casa"





Que tal fazer manteiga fermentada em casa?


Hum que delíciaaaaa, ainda não experimentei mas com certeza está na minha lista de desejos!




A manteiga, assim como o ovo e o chocolate, está sendo resgatada do "limbo", que bom!
Vamos saber o que ela tem de bom?


Você sabe quais são os benefícios da manteiga?
Fonte: Musculação.net

A manteiga é um desses alimentos que pode transformar refeições sem sabor em refeições deliciosas, mas durante as últimas décadas, tem sido considerada a culpadade vários problemas de saúde, desde a obesidade até às doenças cardiovasculares.

Recentemente, a manteiga tem vindo a ser considerada novamente um “alimento saudável”. Vamos saber porquê?
1 - A MANTEIGA É RICA EM VITAMINAS SOLÚVEIS EM GORDURA

A manteiga contém uma grande quantidade de Vitamina K2, que pode ter efeitos poderosos na saúde. Intimamente envolvida no metabolismo do cálcio e a deficiência de vitamina k2 tem sido associada a muitas doenças sérias, incluindo problemas cardiovasculares, cancro e osteoporose. Acontece que os lacticínios derivados de animais alimentados a pastos são particularmente ricos em vitamina k2.
2- A MANTEIGA CONTEM UMA BOA QUANTIDADE DE GORDURAS SATURADAS SAUDÁVEIS

A guerra contra a gordura saturada está baseada em má ciência. Nunca se conseguiu realmente provar que este tipo de gordura prejudica a saúde.

De fato, estudos recentes sugerem que não existe nenhuma associação entre a gordura saturada e as doenças cardiovasculares.As gorduras saturadas aumentam o colesterol HDL (o bom) e mudam o LDL pequeno e denso (muito mau) para um LDL maior… que é benigno.

A manteiga também contem uma quantidade decente de gorduras de cadeia curta e média… que são metabolizadas de forma diferente de outras gorduras. Este tipo de gorduras conduzem a um aumento da saciedade e da queima de gordura.
3- A MANTEIGA REDUZ O RISCO DE ATAQUE CARDÍACO EM COMPARAÇÃO COM A MARGARINA


Até agora substituímos a manteiga, que é um alimento saudável, por algo que contêm gorduras trans altamente processadas… que são tóxicas e provocam todo o tipo de problemas para a saúde.

No estudo Framingham heart, os investigadores examinaram os efeitos da manteiga e da margarina na saúde cardiovascular e verificaram que a margarina aumenta de forma significativa o risco de problemas cardiovasculares, enquanto a manteiga não teve qualquer efeito.

Outro estudo revelou que o consumo de laticínios gordos reduziu o risco de problemas cardiovasculares por uns incríveis 69%, muito provavelmente devido ao aumento da ingestão de vitamina k2.
4- A MANTEIGA É UMA BOA FONTE DO ÁCIDO GORDO BUTIRATO


O butirato é um tipo de ácido gordo criado pelas bactérias do cólon quando estas são expostas à fibra dietética e esta pode ser a principal razão para as fibras proporcionaram benefícios para a saúde dos seres humanos.

Mas existe uma outra excelente fonte de butirato… a manteiga, que é composto por cerca de 3-4% de butirato.

Em estudos realizados com ratos, a suplementação com butirato preveniu o aumento de peso derivado de uma má dieta, aumentando o dispêndio de energia e reduzindo a ingestão de alimentos. Também melhora o funcionamento das mitocôndrias e reduziu os níveis de insulina e de triglicerídeos em jejum.

Nos seres humanos, o butirato é anti-inflamatório e tem efeitos protetores potentes no sistema digestivo.
5- A MANTEIGA É RICA EM ÁCIDO LINOLEICO CONJUGADO


A manteiga, especialmente a proveniente de animais alimentados a pastos, é uma excelente fonte de um ácido gordo chamado Ácido Linoleico Conjugado, também conhecido por CLA.

Este ácido gordo pode ter efeitos potentes no metabolismo e até é vendido como suplemento para perda de peso. O CLA demonstrou possuir propriedades anti-cancerígenas, e também diminuir a percentagem de gordura corporal em seres humanos.

No entanto, outros estudos verificaram que o CLA não tem qualquer efeito na composição corporal.
6- A MANTEIGA ESTÁ ASSOCIADA A UM MENOR RISCO DE OBESIDADE


As autoridades de nutrição mais proeminentes costumam recomendar o consumo de lacticínios pobres em gordura. A ideia é que dessa forma, podemos obter o cálcio de que necessitamos sem todas essas gorduras más e calorias excessivas.

Mas apesar do conteúdo mais elevado de calorias, a ingestão de lacticínios gordos não está associada à obesidade.

De fato, um artigo de revisão que foi publicado em 2012, examinou os efeitos do consumo de lacticínios gordos na obesidade, doenças cardiovasculares e outras desordens metabólicas.

Eles descobriram que os lacticínios gordos não aumentam o risco de doença metabólica e que foram associados a um risco significativamente mais reduzido de obesidade.

Para alem dos vários benefícios para a saúde que a manteiga nos proporciona, é também bastante deliciosa e sempre com um sabor superior à margarina. Que mais se poderia pedir deste fantástico alimento?

Quer saber mais sobre os benefícios da manteiga?
Leia a reportagem completa: 6 benefícios da manteiga




sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

O açúcar é o maior veneno que damos às crianças

Fonte: MINAMI
written by Cristina Cardigo



É o que diz a pediatra Júlia Galhardo, responsável pela consulta de obesidade no Hospital de Dona Estefânia, numa entrevista à Visão. E vai mais longe, refere-se mesmo ao abuso do açúcar em idades precoces como maus tratos.

Eu me acuso, sou daquelas pessoas que come demais quando está cansada/triste, come porque está feliz e quer celebrar, come porque acha que cozinhar é um passatempo estupendo. Não tenho a “sorte” de não engordar, como tem o meu filho e marido, por isso tento ter cuidado com a alimentação da nossa família. Sorte entre aspas, porque engordar pode ser um factor de alarme para os excessos, porque se vê.


Os pais não devem ficar descansados quando o seu filho, que come muitos doces, é magro. Muitos desses meninos, que são longilíneos, têm alterações dos lípidos no sangue, têm problemas de aterosclerose. Não são gordos, mas têm alterações metabólicas. Nem tudo o que é mau se vê. Nem tudo o que é mau dói. A hipertensão não dói, a diabetes não dói. Não doem, mas matam. E, mesmo quando existe excesso de peso, os pais não dão a devida importância. Acham que a criança vai esticar quando crescer, como se fosse plasticina, e que o problema vai desaparecer. Só começam a perceber que há, de facto, um problema quando as análises dão para o torto. Quando o colesterol ou os glícidos ou o ácido úrico vêm aumentados, quando as análises revelam inflamação…

E depois, há um mundo lá fora. Um mundo de pessoas simpáticas que querem oferecer chupas, um mundo que acha que “é só um dia”, “que não faz mal nenhum”. Um mundo que acha que os afectos se transmitem com comida, não é à toa que nos restaurantes há o “Doce da Avó”, eu cá nunca encontrei o “Doce da Mãe” ou o “Doce do Pai”.


Os avós têm um papel fundamental! Os avós são do tempo em que não havia esta parafernália do pacote. O doce era o mimo do dia de festa. Mas transformam este mimo num bolo ou num chocolate todos os dias. Porque… “coitadinho do menino”. Eu peço aos avós, por favor, que transformem estas coisas em mimos de abraços, de afetos. Que vão com eles ao parque brincar, ver o pôr do sol, fazer castelos de areia. Que os ensinem a cozinhar coisas saudáveis. A fazer pão, salada de frutas. Eu aprendi a fazer pão com a minha avó e ainda hoje me lembro. Peço aos avós que nos ajudem a modificar esta carga. E que percebam que, hoje em dia, o maior inimigo dos seus netos é o açúcar. A comida não é castigo nem prémio.
Como sensibilizar sem parecer a bruxa má do Oriente? Festas de aniversário na creche, onde dizem “é só um dia”, mas é só um dia em que 40 crianças fazem anos… mais as outras festas de aniversário fora da creche (com a moda de se levar um saquinho de doces para casa!), a Páscoa, o Natal, as férias, etc. etc… O meu filho tem 2 anos e meio aprendeu a dizer chocolate e chupa fora de casa… ou foi na creche, ou foi com as avós. Nunca o saberei. Não os podemos proteger para sempre, dirão as almas caridosas da brigada do açúcar… É precisamente por isso que acho importante controlar os doces e educar no sentido da prevenção. Um bom começo é ler o artigo completo aqui.

Central de abastecimento no ABC paulista começa a monitorar agrotóxicos em alimentos


Fonte: ORGANICSNET
07/01/2016


Resultado de duas análises feitas em tomates detectou 17 resíduos de defensivos diferentes; um era proibido no Brasil

Desde o início do ano, a Central de Abastecimento de Santo André (Craisa), cidade do ABC paulista (SP), monitora a quantidade de agrotóxicos presentes nos legumes, frutas e verduras distribuídos por seus concessionários. O objetivo do trabalho, pioneiro, é incentivar a fiscalização por parte de produtores e distribuidores, além de tornar o consumidor mais consciente sobre a qualidade dos alimentos que ingere.

Em entrevista à repórter Vanessa Nakasato da TVT, o engenheiro agrônomo do Craisa, Fábio Vezzá, explica que o resultado de duas análises feitas em tomates deram o alerta para que a central de Santo André passasse a monitorar os produtos vendidos. “Encontramos 17 resíduos de defensivos diferentes. Dois dos pesticidas estavam acima do limite permitido e um outro, não era permitido. A gente tem o projeto de fazer 15 amostras por mês a partir de 2016.”

“A gente quer um alimento seguro pro consumidor, pro ambiente e pro agricultor que produziu”, conclui.

O atacadista Pedro Albuquerque de Campos considera que vende alimentos com “muito veneno”, e explica que os produtos chegam com mais toxinas do que o necessário, pois há um período – não respeitado – de carência entre a aplicação do agrotóxico e a colheita do alimento, para que o pesticida não prejudique a saúde do consumidor. “Tem muito agrotóxico, é bastante mesmo. Tem que ter um tempo determinado para tirar, mas o lavrador é ganancioso e não espera.”

Fábio explica que quanto mais difícil o cultivo e mais fora de época, maior a carga de pesticida que o produto recebe “Por exemplo, quando eu era criança, lembro que só tinha morango no inverno, hoje, durante o verão tem morango, então ‘é natural’ que a gente encontre mais pesticida.”

A Central de Abastecimento de Santo André vai repassar os resultados dos produtos ao Ministério de Agricultura e à Anvisa.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. O relatório recente do Inca aponta que o país consome um milhão de toneladas ao ano, ou seja, cada brasileiro consome 5,2 quilos de agrotóxicos por ano.

A alternativa para o consumidor são os alimentos orgânicos, preço dos alimentos orgânicos inibe o consumo, já que eles custam cerca de 30% a mais do que os produtos tradicionais.

Márcio Stanziani, integrante da Associação dos Agricultores Orgânicos, reivindica incentivo do governo para a produção livre de agrotóxicos. “O governo investe no produto tradicional e subsidia os agroquímicos, e as políticas públicas que existem para a agricultura orgânica são pequenas (sic). O consumidor não tem consciência que esse produto barato não vai reverter na sua saúde, que provavelmente terá de gastar no futuro por causas dos problemas de saúde.”

Rede Brasil Atual

Transgênicos na moda têm também

Fonte: INSECTA

Quando falamos de transgênico, provavelmente a primeira coisa que vem à mente são produtos alimentícios como milho e soja. Nem sempre é fácil perceber como as poderosas Monsanto e DuPont, multinacionais responsáveis pela maioria das sementes transgênicas no mundo, podem estar envolvidas com produtos além da mesa, afinal, ter monopólio das agriculturas destinadas à alimentação nos parece mais do que suficientemente rentável.

Mas a verdade é que o transgênico já chegou à indústria da moda faz tempo e veio, claro, pela fibra fabricada em maior quantidade no mundo: o algodão. A semente do algodão está no top 5 dos produtos transgênicos junto com a soja, o milho e a canola. Talvez você esteja pensando “se nós não comemos algodão, não tem problema usar algodão transgênico, não é mesmo?”. Porém, não é bem assim.

Um dos maiores problemas do transgênico começa bem antes do produto chegar na sua mão, e não tem muito a ver com saúde, pelo menos não com a nossa. Vamos deixar 99% das questões que envolvem o debate entre os que são a favor dos transgênicos e os que são contra e focar apenas em uma: o monopólio e como ele afeta os produtores.

Quem leu nossa matéria sobre o recém-lançado documentário The True Cost deve ter se espantado com a alta taxa de suicídio entre os produtores de algodão da Índia, um dos países que mais exportam algodão no mundo. A cada 30 minutos, um fazendeiro comete suicídio, o que equivale 1 em cada 3 suicídios no mundo. Enquanto a Monsanto nega firmemente que o produto dela tenha qualquer coisa a ver com isso, algumas pesquisadores, jornalistas e líderes indianos afirmam exatamente o contrário.



Para começar, as sementes são muito caras e os fazendeiros precisam recorrer a empréstimos bancários para financiá-las, com esperança de diminuir custos principalmente com pesticidas. Alexis Baden-Mayer, diretor político da Organic Consumers Association, esclarece que as sementes transgênicas “são incrivelmente mais caras; são 8 mil por cento mais caras do que sementes de algodão normal. Mas sementes de algodão normal se tornaram praticamente indisponíveis para os agricultores indianos por causa do controle da Monsanto do mercado de sementes “, disse IDT, acrescentando que a Índia é hoje o quarto maior produtor de culturas geneticamente modificadas.

Em contrapartida, um dos maiores problemas de plantar o algodão geneticamente modificado da Monsanto na Índia é que ele precisa de muita irrigação e, com os sistemas de irrigação manipulados pelos fazendeiros ricos, a maioria das plantações depende da água das chuvas. Porém, depender da água das chuvas é um risco imenso e muitas colheitas não acontecem. Logo, os fazendeiros não conseguem pagar os empréstimos, perdendo, inclusive, suas fazendas.

“O algodão transgênico tem sido promovido como algo que realmente resolve problemas dos agricultores indianos que cultivam algodão. Mas algo que tem sido promovido como uma solução de crises, cria ainda mais problemas “, disse o cientista agrícola Kirankumar Vissa.



Quando a chuva atrasa, os empréstimos se acumulam, as famílias perdem as terras e não enxergam mais nenhuma saída, eles recorrem, principalmente, aos pesticidas como fonte de auto envenenamento. É uma história que se remete entre as viúvas e filhos que ficaram.

Mas o que nós podemos fazer para não endossar essa política? Bem, a verdade é que é realmente complicado achar uma saída 100% porque a Índia exporta algodão para o mundo todo. É claro que não estamos dizendo para você jamais comprar algodão, mas sim que vale ficar atento nas empresas que produzem com materiais reciclados (além de PET, já existe algodão reciclado disponível para as marcas de moda) ou fazem upcycling.



Ainda é muito difícil de encontrar no Brasil, mas existe também opções de peças feitas com algodão orgânico, totalmente livre de transgênicos. Empresas responsáveis, que têm uma política ética realmente forte, também procuram suas matérias-primas de maneira responsável. O principal lema para ter em mente sempre é: consumir menos, melhor e com consciência do impacto daquele produto no mundo e na vida de outras pessoas.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas