O açúcar é o maior veneno que damos às crianças

Fonte: MINAMI
written by Cristina Cardigo



É o que diz a pediatra Júlia Galhardo, responsável pela consulta de obesidade no Hospital de Dona Estefânia, numa entrevista à Visão. E vai mais longe, refere-se mesmo ao abuso do açúcar em idades precoces como maus tratos.

Eu me acuso, sou daquelas pessoas que come demais quando está cansada/triste, come porque está feliz e quer celebrar, come porque acha que cozinhar é um passatempo estupendo. Não tenho a “sorte” de não engordar, como tem o meu filho e marido, por isso tento ter cuidado com a alimentação da nossa família. Sorte entre aspas, porque engordar pode ser um factor de alarme para os excessos, porque se vê.


Os pais não devem ficar descansados quando o seu filho, que come muitos doces, é magro. Muitos desses meninos, que são longilíneos, têm alterações dos lípidos no sangue, têm problemas de aterosclerose. Não são gordos, mas têm alterações metabólicas. Nem tudo o que é mau se vê. Nem tudo o que é mau dói. A hipertensão não dói, a diabetes não dói. Não doem, mas matam. E, mesmo quando existe excesso de peso, os pais não dão a devida importância. Acham que a criança vai esticar quando crescer, como se fosse plasticina, e que o problema vai desaparecer. Só começam a perceber que há, de facto, um problema quando as análises dão para o torto. Quando o colesterol ou os glícidos ou o ácido úrico vêm aumentados, quando as análises revelam inflamação…

E depois, há um mundo lá fora. Um mundo de pessoas simpáticas que querem oferecer chupas, um mundo que acha que “é só um dia”, “que não faz mal nenhum”. Um mundo que acha que os afectos se transmitem com comida, não é à toa que nos restaurantes há o “Doce da Avó”, eu cá nunca encontrei o “Doce da Mãe” ou o “Doce do Pai”.


Os avós têm um papel fundamental! Os avós são do tempo em que não havia esta parafernália do pacote. O doce era o mimo do dia de festa. Mas transformam este mimo num bolo ou num chocolate todos os dias. Porque… “coitadinho do menino”. Eu peço aos avós, por favor, que transformem estas coisas em mimos de abraços, de afetos. Que vão com eles ao parque brincar, ver o pôr do sol, fazer castelos de areia. Que os ensinem a cozinhar coisas saudáveis. A fazer pão, salada de frutas. Eu aprendi a fazer pão com a minha avó e ainda hoje me lembro. Peço aos avós que nos ajudem a modificar esta carga. E que percebam que, hoje em dia, o maior inimigo dos seus netos é o açúcar. A comida não é castigo nem prémio.
Como sensibilizar sem parecer a bruxa má do Oriente? Festas de aniversário na creche, onde dizem “é só um dia”, mas é só um dia em que 40 crianças fazem anos… mais as outras festas de aniversário fora da creche (com a moda de se levar um saquinho de doces para casa!), a Páscoa, o Natal, as férias, etc. etc… O meu filho tem 2 anos e meio aprendeu a dizer chocolate e chupa fora de casa… ou foi na creche, ou foi com as avós. Nunca o saberei. Não os podemos proteger para sempre, dirão as almas caridosas da brigada do açúcar… É precisamente por isso que acho importante controlar os doces e educar no sentido da prevenção. Um bom começo é ler o artigo completo aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas