Como é a alimentação dos estudantes da USP?

Fonte: Jornal do Campus USP
07?11/16

De acordo com pesquisa realizada pelo JC, um terço dos alunos gostaria de se alimentar melhor



“A correria da vida acadêmica não deixa a gente tomar muito cuidado com a nossa alimentação”, diz Thiago Ferreira Vieira, estudante do Instituto de Relações Internacionais. Essa tem sido a restrição de muitos alunos da Universidade sobre sua alimentação. 

A pesquisa realizada pelo Jornal do Campus com alunos da USP revelou que cerca de 40% dos entrevistados não regulam a própria alimentação e 32% gostariam de se alimentar de maneira mais saudável. A reportagem investigou os perfis de alimentação que há na Universidade e as motivações dos alunos para seu planejamento alimentar.

O Bandejão é uma opção predominante para os alunos da USP durante o almoço: quase metade dos participantes da pesquisa dizem almoçar predominantemente no local. Já durante o jantar, o número é expressivamente menor, com cerca de 22% dos alunos. Para os entrevistados, essa escolha é consequência do número de atividades acadêmicas e extracurriculares do dia. “Esse negócio de você ter pouco tempo, e também das atividades extras que a gente faz – seja com o CA ou com atividades de extensão, muitas vezes na janta, ou no almoço. Então, fica muito mais difícil, e aí tem vezes que não dá pra ir pro Bandejão, pega só um lanche, um salgado e come na aula ou na reunião”, afirma Maria Caroline Santos, aluna do Instituto de Biociências.

Como são os hábitos alimentares dos alunos? | Infográfico: Vitor Andrade

De acordo com os dados coletados, a grande parte dos alunos que pratica refeições nos Bandejões o faz pelo fator econômico, mas não se sentem satisfeitos nutricionalmente com a variedade do cardápio. Estruturalmente, muitos reclamam das longas filas e da distância dos restaurantes para institutos mais afastados. “Muitas vezes você tá na correria e não tem tempo de bandejar, porque tem fila, porque falta funcionário. Só quatro bandejões é pouco pro tanto de gente que tem aqui. Antes, quando a gente entrou aqui em 2014, tinha sempre um funcionário pra cada setor, agora acontece de ter um só e a pessoa mesma se serve. E isso demora, é mais tempo, mais fila” relata Maria.

Para Clarissa Fujiwara, nutricionista graduada pela Faculdade de Saúde Pública e pesquisadora da USP, os dados da pesquisa reforçam a importância de haver um restaurante universitário. “O bandejão garante uma refeição com custo acessível, nutricionalmente variada, propicia grupos alimentares diferentes. Então o almoço, sendo o pilar das refeições desse jovem, já que grande parte não faz o café da manhã, é de extrema importância para que ele tenha um bom desempenho nas suas atividades ao longo do dia”, explica.

Quando questionada sobre a falta do café da manhã na dieta do uspiano, Clarissa diz ser consequência de diversos fatores. “Um deles, que acaba se misturando a todos os outros, é a falta de tempo. Lembrando que o universitário sai do período da adolescência, alguns saem da casa dos pais, e começam a adquirir mais independência e aí a responsabilidade da alimentação, dentre outros compromissos, acaba sendo só dele. Por isso talvez tenha essa reclamação de que a qualidade alimentar não seja a melhor.”, diz, citando também a porcentagem de alunos que mostram insatisfação com a atual alimentação.

Infográfico: Aline Naomi

Jefferson Viana, aluno de Educação Física na EEFE-USP, mora no Crusp, almoça e janta no Bandejão regularmente. “Faltam mais opções pra quem não tem uma renda grande, mas isso é reflexo de quem ingressa na USP de fato. Pra quem precisa se alimentar no fim de semana, mora no CRUSP ou ou em repúblicas, a região é péssima por causa dos preços altos e a quantidade de locais para se alimentar. Melhor opção nesse caso é fazer sua própria comida.”

Essa é uma recomendação da própria Clarissa. De acordo com a nutricionista, “considerando que o universitário está adquirindo mais responsabilidade com a alimentação, uma opção é se programar para cozinhar num fim de semana ou num dia que ele tenha mais disponibilidade, e congelar essas porções.” 

Para ela, há um impacto muito grande na vida do universitário quando ele sai dos cuidados de alimentação da família e tem a autonomia de decidir o que comer, tornando essa rotina mais desorganizada. Cozinhar os próprios alimentos auxilia neste ponto, além de dar maior controle às pessoas com algum tipo de restrição alimentar, seja ela movida por questões de saúde ou ideológicas.

Bruno Backes, aluno do Instituto de Física, diz que a escolha de ser vegano torna mais difícil comer na USP. “Existem [opções]. Na Física, só tem comida vegana cara em uma das lanchonetes, e na outra não. Seis reais por um salgado pequeno, só porque é vegano”. 

Além disso, o estudante revela que as opções para veganos no Bandejão são limitadas. “Gosto das misturas quando não têm leite e margarina, e podia ser substituída por óleo. Macarrão, algumas vezes é só de sêmola de trigo, alguns tem ovo, tenho sempre que perguntar.”, afirma. “Mas o pior mesmo é o composto PVT (Proteína Vegetal Texturizada), que raríssimas vezes está bom mesmo. É sempre PVT, todo dia.”

Por conta dessas questões, muitos dos alunos optam por jantar em casa. Dentre os entrevistados, a maior parte afirma não fazer refeições estruturadas no período noturno, consumindo lanches mais leves e pratos menores. Clarisse vê que há uma tendência, não só dos universitários, de optar por uma refeição mais prática de montagem, como um sanduíche, pela falta de disponibilidade de cozinhar. “Se nós fôssemos desmembrar esse sanduíche, poderíamos ter um carboidrato bom, complexo, pão de forma integral, por exemplo. A gente poderia incluir também, ao invés de ser só um pão com manteiga ou um pão com queijo, poderia ser um patê de atum, de frango. Há a opção de um hambúrguer caseiro assado, dá pra pensar em algumas alternativas, incluindo nesse pão também alguns vegetais”.

Para a nutricionista, esse cenário pode ser alterado com pequenas mudanças possíveis no cotidiano, seja com atividades físicas leves (como descer um ponto antes do ônibus, caminhadas curtas e a limpeza da casa) ou com a própria conscientização, o que ela encara com positividade nos dados, considerando o número expressivo que gostaria de mudar seus hábitos alimentares ou que já os regula de algum modo. Entretanto, a nutricionista não deixa de pontuar que esse perfil de alimentação não é pessoal. “Eu entendo que essa questão em torno da má qualidade da alimentação não é algo que é só individual, a gente não quer culpabilizar, não é a pessoa que está decidindo não comer aquilo. A gente tem n fatores e eles estão colocados aqui [na pesquisa] também: o custo, a disponibilidade e o acesso”.

Comentários

Postagens mais visitadas