quarta-feira, 20 de junho de 2018

Copa sem Coca

Fonte: Aliança pela alimentação
Por: Juliana Waetge



A Copa do Mundo é um dos maiores eventos esportivos que existem. Como sabemos da importância que a atividade física tem para a saúde, era de se esperar que o mais importante torneio de futebol do mundo fosse relacionado apenas a hábitos saudáveis, certo? Mas não é isso que acontece.

O patrocínio de empresas de produtos não saudáveis, como a Coca-Cola e o Mcdonalds, está presente no evento há anos. Para chamar a atenção para esta contradição, a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável está apoiando uma campanha regional em parceria com organizações da sociedade civil de vários países da América Latina.

Contexto

Já se sabe que as bebidas com adição de açúcar são muito prejudiciais para a saúde. Dentre essas bebidas, incluem-se os refrigerantes. Elas contribuem para o surgimento de problemas como a obesidade e o diabetes, e até mesmo o câncer. Além disso, são completamente supérfluas e não trazem nenhum benefício em termos de saúde e nutrição.

Mas, ainda assim, elas estão presentes em eventos esportivos como a Copa do Mundo. Por meio do estabelecimento de parcerias e patrocínios, empresas como a Coca-Cola tentam associar seus produtos a um estilo de vida saudável – o exato oposto do que eles são na realidade.

E o problema não para por aí: com o patrocínio da Copa, a Coca-Cola consegue uma plataforma para fazer propaganda de seus produtos e aumentar suas vendas. Em um mundo que sofre com o aumento constante dos índices de obesidade e sobrepeso (e problemas relacionados a eles), estabelecer parcerias que promovam produtos que contribuem para esse aumento, como faz a Fifa (Federação Internacional de Futebol), é, no mínimo, uma grande irresponsabilidade.

Campanha: Queremos uma #CopaSemCoca!

Pelos motivos descritos acima, organizações de saúde da América Latina se reuniram para pedir que a Fifa retire o patrocínio de produtos não saudáveis de seus eventos.

Faça parte desse movimento! Foi disponibilizada uma página para participação, na qual é possível enviar mensagens ao presidente da Fifa e aos membros do Conselho de Direitos Humanos da entidade solicitando o fim da parceria.

Pela saúde de nossas crianças, devemos exigir à Fifa que esses produtos não sejam propagandeados em seus eventos esportivos! Queremos uma #CopaSemCoca!

Juliana Waetge é membro da Aliança e parte da equipe de Comunicação da ACT Promoção da Saúde.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

São Paulo ganha nova feira orgânica – e por que isso é muito importante

Fonte: Revista Boa Forma
Quanto maior o número de adeptos dos alimentos sem defensivos, menor o risco da liberação de novos agrotóxicos
Por Eliane Contreras
6 maio 2018



(a_namenko/Thinkstock/Getty Images)

Prepare a sacola sustentável: a partir desta sexta-feira (18/05), o mapa de feiras orgânicas de São Paulo ganha mais um novo endereço – desta vez, no espaço da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo). As barracas de pequenos produtores certificados serão montadas uma vez por semana, sempre às sextas, das 7 da manhã às 13 horas.
Veja também

SAÚDEOrgânicos: uma boa aposta!query_builder12 mar 2015 - 10h03


A promessa é de preços acessíveis para desmistificar a ideia de que os orgânicos são necessariamente mais caros. “Queremos que mais pessoas conheçam os alimentos orgânicos e queiram entrar nesse estilo de vida“, diz André Pereira, um dos sócios da Plural Bio e da Só Orgânicos – empresas parceiras na criação e organização da feira.

Por coincidência, a Feira Orgânica Ceagesp surge no momento em que os adeptos da alimentação livre de defensivo agrícola se mobiliza contra a PL dos Venenos – Projeto de Lei 6299/2002 em curso na Câmara Federal que defende a liberação de mais substâncias nocivas no cultivo agrícola. E várias delas são proibidas há anos nos Estados Unidos e na Europa pelos prejuízos comprovados à nossa saúde e à natureza.

Assine nossa newsletter e fique por dentro das últimas notícias de BOA FORMA

Os ativistas alertam para mais um retrocesso na legislação dos defensivos agrícolas, a PL3200, que sugere alterar o nome de “agrotóxico” para “defensivos fitossanitários”. “A mudança de nome desinforma e mascara o risco que esses venenos trazem para a nossa saúde e o meio-ambiente. As pessoas podem achar que não é perigoso e que existe um uso seguro, o que é absolutamente falso”, ressalta a especialista em agricultura e alimentação Marina Lacôrte, do Greenpeace Brasil. A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e o Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) já afirmaram que não há nível de consumo seguro para essas substâncias.
Veja também
BELEZA9 produtos de beleza com pegada orgânica, vegana ou naturalquery_builder13 maio 2018 - 07h05

Só para constar: por causa da economia baseada no agronegócio (monoculturas), desde 2008 o Brasil é o primeiro no ranking de países que mais empregam agrotóxicos nas plantações. Que venham mais feiras orgânicas para que essa história possa ser mudada e a nossa comida de todo o dia chegue à mesa livre de substâncias nocivas.

Endereço Feria Orgânica Ceagesp: Av. Dr. Gastão Vidigal, Vila Leopoldina (Zona Oeste), portão 7, entrada gratuita.


Nota:

Previamente divulgada para dia 11/5 e, posteriormente, para 18/5, a inauguração da 1ª Feira de Orgânicos daCEAGESP de São Paulo foi suspensa por tempo indeterminado por conta de atrasos na análise da documentação dos agricultores participantes para legalização da feira orgânica.

“Queremos finalizar os trâmites legais para que a feira esteja em pleno funcionamento o mais rápido possível. Assim que a data for definida, haverá ampla divulgação. Pedimos desculpas por qualquer inconveniente”, diz porta-voz da Plural, uma das empresas organizadoras da feira.

A primeira Feira Orgânica da CEAGESP é uma iniciativa de pequenos produtores orgânicos certificados e acontecerá semanalmente, às sextas-feiras, no Varejão da CEAGESP.

Fonte: Plural
Telefone: (11) 2977-4304
Site: www.pluralbio.com.br

Irlanda anuncia tributação de bebidas adoçadas

Fonte: ALIANÇA PELA ALIMENTAÇÃO




Entrou em vigor no início do mês de maio, na Irlanda, um novo imposto sobre bebidas adoçadas. O intuito, a exemplo do que acontece em outras partes do mundo, é o de reduzir o consumo de produtos que sabidamente contribuem para a crise de obesidade e doenças relacionadas.

O imposto eleva o preço de qualquer produto com base de água ou suco e que seja adoçado artificialmente. O valor varia de 20 centavos de euro para as bebidas que contenham entre 5g e 8g de açúcar em 100ml a 30 centavos de euro para quantidade superiores de açúcar na mesma quantidade de mililitros. Além dos refrigerantes, o imposto afetará algumas águas aromatizadas, bebidas energéticas e esportivas e sucos elaborados a partir de concentrados.

A medida precisa ser celebrada. Ela amplia a lista dos países que assumiram o compromisso de enfrentar a complexa questão de desestímulo a produtos não saudáveis. A tributação é uma política recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No mês de abril entrou em vigor no Reino Unido um imposto semelhante, anunciado há dois anos. A taxa varia de acordo com a quantidade de açúcar por cada 100ml de bebida. Os refrigerantes mais populares e tradicionais do mercado, como a Coca-Cola e a Pepsi, contêm entre 10g e 11g de açúcar por 100 ml, e podem sofrer um aumento de cerca de 40% em relação ao que se paga hoje.

No México, a tributação sobre bebidas adoçadas existe desde 2014. De acordo com a revista especializada The Lancet, houve uma redução de 17% no consumo desse tipo de produto entre as famílias mexicanas de menor poder aquisitivo. Um levantamento da Universidade da Carolina do Norte (UNC), aponta, também, para um aumento na venda de bebidas não taxadas, como a água.

Não se trata apenas de reduzir o consumo, mas do efeito adicional de estimular a própria indústria de alimentos a rever suas fórmulas. No Reino Unido, por exemplo, informações da imprensa local apontam que mais da metade dos fabricantes anunciou mudanças nas fórmulas de seus produtos para cortar o açúcar e evitar a cobrança.

E o Brasil, quando pretende avançar nessa discussão?

Leia aqui a reportagem da agência de notícias EFE sobre o novo imposto irlandês.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Supermercados optam por agricultor local para rastrear melhor orgânicos

FONTE: DCI

Varejo de todos os portes monitora cada vez mais o trajeto dos alimentos e foca no desenvolvimento de marcas próprias de produtos livres de agrotóxicos para maior disseminação




Nas gôndolas: atualmente o Pão de Açúcar tem 1,6 mil produtos orgânicos disponíveis para o consumidor
FOTO: ESTADÃO CONTEÚDO


JOÃO VICENTE RIBEIRO • SÃO PAULO


Publicado em 30/04/18 às 05:07


A fim de garantir a devida origem e pureza de alimentos classificados como orgânicos, redes varejistas de diversos tamanhos têm elevado o esforço no monitoramento do trajeto que o produto percorre até as gôndolas e, para isso, priorizam mais negócios com produtores locais.

Redes como Carrefour, Pão de Açúcar e – de menor porte – Savegnago apostam no discurso em favor da saudabilidade alimentícia e gama de produtos orgânicos dentro de suas marcas próprias e descentralizam seus fornecedores do eixo Rio-São Paulo.

Para o superintendente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Márcio Milan, os orgânicos estão mais disseminados e a tendência é que apresentem incremento nos próximos anos, por motivos que vão além da saudabilidade.

“A preocupação com a saúde ainda é a que mais impulsiona o consumo [destes produtos] no Brasil. Porém, para um determinado grupo de consumidores, a principal motivação para o consumo destes produtos são questões ligada ao meio ambiente”, destaca Milan.

“Acredito que o mercado de orgânicos nacional vá crescer substancialmente dentro de cinco anos e, em torno de dez anos, chegaremos ao patamar de produção de países como Inglaterra e regiões da França”, afirma o diretor de sustentabilidade do Carrefour, Paulo Pianez. Segundo a empresa, a descentralização de fornecedores, com o surgimento de produtores locais próximos às unidades da rede, já pode ser vista nas regiões Centro-Oeste e Sul.

De acordo com ele, no Brasil, a rede varejista francesa está investindo em um movimento para converter seus distribuidores tradicionais em produtores mais engajados na produção “agroecológica” – conhecida também como uma prática agrícola ligada à sustentabilidade.

“Não basta fazer essa conversão, isso também tem que ser visto em valores mais acessíveis e competitivos dos nossos produtos orgânicos”, afirma Pianez, destacando que a popularização dessa categoria de alimentos acarretaria em uma diminuição dos preços.

O diretor afirma que a variação do preço dos alimentos orgânicos é de 20% a 50% em relação aos itens tradicionais. O Carrefour começou há dez anos a trabalhar por meio de sua marca própria nessa categoria de produtos sem agrotóxico. Atualmente, o sortimento de hortifruti “natural” da rede varejista corresponde a mais de 12% de toda a variedade de frutas, legumes e verduras do negócio.

Em 2017, a empresa foi eleita – pelo Programa de Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos (Rama) – como a rede que melhor rastreou seus alimentos no Brasil. Com 46 varejistas participantes, a iniciativa tem como objetivo supervisionar, por meio de análises técnicas, que o limite legal da aplicação de defensivos agrícolas nos produtos seja respeitado.

Também com marca própria de orgânicos – batizada há dez anos como Taeq –, a rede de supermercados Pão de Açúcar vislumbra um aumento no número de produtores cadastrados caso haja um incremento na demanda por essa categoria de alimento. Hoje, o negócio conta com mais de 1,6 mil itens deste tipo.

“Inicialmente contávamos com uma variedade menor de produtos – bastante concentrada em frutas, verduras e legumes. Porém, nos últimos anos, o mercado cresceu e hoje já é possível encontrar alternativas orgânicas em quase todas as categorias como palmito, azeite, sucos, biscoitos, massas, energéticos e vinhos”, disse o Grupo GPA por meio de comunicado.Portes menores

A disseminação dos produtos orgânicos também se dá em redes menores. É o caso da Savegnago, que tem como principais fornecedores pequenos agricultores e cooperativas locais. Para o gerente comercial, Belchior Martins, porém, um dos principais desafios a ser enfrentados está relacionado a acessibilidade. “Os valores variam muito, mas geralmente está em torno de 30% a 50% mais caro. Com maior produtividade e tecnologia os valores tendem a ficar mais acessíveis”, comenta.

Pessoal de São Paulo - CEAGESP terá feira orgânica a partir de maio

FONTE: ORGANICS NEWS BRASIL
Por EquipeONB
-28/04/2018

(Foto: Pixabay)

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo irá inaugurar o Varejão da CEAGESP, feira orgânica que reunirá pequenos produtores todas as sextas-feiras, a partir do dia 11 de maio.

Frutas, verduras, grãos e outros alimentos sem agrotóxicos, seja in natura ou minimamente processados, serão vendidos na feira, com preço justo.

O Varejão é a primeira iniciativa do gênero feita em parceria entre pequenos produtores orgânicos, a CEAGESP, o Rancho Biju, produtor de queijo e hortifrúti orgânicos, o supermercado digital Plural Bio, e a franquia Só Orgânicos.

A iniciativa tem como objetivo desmistificar a ideia de que os alimentos orgânicos são necessariamente mais caros, mostrar o custo-benefício para a saúde e incentivar o consumo de orgânicos.

Serviço – Nova Feira De Produtos Orgânicos em São Paulo no Varejão da CEAGESP
Início 11 de Maio de 2018 – Todas as sextas-feiras, das 7h às 13h
Entrada franca
Entrada pelo portão 7 da Av. Dr. Gastão Vidigal, Vila Leopoldina – Estacionamento grátis

** Com informações do Plural Bio

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Shopping Cidade Jardim passa a promover Feira de Orgânicos semanalmente

Fonte: NOVO NOTÍCIAS


A população está cada vez mais em busca de hábitos saudáveis e o Shopping Cidade Jardim se adapta para oferecer praticidade ao público fitness consumidor de produtos naturais. A partir agora, o mall promoverá semanalmente, uma Feira de Orgânicos. A prática inicia neste sábado, dia 03 de março, das 9h às 13h, no espaço próximo a loja "Mundo Verde".

Esta primeira edição contará com sete expositores microempreendedores que possuem certificado no Ministério de Agricultura. O evento permite ao público experimentar, consumir e aprender um pouco mais sobre produtos como temperos e especiarias, pães e geleias artesanais, queijo mineiro recheado e queijos tradicionais, pimentas, plantas ornamentais e orgânicos (frutas e legumes).

Entre os expositores da Feira de Orgânicos do Cidade Jardim estão marcas consolidadas como Sertão Jucurutu e Del Conde Queijos Gourmet. Todos os itens comercializados são produzidos localmente. "Estamos apostando nessa nova experiência. O shopping além de ter um ótimo público, possui um ambiente tranquilo que nos permite atender com mais calma e tirar todas as dúvidas dos clientes", defende a organizadora da Feira, Nayara Christine

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Mudança de hábito abala gigantes dos alimentos . Procura por comida saudável reduz receita de Kraft Heinz, Coca-Cola e Danone



Orgânicos

Fonte: Folha de SP

Fabricantes de bebidas açucaradas e alimentos industrializados estão sofrendo para elevar as vendas, diante de consumidores mais conscientes sobre saúde e preços, o que os força a reduzir custos para elevar lucros e buscar aquisições para melhorar os resultados.

Os desafios ficaram evidentes na sexta (16) quando três gigantes dos alimentos -- Kraft Heinz, Coca-Cola e Danone -- anunciaram resultados para o quarto trimestre que mostram o abandono pelos consumidores de produtos que deliciavam gerações anteriores -- de queijo industrializado fatiado a refrigerantes com teor de açúcar de 39 gramas --, em favor de alternativas mais saudáveis.

Nosso desempenho financeiro em 2017 não refletiu nosso potencial, disse Bernardo Hees, presidente da Kraft Heinz, que teve queda de vendas de 1,1% nos EUA -- sétima queda consecutiva.

A mudança no gosto do consumidor movimentou os maiores fabricantes de alimentos e bebidas do planeta.

A Coca-Cola, que reportou suas mais baixas vendas de refrigerantes em 31 anos, anda assim conseguiu alta de 6% nas vendas orgânicas, com a ajuda de água vitaminada, chás e similares e de outras bebidas que incluiu em sua linha, em boa parte por aquisições.

Hees, da Kraft Heinz, deu a entender que o principal acionista da empresa -- o grupo 3G, dos brasileiros Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles -- poderia buscar novas aquisições, depois de uma queda de 20% nos preços das ações.

Se houver mais consolidação no setor, Hees afirmou, "queremos ser parte disso".

Desde a fusão de US$ 100 bilhões da Kraft com a Heinz, a 3G vem seguindo o manual de corte de custo. A margem de lucro bruta subiu a 37%, ante 27% quando da formação da companhia, em 2015.

Na quinta (15), ela anunciou que atingiu meta de redução de custos. A receita líquida subiu a US$ 8 bilhões, refletindo o benefício da reestruturação tributária nos EUA.

A Coca-Cola planeja economizar US$ 3 bilhões até o ano que vem em seu plano de cortes de custos.

SOPA

Outras empresas de alimentos e bebidas se saíram pior. A Campbell Soup reportou queda de 2% nas vendas orgânicas no quarto trimestre, devido à baixa demanda por suas tradicionais sopas na América do Norte.

A Nestlé revelou que as vendas do ano passado cresceram em seu ritmo mais lento em duas décadas.

A Danone, de iogurtes e água mineral, disse que as vendas de suas linhas de produtos estabelecidas há pelo menos um ano haviam crescido 2,9% em 2016, expansão mais lenta em 20 anos.

Para analistas, a consolidação será inevitável neste ano, como resultado da batalha por vendas entre as empresas estabelecidas.

Mark Schneider, presidente da Nestlé, avisou que a tendência de abandono das supermarcas de alimentos industrializados chegou para ficar. Houve um padrão em 2017 no setor de alimentos e bebidas, disse. O setor todo demorou um pouco a reconhecer o fato, mas agora está em nossa mira.

Tradução de PAULO MIGLIACCI.
FINANCIAL TIMES
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Feiras Orgânicas