Açúcar o filme.

Fonte INC



A intrigante história real do documentário “Açúcar”, que mostra os efeitos corporais sofridos pelo ator Damon Gameau ao deixar sua dieta baseada em “alimentos” e passar consumir, durante dois meses, uma alimentação baseada em “produtos industrializados” tidos como “saudáveis”, tem chamado a atenção de muitas pessoas no mundo. A questão intrigante nesta história é que a dieta seguida pelo ator, a base de industrializados vendidos como “saudáveis”, contabilizavam cerca de 40 colheres de chá de “açúcar oculto” por dia (~160 gramas/dia), e, lembrem-se, estes produtos não eram refrigerantes, chocolates, sorvetes ou fast foods. Os produtos consumidos eram produtos vendidos com apelo comercial de “saudáveis”, como iogurtes com baixo teor de gorduras, sucos de frutas, barras de cereal, granolas e até mesmo pães integrais. O documentário além de mostrar os efeitos do açúcar no corpo, debate a ação da indústria alimentícia, que, cada vez ilude o consumidor, por meio de estratégias sofisticadas de marketing e desenvolvimento.

O filme discute que atualmente cerca de 80% dos produtos industrializados contém “açúcares” em sua lista de ingredientes. Este açúcar “escondido” passa muitas vezes despercebido pelo consumidor. Este filme também foi transformado em livro chamado The Sugar Book.

A quantidade de 40 colheres de chá de açúcar por dia consumida pelo ator no filme foi baseada no consumo médio de açúcar da dieta ocidental, valor esse praticamente consumido de forma escondida em alimentos industrializados. Uma equipe de médicos e nutricionistas orientaram o consumo e acompanharam a saúde do protagonista ao longo dos dois meses, por meio de medições de peso, medidas corporais, pressão arterial, glicemia, entre outros parâmetros. Apesar de continuar a sua rotina de exercícios regulares durante os 60 dias Damon ganhou 10 cm de gordura ao redor da cintura, desenvolveu esteatose hepática (gordurosa no fígado), alterações de humor, cansaço, entre outros sintomas.

Estes efeitos negativos do excesso de açúcares sobre a saúde são bem conhecidos na literatura. Tanto que em março de 2015, a Organização Mundial de Saúde – OMS publicou uma Diretriz com orientações para redução da ingestão de açúcar. Tal documento recomenda que todas as pessoas, incluindo crianças, reduzam a ingestão de açúcar, não excedendo ao limite diário de 10% do total de energia consumida, para uma dieta de 2000 Kcal isto equivale a 50 gramas de açúcares por dia. No Brasil, a última POF (2008-2009) estimou que a ingestão média de açúcar está em torno de 150 gramas por dia, ou seja cerca de 3 vezes maior, semelhante a quantidade consumida pelo ator no filme. A OMS ainda acrescenta que a redução para abaixo de 5%, ou cerca de 6 colheres de chá (25g) por dia, fornece benefícios adicionais de saúde.

Infelizmente, estas orientações impressas, não impactaram totalmente as pessoas, principalmente aquelas que estão em maior risco. Assim, os produtores do filme acreditam que o documentário possa promover maior impacto e conscientização na população, podendo ser uma ferramenta adicional na promoção da saúde, auxiliando as pessoas a fazerem melhores escolhas e motivando-as a levar uma vida saudável.

O filme apresenta um novo olhar, mais crítico e mais consciente para o nosso ambiente alimentar, desmontando a crença comum de que de que a atual epidemia de obesidade é um resultado simplesmente da falta de exercício e consumo de fast food.

Segundo o autor a proposta do documentário não foi demonizar o açúcar, mas sim levar maior consciência a população sobre a qualidade dos produtos industrializados a que estamos expostos no nosso dia a dia e chamar a atenção para a necessidade de pautarmos a nossa alimentação em “alimentos de verdade”.

No Brasil, o novo Guia Alimentar Brasileiro lançado pelo Ministério da Saúde é um documento que foca exatamente nesta recomendação, a importância de uma alimentação baseada em alimentos in natura ou minimamente processados, tendo sido muito elogiado por diversas autoridades de saúde internacionais.

Os produtores do filme e seus patrocinadores, criaram um site, para ser um lugar de aprendizagem e motivação para ação, onde se pode acessar receitas e e-books, descobrir como fazer para exibir o filme em uma comunidade, escola, etc. A comunidade Australiana, local de origem dos organizadores do filme, podem ainda encomendar um kit de ferramentas para educação nutricional em escolas e participar do programa de educação desenvolvido para escolas, obtendo ainda dicas e métodos que o autor utilizou para voltar a levar uma vida saudável novamente, depois do seu experimento. O site dá dicas para ajudar as pessoas a reduzir o teor de açúcar na família e nas cantinas escolares.

O trailer do documentário em inglês pode ser visto no youtube. O filme com legendas em português pode ser visto aqui.

Referencias citadas:

World Health Organization. Sugars intake for adults and children. Guideline -WHO, 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília : Ministério da Saúde, 2º ed. 2014.

Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009 : análise do consumo alimentar pessoal no Brasil/IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. – Rio de Janeiro : IBGE, 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas