12 estabelecimentos que oferecem produtos sem glúten

SP para Curiosos  por por  em  • 18:11



Você conhece algum celíaco? São Paulo é o Estado brasileiro com a maior porcentagem de celíacos do país (cerca de 30% da população, segundo a Associação dos Celíacos do Brasil). Uma pessoa diagnosticada com doença celíaca (ou intolerância permanente ao glúten) é proibida de ingerir qualquer alimento que contenha glúten – proteína que compõe a farinha de trigo, a aveia, o malte, o centeio e a cevada. Tamanha incidência incentivou a nutricionista Lucélia Costa, presidente da Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil (Fenalcebra), a decidir implantar o selo Livre de Glúten nos estabelecimentos do país. “O projeto pretende atingir indústrias, bares, restaurantes, supermercados, lojas e até hotéis”, esclarece.



O selo deverá funcionar de maneira semelhante à que já ocorre em países como Inglaterra e Alemanha: procurada pelos estabelecimentos, a Fenalcebra envia especialistas até o local para implantar um “manual de boas práticas”. Com o manual, pretende-se educar os funcionários dos estabelecimentos em relação ao armazenamento de ingredientes, ao uso dos utensílios de cozinha e ao preparo dos alimentos. A proposta deveria estar funcionando desde setembro de 2013, mas, segundo a nutricionista, leis municipais emperraram a aplicação do projeto piloto. Ela garante, no entanto, que a implantação do selo deva sair ainda no início deste ano. “Nossa expectativa é que não passe de janeiro”.

Enquanto o selo não sai, o blog São Paulo para Curiosos preparou uma lista com 12 estabelecimentos que oferecem produtos sem glúten:

Além do Natural



Viviane Ayub, mãe de três filhos, teve Tadeu, seu caçula, diagnosticado celíaco aos cinco anos de idade. “Não existiam alimentos sem glúten nos mercados”, lembra Viviane. Em março de 2008, quatro anos depois da descoberta, ela inaugurou a loja Além do Natural. “Queria oferecer todos os produtos necessários para uma pessoa celíaca em um mesmo lugar”, conta. Hoje, a loja recebe produtos de 50 fornecedoras diferentes (nacionais e internacionais). Os pães (R$ 15,00) e as bolachas (R$ 14,50) são alguns dos produtos mais vendidos. “Em cinco anos, a demanda aumentou cerca de 60%”.

Rua Dr. Luiz Migliano, 1110, Morumbi, Loja 10
Tel. 3739 4945
Seg. a sex., das 9h às 19h; sáb., das 9h às 13h

A Tal da Pizza



A Tal da Pizza passou a produzir massa sem glúten depois que um amigo celíaco de Miriam Freitas, sócio-fundadora do restaurante, pediu que ela encontrasse uma alternativa para seu problema. Há dois anos, ela serve – pelo mesmo valor da massa tradicional – pizzas à base de amido de milho. “É um pouco quebradiça, não tão crocante quanto a original”, confessa Miriam. “Mas é uma das únicas formas de não excluir os celíacos da pizzaria”.

Rua Dr. Mário Ferraz, 351, Itaim Bibi
Tel. (11) 3079-3599
Seg. a qui., das 19h à 0h; sex. e sáb., das 19h à 1h; dom., das 18h à 0h

Beato Restaurante

Há um mês, o Beato Restaurante inaugurou o Menu Funcional, destinado aos clientes que não podem ingerir glúten e lactose. “É uma alimentação mais leve que atende todos os públicos sem nenhum tipo de restrição”, conta Bruno Ventre, 28 anos, um dos três sócios do estabelecimento. O menu, que conta com duas entradas, dois pratos principais e duas sobremesas, foi desenvolvido pelo chef Thiago Koch em parceria com a nutricionista Marília Cremonezi. “A maioria dos nossos clientes já conheciam outros produtos sem glúten”, afirma Bruno. Os pratos sem glúten são servidos de segunda a sexta durante o horário de almoço.

Rua dos Pinheiros, 174, Pinheiros
Tel. 2538-8107 / 2538-8105
seg. a sex.; 12h às 15h30 e 19h30 às 23h30, sáb.; 12h30 às 17h e 20h às 00h30, dom.; 12h às 17h

Buttina



O restaurante incluiu em 2013 dois pratos sem glúten em seu cardápio. A iniciativa foi da chef Filomena Chiarella, que desenvolveu o Penne con le zucchine e limone (R$ 38) – abobrinha, limão siciliano, hortelã e amêndoas – e o Spaghetti rucola e pomodori secchi (R$ 37) – ao alho e óleo com rúcula e tomate seco. “Os clientes solicitaram esse tipo de prato”, conta Sue Nishikawa, gerente do restaurante. “A casa sempre se preocupou com as pessoas que têm restrições alimentares”. A demanda pelos pratos surpreendeu os administradores do restaurante, que passaram a oferecer também massas integrais e sobremesa diet. “Clientes sem qualquer restrição ficaram interessados em experimentar os pratos e se surpreenderam com o sabor”.

Rua João Moura, 976, Jardim Paulista
Tel. 3083-5991 / 3088-6840
Ter. a sex., das 12h às 14h30 e das 20h às 23h30; sex., das 12h às 14h30 e das 20h à 0h30; sáb., das 13h à 0h30; dom. e feriados, das 13h às 17h

Nello’s



Fundada em 1974, a cantina Nello’s também aderiu aos produtos sem glúten. “Foi um pedido dos clientes”, conta Augusto Mello, genro do italiano Nello, fundador do restaurante. A massa do espaguete sem glúten pode ser feita de milho (mais amarelada comparada à comum) ou arroz (mais clara, em relação à massa tradicional). “É preferível que a massa seja acompanhada de um molho encorpado”, aconselha Augusto. A diferença de preço entre as massas é pequena. A tradicional sai por R$ 26 e a sem glúten, por R$ 28.

Rua Antonio Bicudo, 97, Pinheiros (Unidade 1)
Tel. (11) 3082.4365
Ter. a qui., 12h às 15h e 19h às 24h; sex., 12h às 15h e 19h à 1h; sáb., 12h às 16h e 19h à 1h e dom., 12h às 17h e 19h às 23h

Diaita

Depois do nascimento de dois bebês alérgicos, a dentista Sofia Cattaccini resolveu desenvolver meios para ajudar na evolução da saúde de seus clientes. “Descobri que eu poderia ir além de levar o bebê no médico e amamentar”. Sofia viajou para a Alemanha, onde estudou homeopatia. Quando voltou ao Brasil, cursou aulas de acupuntura. “Com os estudos, percebi que para ter uma saúde integral você tem que cuidar da alimentação”. A dentista comprou uma antiga doceria na Zona Norte de São Paulo e, ao lado da nutricionista Joana D’arc Mura, desenvolveu o cardápio do novo estabelecimento. Em 2011, após um ano de reformas e testes gastronômicos, a Diaita foi inaugurada. Todos os produtos do local são fabricados com proteína vegetal, fibras, carboidrato integral e biomassa de banana verde. Portanto, não possuem glúten, leite e derivados. Sofia conta que muitos de seus clientes são autistas. A dentista explica que uma dieta sem glúten colabora para que o autista tenha uma melhora significativa no desempenho acadêmico, além de proporcionar melhoras no desenvolvimento neuropsicológico. “Muitas mães me ligam chorando e agradecendo porque observam a evolução no dia a dia do filho”. Entre as guloseimas que a padaria oferece, destacam-se o mini-panetone de chocolate (R$ 19,40), o pão de feijão preto (R$ 17,60) e o grissinis de café com cobertura de chocolate (R$ 6,80).

Rua Padre Luciano, 122, Jardim França
Tel. 2548-7550
Seg. a sex., das 7h às 20h; sáb. e feriados, das 9h às 19h

Sem Glúten Marilis



Marilis Maldonado Moraes, formada em marketing, foi diagnosticada celíaca em janeiro de 1997. No mesmo ano, decidiu fazer alguns cursos relacionados à área gastronômica. Depois de concluir as aulas, em 1998, foi demitida da empresa onde trabalhava. Resolveu, então, investir no seu próprio negócio. “Montei minhas receitas, e comecei a produção dentro de casa”, conta Marilis. Hoje, a empresa fornece 40 produtos diferentes sem glúten, como: pizzas (R$ 17), doces (R$ 4), misturas para bolos (R$ 8) e pães (24). Marilis garante que não segue uma linha de produção: “Eu conheço cada cliente e o produto é diferenciado conforme a necessidade”.

Rua Cachoeira, 623M, Belém
Tel. 2692-6244
Seg. a sex., das 9h às 17h; sáb., das 9h às 12h3o

Maria Gula



Inaugurada há quatro anos, a pizzaria Maria Gula contou com a insistência de uma cliente celíaca para incorporar massa sem glúten ao cardápio da casa. “Demorou até conseguirmos elaborar algo parecido com a tradicional massa de pizza”, confessa a proprietária Ana Luiza Notari. As redondas sem glúten, que estrearam sete meses atrás, são feitas a partir de uma mistura de fécula de arroz, batata e mandioca. Clientes com restrições alimentares devem fazer a reserva da pizza especial. A casa cobra uma taxa adicional de R$ 10 pela receita alternativa. Sob encomenda, Ana Luiza também produz cupcakes e bolos sem farinha de trigo.

Rua Carlos Weber, 606, V. Leopoldina
Tel. (11) 3641-2511
Seg., das 11h30 às 15h; ter. a sáb., das 11h30 às 15h e das 19h às 23h30; dom., das 19h às 23h30

Nininha Sigrist



O ateliê de doces e bolos Nininha Sigrist oferece há um ano bolo de linhaça sem glúten. A farinha utilizada pela casa custa cerca de 30% a mais do que a farinha de trigo tradicional. “Investi nesse tipo de produção por perceber o bem estar que uma dieta sem glúten proporciona”, diz Nininha, proprietária do ateliê. A receita também substitui o açúcar e o ovo por mel e linhaça, respectivamente. O bolo sem glúten custa entre R$ 250 e R$500, e deve ser encomendado com dois dias de antecedência.

Rua Quitaduba, 168, Sumaré
Tel. 3726-2000
vendas@nininhasigrist.com.br

Restaurante Ráscal



“Não foi uma estratégia de mercado, mas aconteceu”, analisa Nadia Pizzo, consultora gastronômica da rede de restaurantes Ráscal. “Queríamos atender solicitações de alguns clientes que pediam opções sem glúten no cardápio”. Há dois anos, a casa apresenta os “pratos glúten free”. Servidas todos os dias, as massas de macarrão penne e spaghetti sem glúten fazem parte do buffet do restaurante (R$ 63 por pessoa). Apesar do empenho da casa em manter os pratos no cardápio, Nadia revela que a procura não é grande. “Não tem tanta saída, pois atende a um público bem específico”.

Alameda Santos, 870, Cerqueira César
Tel. 3141-0692
Seg. a qui., das 12h às 15h15 e das 19h às 22h15; sex., das 19h às 22h15; sáb., das 12h às 17h15 e das 19h às 23h15; dom. e feriados, das 12h às 17h15

Sala Vip


A chef do restaurante italiano Nico Pasta & Basta, franquia da rede de pizzarias Sala Vip, Marina Lepore, sugeriu a fabricação de pizzas com massa sem glúten. A ideia foi aprovada no mês de abril. “Muitos celíacos viram aí a chance de voltarem a frequentar pizzarias”, diz Natalia Delbosque, 26 anos, responsável pelo marketing da empresa. São cerca de 70 sabores de coberturas que podem ser combinados com a massa sem glúten, a um custo R$ 3 mais caro do que o das pizzas tradicionais. “Recebi e-mails emocionantes de clientes agradecendo a iniciativa”, conta Natalia. Das 13 pizzarias da rede em São Paulo, a unidade dos Jardins é onde as redondas sem glúten fazem mais sucesso: “São vendidas, em média, 50 pizzas por mês”. O projeto deu tão certo que o Nico Pasta & Basta resolveu adotar o conceito. Hoje, a franquia oferece em seu cardápio o Gnocchi de Mandioquinha com Tomate Fresco al Limone (R$ 36) – sem glúten.

Alameda Lorena, 722, Jardins (somente delivery)
Tel. 3052-2222
Ter. a dom., das 18h à 0h

Santo Bolo


Bolo fécula de batata com calda de laranja

A confeitaria abriu as portas há cerca de um ano. Desde sua inauguração, oferece o bolo sabor Flocão de Milho sem glúten (R$ 25). O produto, no entanto, não figura na vitrine da loja, devido à baixa demanda. Ainda assim, Marieta Cardoso, proprietária da loja, passou a oferecer outro sabor sem glúten, o de Fécula de Batata com Calda de Laranja (R$ 50,00). Os produtos sem glúten devem ser encomendados com um dia de antecedência.
Rua Bruxelas, 64, Sumaré
Tel. (11) 675-1464
Seg. a sexta das 10h às 19h e sáb e dom. das 10h às 18h

Recebi no Twitter mais um lugar que serve alimentos para celíacos e intolerantes à lactose.

Leticia Bicicretinha: a Amor aos Pedaços também oferece uma opção de torta sem glúten e sem lactose :)v

Comentários

Postagens mais visitadas